Manual do TPA

MANUAL DO TRABALHO PORTUÁRIO
E EMENTÁRIO
Edição 2001

© 2001 – Ministério do Trabalho e Emprego – MTE
Edição e Distribuição: Secretaria de Inspeção do Trabalho – SIT
Esplanada dos Ministérios, Bloco F, sala 171, Anexo, Ala
B, 1º andar
Brasília/DF – CEP: 70059-900
Tel.: (0xx61) 224-7312/226-1997
Fax: (0xx61) 226-9353

Impresso no Brasil/Printed in Brazil
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação – CIP
Biblioteca. Seção de Processos Técnicos – MTE
M294 Manual do trabalho portuário e ementário. – Brasília : MTE,
SIT, 2001.152 p.

Contém glossário dos principais termos portuários em inglês.
1. Trabalho marítimo, inspeção, Brasil.

2. Segurança do trabalho,Brasil.

3. Saúde ocupacional, Brasil.

 I. Brasil. Ministério do
Trabalho e Emprego (MTE).

II. Brasil. Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT).CDD – 341.65185

 

SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO ………………………………………………………………………………………… 05
PRINCÍPIOS DO TRABALHO PORTUÁRIO ………………………………………………………. 07
INTRODUÇÃO ……………………………………………………………………………………………. 09
PORTO ……………………………………………………………………………………………………… 14
TRABALHO PORTUÁRIO E OPERAÇÃO PORTUÁRIA ……………………………………… 19
O TRABALHADOR PORTUÁRIO ………………………………………………………………….. 27
OPERACIONALIDADE DO TRABALHO PORTUÁRIO ……………………………………….. 31
As Regras para Inscrição no Registro e Cadastro dos Trabalhadores
PORTUÁRIOS À ÉPOCA DA LEI Nº 8.630/93 ……………………………………………….. 39
A INSPEÇÃO DO TRABALHO NOS PORTOS ………………………………………………….. 42
ROTINA DE FISCALIZAÇÃO EM NAVIO ………………………………………………………… 44
PRINCIPAIS INFRAÇÕES ENCONTRADAS NOS PORTOS …………………………………… 46
NORMA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTUÁRIO …………………… 53
RESUMO DAS NOTAS TÉCNICAS E ENTENDIMENTOS EMITIDOS PARA
A INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTUÁRIO ……………………………………………………. 54
LEGISLAÇÃO ……………………………………………………………………………………………… 59
EMENTÁRIO ……………………………………………………………………………………………. 129
GLOSSÁRIO ……………………………………………………………………………………………… 143

APRESENTAÇÃO

Este manual vem suprir a necessidade de uma orientação detalhada e minuciosa
para a fiscalização do trabalho portuário, área tão específica e diferenciada, em que
os Auditores-Fiscais do Trabalho têm se defrontado com a necessidade de implantar
a Lei de Modernização dos Portos, muitas vezes ainda não completamente assimilada
pelos atores sociais envolvidos.
Como exposto neste manual, o papel do Auditor-Fiscal do Trabalho nos portos
é a busca do cumprimento da nova legislação trabalhista portuária tanto pelos
empresários quanto pelos trabalhadores portuários, no interesse de toda a sociedade
brasileira, bem como a promoção do entendimento e da negociação entre as partes,
como forma de solução autônoma dos conflitos, participando, quando necessário,
em mediações, objetivando viabilizar os acordos e convenções coletivas, sempre
orientando quanto aos mandamentos legais.
Considerando a ausência de estudos sobre esse tema, e para fortalecer o combate
às irregularidades, uniformizando os procedimentos de seus agentes, a Secretaria
de Inspeção do Trabalho (SIT) elaborou este Manual, que visa a proporcionar
um entendimento adequado da matéria e uma rotineira fonte de consultas, também
atendendo a uma das metas do Plano Integrado de Modernização dos Portos
(PIMOP).
Agradecemos à equipe que o elaborou, com dedicação e conhecimentos dos
Auditores-Fiscais do Trabalho: Cláudio Guimarães Filho (DRT/PE), José Emílio
Magro (DRT/ES), Paulo Sérgio de Almeida (DRT/RJ), Renato Barbedo Futuro
(DRT/RS) e Sérgio Luiz André Bambino (DRT/RJ), coordenados pelo Auditor-
Fiscal do Trabalho José Luiz Linhares, responsável pela Unidade Especial de Inspeção
do Trabalho Portuário e Aquaviário, que demonstra um enorme entusiasmo e
percepção da importância da modernização das relações de trabalho nos portos
para o nosso País. Conseguimos consolidar neste Manual as informações necessárias
para o aprimoramento de nossa ação fiscal.
Brasília, 7 de junho de 2000
VERA OLÍMPIA GONÇALVES
Secretária de Inspeção do Trabalho
7
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
PRINCÍPIOS DO TRABALHO PORTUÁRIO
PRINCÍPIO NEGOCIAL
Decorre dos arts. 22, 28 e 29 da Lei nº 8.630/93, que delega aos representantes
patronais e laborais, pela negociação, a normatização dos aspectos inerentes ao trabalho
portuário avulso. Assim sendo, onde não houver violação aos comandos
legais revestidos de interesse público, as partes poderão livremente estabelecer as
condições de trabalho mais adequadas a cada localidade por meio de convenções
coletivas de trabalho. Note-se que, em que pese a força deste princípio, as convenções
coletivas de trabalho não têm o condão de retirar prerrogativas dos Órgãos
Gestores de Mão-de-Obra (OGMOs), que são entidades revestidas de interesse público.
PRINCÍPIO PUBLICISTA
Esse princípio decorre e opõe-se ao anterior, isso é, as partes são livres para
negociar até o limite do interesse público, a maior parte das vezes representado pela
escalação obrigatória pelo OGMO e implementação da norma de segurança portuária
(NR-29).
PRINCÍPIO DA RESTRIÇÃO DO TRABALHO
Representa a vedação à execução de serviços portuários por trabalhador não
integrante do sistema. Esse princípio está insculpido na Lei nº 8.630/93 e emana
ainda da Convenção nº 137 da OIT, inserida no ordenamento justrabalhista brasileiro
pelo Decreto nº 1.574/95. Decorre da necessidade de assegurar a qualificação do
trabalhador portuário e da possibilidade de minorar os efeitos da maior precariedade
do trabalho avulso, tendo em vista que não há segurança de um rendimento mínimo
ao final de cada mês.
PRINCÍPIO DA EQÜIDADE
É uma espécie de isonomia entre os trabalhadores portuários. Todos devem
ter o mesmo tratamento no acesso ao trabalho, aos cursos, à promoção ao registro e
à execução de seu trabalho.
8
Secretaria de Inspeção do Trabalho
PRINCÍPIO DA MULTIFUNCIONALIDADE
Está previsto no art. 57 da Lei nº 8.630/93. Propugna que atividades ou tarefas
que requeiram a mesma qualificação poderão ser realizadas pelos trabalhadores
habilitados, independentemente da categoria profissional a que pertençam. A
multifuncionalidade deverá ser implementada de forma negocial pelas convenções
coletivas de trabalho.
PRINCÍPIO DA MODERNIZAÇÃO
Este princípio na verdade sinaliza para o novo marco legal que representa a
Lei nº 8.630/93, muitas vezes denominada Lei da Modernização dos Portos, vez que
há uma ruptura com o sistema legal anterior, caracterizado pelo intervencionismo
estatal e pelo monopólio dos sindicatos na intermediação da mão-de-obra avulsa.
9
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
INTRODUÇÃO
HISTÓRICO
O trabalho de carga e descarga em embarcações mercantes remonta à antigüidade,
vez que o transporte aquaviário foi o primeiro a ser utilizado comercialmente
pela humanidade. Via de conseqüência, as corporações de carregadores são centenárias.
Entretanto, somente com a criação das Delegacias do Trabalho Marítimo
(DTM), em 1933, o Estado interveio nas relações de trabalho portuário a fim de
disciplinar a prestação de serviços respectiva, conforme nova política trabalhista
instaurada.
As principais atribuições das DTMs, que foram extintas em 1989, eram:
© organizar a matrícula dos trabalhadores portuários avulsos;
© orientar e opinar sobre o trabalho portuário;
© fiscalizar o trabalho portuário e a escala rodiziária nas entidades estivadoras
e sindicatos;
© quantificar o número de Trabalhadores Portuários Avulsos (TPA) necessários;
© impor penalidades aos TPAs;
© efetuar mediação nos conflitos tendo, inclusive, poder normatizador.
Tais atribuições eram exercidas pelos Conselhos das DTMs que eram integrados
por representantes do Ministério do Trabalho, Ministério dos Transportes, Ministério
da Agricultura, Ministério da Fazenda, empregadores e trabalhadores. Os Conselhos
das DTMs eram presididos pelos Capitães dos Portos (Ministério da Marinha),
embora as DTMs fossem integrantes da estrutura do Ministério do Trabalho. Posteriormente,
tais Conselhos foram denominados Conselhos Regionais do Trabalho Marítimo
(CRTM), tendo sido criado o Conselho Superior do Trabalho Marítimo (CSTM) como
última instância recursal das decisões dos Conselhos Regionais.
Com a promulgação da CLT em 1943, duas seções (as de nº VIII e IX do Capítulo
I do Título IV) foram destinadas ao trabalho portuário avulso, consolidando o
processo de normatização e intervenção estatal das relações de trabalho nos portos.
Originalmente, marítimos e portuários eram profissões conexas. Tanto é que
as matrículas de ambos eram mantidas pelas Capitanias dos Portos, sendo a fixação
10
Secretaria de Inspeção do Trabalho
das taxas e salários e a composição dos ternos, com a concordância do CSTM, feitas
pela Comissão de Marinha Mercante (CMM), criada em 1941.
Nas décadas de 60 e 70, com a instauração do novo regime, a área do porto
organizado foi reputada de segurança nacional e a regulamentação estatal intensificou-
se, tendo havido, inclusive, a designação de interventores para os sindicatos. Foi
o auge do poder das DTMs, que, nessa época, podiam solicitar apoio da Capitania
dos Portos nas fiscalizações. Ainda nesse período, a Guarda Portuária era vinculada
ao Capitão dos Portos (Delegado da DTM). É ainda dessa época a instituição dos
atos atentatórios à Segurança Nacional, com a possibilidade de afastamento dos
trabalhadores envolvidos para investigação. De outro lado, conquistas dos trabalhadores
com vínculo empregatício foram asseguradas aos trabalhadores avulsos como
férias remuneradas (1966), décimo terceiro salário (1968) e repouso semanal remunerado
(1976); além de conquistas específicas como a obrigação dos vigias portuários
em navios de longo curso (1968) e a regulamentação do trabalho de bloco (1968).
Em 1966, pelo Decreto-Lei nº 5, houve tentativa de unificar as atividades de
estiva e capatazia, sendo criada a categoria dos operadores de carga e descarga, embrião
da multifuncionalidade, mas nunca implementada.
Em 1969, é criada a Superintendência Nacional de Marinha Mercante
(SUNAMAM), sendo-lhe atribuídas as funções da extinta CMM. Em 1984, a
SUNAMAM edita a Resolução nº 8.179, que regulamenta a remuneração e a composição
das equipes de trabalho. Tal dispositivo continua sendo aplicado em alguns
portos como norma costumeira até os dias atuais, ainda que aquele órgão tenha sido
extinto.
Naquela época, as funções de direção e chefia das equipes eram de livre escolha
da entidade estivadora, mediante rodízio específico: conferente-chefe, conferente-
ajudante, consertador-chefe, conferente-geral, contramestre de porão (Decreto nº
59.832/66, que regulamentou o Decreto-Lei nº 5/66, posteriormente pela Lei nº
6.914, de 2 de julho de 1981, revogado pela Lei nº 8.630/93).
Em 1975, é criada a PORTOBRÁS, sendo extinto o Departamento Nacional
de Portos e Vias Navegáveis (Ministério dos Transportes, antigo Ministério da Viação
e Obras Públicas), com a missão de administrar e explorar os portos, sendo tal medida
coerente com a política de descentralização administrativa, iniciada com o Decreto-
Lei nº 200/67, que autorizava a PORTOBRÁS constituir subsidiárias (as CIAs Docas
em todos os portos brasileiros).
Em 1985, pelo Decreto nº 90.927, o poder público, por meio da DTM, passa
a controlar a assiduidade no rodízio dos trabalhadores portuários avulsos, exigindose
freqüência para permanecer no sistema.
11
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Em 1988, com a nova ordem jurídica, o Estado afasta-se em caráter definitivo
dos sindicatos. Os principais mecanismos de regulamentação estatal do trabalho
portuário são desativados, não sendo substituídos por outras normas reguladoras,
ocasionando descontrole desta importante atividade para a economia do País.
Com a extinção das DTMs em 1989, as DRTs deveriam continuar com as
incumbências daquelas. Houve, entretanto, solução de continuidade na participação
do Ministério do Trabalho e Emprego na maioria dos portos. Os principais
reflexos gerados foram a ausência de fiscalização do trabalho nos portos, o descontrole
estatal do trabalho (os sindicatos passaram a escalar para o trabalho tanto trabalhadores
com matrícula na DTM quanto trabalhadores sem matrícula, mas integrantes
do seu quadro social), a paralisação da promoção dos candidatos (força supletiva
com matrícula na DTM) a efetivos, o incremento desmesurado do total de trabalhadores
avulsos nos portos e a perda do poder disciplinar.
Em 1993, com a política de modernização dos portos instituída pela Lei nº
8.630/93, inicia-se nova fase nos portos brasileiros. O novo modelo enfatizou a
negociação coletiva no setor portuário, fortalecendo os sindicatos, mas descartou o
caráter administrativo da intermediação da mão-de-obra avulsa exercido pelos sindicatos
obreiros. É, então, criada a figura do Órgão Gestor de Mão-de-Obra (OGMO)
nos portos organizados, como sucedâneo da extinta DTM no controle da matrícula
dos portuários, na aplicação de penalidades e na quantificação do número de trabalhadores
necessário, bem como na função de administrar e fornecer a mão-de-obra
portuária avulsa, controlando o rodízio, efetuando a remuneração, recolhendo os
encargos e zelando pelo cumprimento das normas de segurança e saúde. Tal órgão
possui um conselho de supervisão integrado por empresários e trabalhadores.
Entretanto, os OGMOs, nas suas composições e atribuições, seriam, pela
própria evolução da relação entre capital e trabalho nos portos, de difícil
implementação – uma vez que é retirado do Estado o ônus político do “enxugamento
trabalhista” nos portos, deixando ao empresariado esse encargo. Foi natural que
decorridos dois anos (1995) nenhum OGMO operasse conforme a lei. Nesse ano, o
governo, sentindo que precisava agilizar o processo, edita o Decreto nº 1.467, criando
o Grupo Executivo para Modernização dos Portos (GEMPO), integrado pelos
Ministérios do Trabalho; Fazenda; Transportes; Indústria e Comércio; e Marinha,
vinculado à Câmara de Políticas de Infra-Estrutura da Casa Civil da Presidência da
República, com a atribuição de coordenar os diversos setores envolvidos, fazer o
efetivo funcionamento dos OGMOs e Conselhos de Autoridade Portuária (CAP) e
implementar a modernização dos portos brasileiros. Nesse mesmo ano é promulgada
a Convenção nº 137 da OIT referente às Repercussões Sociais dos Novos Métodos
de Processamento de Carga nos Portos (Decreto nº 1.574/95) reforçando os
objetivos delineados na nova lei de modernização dos portos.
12
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Ainda em 1995, é editado o Decreto nº 1.596 instituindo as Comissões de
Levantamento Local (CLL) vinculadas a uma Comissão Nacional, visando a
quantificar o número de trabalhadores portuários em atividade para posterior inscrição
no registro e no cadastro dos OGMOs.
Em abril de 1996, é editado o Decreto nº 1.886, tendo por finalidade a regulamentação
do acesso dos trabalhadores nos portos organizados e o retorno da inspeção
do trabalho na verificação das condições gerais do trabalho portuário.
É criado, pela Portaria nº 1.115/96, o Grupo Especial de Fiscalização Móvel
do Trabalho Portuário, destinado a fiscalizar as ações dos OGMOs, operadores
portuários e tomadores de mão-de-obra em geral, visando à implementação da Lei
nº 8.630/93.
Essa estratégia consolidar-se-ia com a edição da Medida Provisória nº 1.575,
de 4 de junho de 1997, e sucessivas reedições, transformada, por fim, na Lei nº
9.719, de 27 de novembro de 1998, que comina penas para os infratores das condutas
trabalhistas tipificadas e enfatiza a escalação obrigatória pelos OGMOs.
Em 13 de julho de 1999, pela Instrução Normativa Intersecretarial nº 14
(SEFIT/SSST), foram criadas a coordenação especial de inspeção do trabalho portuário
e aquaviário e as coordenações regionais de inspeção do trabalho portuário e
aquaviário, consolidando-se a inspeção do trabalho portuário e incorporando a inspeção
do trabalho aquaviário (marítimos, fluviários, pescadores, mergulhadores e
trabalhadores em plataformas marítimas).
MISSÃO DA INSPEÇÃO DO TRABALHO NOS PORTOS
Para o Auditor-Fiscal do Trabalho que nunca atuou no porto, o papel dessa
fiscalização é bastante diferenciado.
Esqueça-se a figura do fiscal como anteparo entre o patrão e o empregado
para a defesa deste em vista daquele, o fiscal protetor, quase paternalista. A
implementação da legislação inovadora ilegitima antigos privilégios e benefícios de
pequenos grupos, tanto do lado patronal quanto dos trabalhadores, que obviamente
reagem à aplicação da lei.
A especificidade da Inspeção do Trabalho nos portos deve-se, de um lado, à
natureza do trabalho avulso, cujo vínculo se dá entre o trabalhador e diversos
tomadores de mão-de-obra; e, de outro, ao gargalo logístico representado pelo porto,
gerando uma situação, por vezes, mais favorável aos sindicatos laborais, pois a
paralisação em uma operação portuária, mesmo que breve, gera vultoso prejuízo
aos responsáveis pela carga e, principalmente, à sociedade como um todo, pelo relevo
que a movimentação de mercadorias nos portos representa para as economias
local, regional e nacional.
13
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
O papel do Auditor-Fiscal do Trabalho nos portos é a busca do cumprimento
da nova legislação trabalhista portuária, tanto pelos empresários quanto pelos trabalhadores
portuários, no interesse de toda a sociedade brasileira, bem como a promoção
do entendimento e da negociação entre as partes, como forma de solução autônoma
dos conflitos, participando, quando necessário, em mediações, objetivando
viabilizar os acordos e convenções coletivas, sempre orientando quanto aos mandamentos
legais.
14
Secretaria de Inspeção do Trabalho
1 Operação portuária: movimentação e/ou armazenagem de mercadorias destinadas ou provenientes
de transporte aquaviário, realizada no porto organizado por operador portuário.
2 Mercadoria: todo bem destinado ao comércio.
3 Ancoradouro: local onde a embarcação lança âncora. Também chamado fundeadouro. É o local
previamente aprovado e regulamentado pela autoridade marítima.
4 Docas: parte de um porto de mar ladeada de muros ou cais, em que as embarcações tomam ou deixam
carga.
5 Cais: plataforma em parte da margem de um rio ou porto de mar em que atracam os navios e se faz
o embarque ou desembarque de pessoas ou mercadorias.
6 Pontes e Píer de Atracação: Ponte: construção erigida sobre o mar servindo à ligação com um cais
avançado, a fim de permitir a acostagem de embarcações para carga ou descarga e a passagem de
pessoas e veículos; Píer: parte do cais que avança sobre o mar em linha reta ou em L; Atracação:
operação de fixação do navio ao cais.
7 Acostagem: ato de acostar um navio (aproximar, arrimar, encostar, pôr junto de: uma lancha acostou
ao navio).
PORTO
Em sentido amplo, porto é uma pequena baía ou parte de grande extensão de
água, protegida natural ou artificialmente das ondas grandes e correntes fortes, que
serve de abrigo e ancoradouro a navios, e está provida de facilidades de embarque e
desembarque de passageiros e carga. Mais amplamente, ainda, é qualquer lugar de
abrigo, de refúgio ou de descanso.
PORTO ORGANIZADO
É o porto construído e aparelhado para atender às necessidades da navegação
e da movimentação e armazenagem de mercadorias, concedido ou explorado pela
União, cujo tráfego e operações portuárias1 estejam sob a circunscrição de uma
autoridade portuária. Os portos não enquadrados nessa situação são ditos “não organizados”,
não sendo as suas atividades reguladas pelo presente ordenamento. Os
portos “não organizados” são geralmente pequenos e pouco movimentados, sem
administração, resumindo-se, na maioria das vezes, a um pequeno cais para recebimento
de mercadorias.2
ÁREA DO PORTO ORGANIZADO
É a área compreendida pelas instalações portuárias, quais sejam, ancoradouros3
, docas4 , cais5 , pontes e píer de atracação6 e acostagem7 , terrenos, armazéns,
edificações e vias de circulação interna, bem como pela infra-estrutura de proteção
15
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
e acesso aquaviário ao porto, tais como guias-correntes8 , quebra-mares9 , eclusas10 ,
canais11 , bacias de evolução12 e áreas de fundeio13 que devam ser mantidas pela
administração do porto. A área do porto organizado é definida em portaria do
Ministério dos Transportes.
MODALIDADES DE EXPLORAÇÃO DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS
O sistema portuário brasileiro opera mediante duas modalidades de exploração
das instalações: uso público e uso privativo. As de uso público estão sempre
dentro da área do porto organizado, podendo as de uso privativo situarem-se também
fora da área do porto organizado. Ambas as modalidades de exploração poderão
ser realizadas por pessoa jurídica de direito público ou privado, devidamente
habilitada na movimentação e/ou armazenagem de mercadorias destinadas ou provenientes
de transporte aquaviário. Na exploração de uso privativo, o particular
detém maior autonomia no uso da instalação, observado o disposto no contrato de
arrendamento celebrado com a administração portuária, sendo comumente chamada
de terminal privativo.
A instalação portuária privativa pode ser de uso exclusivo, para movimentação
somente de carga própria, ou de uso misto, para movimentação de carga própria
e de terceiros. Pode-se dizer que essa é uma das inovações da Lei nº 8.630/93, havendo
a tendência, a partir das privatizações, de que muitas áreas do porto organizado
se tornem terminais privativos.
ADMINISTRAÇÃO DO PORTO ORGANIZADO
É composta, em nível superior, pelo Conselho de Autoridade Portuária (CAP)
e pela Administração Portuária propriamente dita.
8 Guias-correntes: estrutura destinada a desviar a corrente de um rio ou de um estuário, de modo que
provoque o aprofundamento do canal pelo aumento da força da corrente.
9 Quebra-mares: construção que recebe e rechaça o ímpeto das ondas ou das correntes, defendendo as
embarcações que se recolhem num porto, baía ou outro ponto da costa. O quebra-mar se diferencia
do molhe por não possuir ligação com a terra, enquanto que este sempre parte de um ponto em
terra.
10 Eclusas: repartimento em rio ou canal, com portas em cada extremidade, usado para elevar ou
descer embarcações de um nível de água a outro, a fim de facilitar-lhes ou mesmo possibilitar-lhes o
acesso a determinados lugares.
11 Canal: ou canal de acesso, é o que permite o tráfego das embarcações desde a barra (local que demarca
a entrada do porto e a partir de onde se torna necessária uma adequada condição de sinalização)
até as instalações de acostagem e vice-versa.
12 Bacia de evolução: área fronteiriça às instalações de acostagem, reservada para as evoluções necessárias
às operações de atracação e desatracação dos navios no porto.
13 Área de fundeio: o mesmo que ancoradouro ou fundeadouro.
16
Secretaria de Inspeção do Trabalho
14 Em alguns portos a entidade concessionária é empresa pública, autarquia ou sociedade de economia
mista ligada aos governos estadual ou municipal.
15 Pré-qualificada: compete à administração do porto pré-qualificar os operadores portuários nos termos
do art. 9º da Lei nº 8.630/93, condição esta indispensável à execução das operações portuárias.
16 SOLAS: Safe of Life At Sea (Segurança da Vida Humana no Mar). IMO: International Maritime
Organization (Organização Marítima Internacional).
Anteriormente cabia à Empresa de Portos do Brasil SA (Portobrás), a implantação
e a fiscalização da política portuária, assim como o controle e a supervisão
técnica, administrativa, econômica e financeira sobre os portos brasileiros. Atualmente
é o CAP, em cada porto organizado ou no âmbito de cada concessão, o
detentor de competências normatizadoras e de apreciação e decisão, em segunda
instância administrativa, dos recursos contra decisões proferidas pela Administração
do Porto, nos limites de sua competência. Entre suas principais atribuições
temos o estabelecimento de normas que visem ao aumento da produtividade e a
redução dos custos das operações portuárias, dentre outras elencadas no art. 30, §
1º, da Lei nº 8.630/93. O CAP é órgão colegiado com ampla participação da sociedade,
composto por representantes dos governos federal, estadual e municipal, da
autoridade portuária e empresários, dos trabalhadores portuários e dos usuários dos
portos. Tal colegiado materializa a importância do porto, econômica e socialmente,
nos cenários local e nacional.
A Administração Portuária propriamente dita é a exercida pela União ou
pela entidade concessionária do porto organizado. Geralmente, essa entidade concessionária
é representada pelas denominadas Cias Docas14 . As atribuições da Administração
do Porto encontram-se relacionadas no art. 33 da Lei nº 8.630/93. Esta
lei amplia as competências da administradora do porto, trazendo profundas modificações
quanto à exploração do mesmo, ficando o Poder Executivo autorizado a
desmembrar as atuais concessões, o que facilita o processo de privatização. Nos
termos da lei, embora pré-qualificada15 como operadora portuária, a entidade concessionária
passa a ser somente administradora do porto, constituindo-se em Autoridade
Portuária, podendo aplicar penalidades, na sua esfera de competência, exercendo
os poderes inerentes às autoridades, inclusive o de polícia, representado pela
Guarda Portuária.
AUTORIDADES QUE ATUAM NO PORTO, JUNTAMENTE COM O MINISTÉ-
RIO DO TRABALHO E EMPREGO
AUTORIDADE ADUANEIRA
É a exercida pelos Auditores-Fiscais da Receita Federal e pelos Técnicos da
Receita Federal. A ela compete as atribuições previstas no Regulamento Aduaneiro
e no art. 36 da Lei nº 8.630/93, em especial o controle da entrada e saída de pessoas,
17
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
bens e veículos, o despacho aduaneiro das mercadorias e a repressão ao contrabando
e descaminho.
AUTORIDADE MARÍTIMA
É a autoridade responsável pela segurança do tráfego aquaviário, realizando
inspeções periódicas nas embarcações brasileiras e estrangeiras. Neste último caso, é
exercida pelo controle do Estado do porto (Port State Control), isso é, o controle que
o país, onde se localiza o porto, realiza nas embarcações estrangeiras que o adentram.
No Brasil, é executado pela Diretoria de Portos e Costas (DPC), vinculada ao Comando
da Marinha. Cada porto brasileiro tem o seu Port State Control vinculado à
Capitania dos Portos ou Delegacia da circunscrição.
O Port State Control inspeciona aspectos relativos à segurança da vida humana
no mar (convenção SOLAS – IMO).16 Essa inspeção restringe-se à segurança da
estrutura e equipamentos das embarcações. Uma vez reprovada, a autoridade marítima
poderá inclusive reter a saída da embarcação.
VIGILÂNCIA SANITÁRIA
É exercida pelos inspetores de vigilância sanitária visando à verificação das
condições operacionais e higiênico-sanitárias a bordo dos navios e do estado sanitário
de seus tripulantes e passageiros, autorizando a livre prática.17
PREVIDÊNCIA SOCIAL
É exercida pelos Auditores-Fiscais da Previdência Social, verificando a regularidade
das contribuições previdenciárias dos trabalhadores portuários e dos operadores
portuários, bem como auditando a concessão dos benefícios.
POLÍCIA FEDERAL
É exercida pelas autoridades policiais federais, visando ao controle do acesso
de pessoas e ao combate aos crimes federais, especialmente o narcotráfico.
OUTRAS PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS COM ATUAÇÃO NOS PORTOS
ARMADORES
São pessoas físicas ou jurídicas que aprestam a embarcação com fins comerciais,
pondo-a em condição de navegabilidade, isso é, dotam a embarcação de tripulação e
de equipamentos necessários à operação. O armador geralmente é o proprietário da
17 Livre prática: autorização dada a uma embarcação procedente ou não do exterior a entrar em um
porto do território nacional e iniciar as operações de embarque e desembarque de cargas e viajantes.
18
Secretaria de Inspeção do Trabalho
18 Fretamento: contrato segundo o qual o fretador cede a embarcação a um terceiro (afretador). Poderá
ser por viagem (Voyage Charter Party – VCP), por tempo (Time Charter Party – TCP) ou visando a
uma partida de mercadoria envolvendo vários navios (Contract of Afreightment – COA). O fretamento
a casco nu envolve não só a cessão dos espaços de carga do navio, mas também a própria
armação do navio, em que o cessionário será o empregador da tripulação.
19 Embarcador: é o interessado na exportação da mercadoria. Consignatário: é o interessado na importação
da mercadoria.
embarcação. Entretanto, poderá celebrar contrato de fretamento a casco nu18 , cedendo
a armação a um terceiro.
Os comandantes das embarcações são prepostos dos armadores, podendo
contrair obrigações em nome dos mesmos.
AFRETADORES
São empresas que celebram contrato de fretamento com armadores, contratando
os espaços de carga de um ou mais navios. Assim, muitas vezes uma empresa
afreta um navio inteiro para realizar o transporte de carga regulamente. Ex.: minério
ou petróleo. O afretador também poderá credenciar agentes pelos vários portos
em que tiver interesse.
AGÊNCIA DE NAVEGAÇÃO
Os armadores, em geral, são sediados em um determinado país, e seus navios
tocam portos em todos os continentes. Dessa forma, precisam credenciar representantes
nos vários portos em que atuam. Tais representantes são denominados “agências
de navegação”, sendo responsáveis pelo suprimento das necessidades materiais
dos navios e pela intermediação comercial, angariando cargas para os mesmos.
DESPACHANTE ADUANEIRO
É o profissional credenciado pela administração aduaneira para prover o desembaraço
de mercadoria dos embarcadores e consignatários.19 Normalmente possuem
procuração do interessado para agir junto às administrações aduaneira e portuária.
FORNECEDORES DE NAVIOS
São pessoas físicas ou jurídicas que se dedicam ao comércio de materiais,
peças e equipamentos de consumo, combustível e alimentação para o uso nas embarcações
mercantes.
19
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
TRABALHO PORTUÁRIO E OPERAÇÃO PORTUÁRIA
Conforme já definido, operação portuária é a movimentação de mercadorias
dentro do porto organizado, realizada por operadores portuários. É um conceito mais
afeto à Administração Portuária, tendo em vista a necessidade de pré-qualificação dos
operadores portuários. Assim, toda movimentação enquadrada como operação portuária
somente poderá ser realizada por operador portuário pré-qualificado.
Entretanto, a operação portuária é um complexo de tarefas interrelacionadas:
movimentar manualmente mercadorias, içá-las, conferi-las, arrumá-las, etc. A energia
humana despendida na realização de cada uma destas tarefas é denominada “trabalho
portuário”.
Não obstante, o art. 8º da lei dos portos abre exceções à obrigatoriedade da
execução de operação portuária por operadores portuários. Nos casos elencados, o
próprio interessado, sem necessidade de qualificação, poderá realizar a movimentação
respectiva. São exemplos de exceções, dentre outros:
© carga ou descarga totalmente automatizada – granel líquido20 ;
© movimentação de mercadoria na navegação interior e auxiliar21 ;
© movimentação de granel sólido, salvo nos serviços de rechego22 ;
© movimentação de peças sobressalentes, material de bordo, mantimentos e
abastecimento de embarcações.
20 Granel: carga quase sempre homogênea, não embalada, carregada diretamente nos porões dos navios.
Ela é subdividida em granel sólido e granel líquido.
21 Navegação interior e auxiliar: a legislação marítima classifica a navegação em: 1 – navegação de
cabotagem: a realizada entre portos ou pontos do território brasileiro, utilizando a via marítima ou
esta e as vias navegáveis interiores; 2 – navegação interior: a realizada em hidrovias interiores, em
percurso nacional ou internacional; 3 – navegação de longo curso: a realizada entre portos brasileiros
e estrangeiros. Não há definição para navegação auxiliar, entretanto os conceitos mais próximos são
os de : navegação de apoio portuário: a realizada exclusivamente nos portos e terminais aquaviários,
para atendimento a embarcações e instalações portuárias; e navegação de apoio marítimo: a realizada
para o apoio logístico a embarcações e instalações em águas territoriais nacionais e na Zona
Econômica, que atuem nas atividades de pesquisa e lavra de minerais e hidrocarbonetos.
22 Rechego ou “achano”: operação destinada a facilitar a carga e descarga de mercadorias transportadas
a granel. Consiste em ajuntar, arrumar, espalhar, distribuir e aplanar a carga, abrir furos, canaletas
ou clareiras, derrubar paredes, etc.
20
Secretaria de Inspeção do Trabalho
23 Esta conferência conforme a seguir será discriminada, não se confunde com a conferência de carga
e descarga. É realizada somente em terra e no interesse da Administração do Porto.
24 Costado: parte do casco do navio acima da linha d’água. A expressão “ao costado dos navios” referese
às atividades desenvolvidas na beira do cais junto ao costado do navio.
Cabe ressaltar que quando o art. 8º, §1º da Lei nº 8.630/93, denomina de
“operação portuária” as movimentações ali elencadas comete uma impropriedade,
pois o conceito de operação portuária diz respeito, somente, à movimentação de
mercadorias, isso é, bens destinados ao comércio. Ora, peças sobressalentes e material
para consumo a bordo não são mercadorias, pois não são destinadas ao comércio
entre portos. Sendo assim, tal movimentação já não seria uma “operação portuária”
tal qual definida no art. 1º, §1º, inciso II, da Lei nº 8.630/93, não se fazendo necessária
constar das exceções.
Nos casos em que não é obrigatória a execução das “operações portuárias”
por operador portuário, o interessado, se necessário, deverá requisitar mão-de-obra
complementar junto ao Órgão Gestor de Mão-de-Obra (OGMO). Aqui, o art. 8º
reveste-se de especial importância no aspecto trabalhista, pois na verdade este artigo
também abre uma exceção à exclusividade na execução de trabalho portuário pelos
trabalhadores portuários inscritos no OGMO, ao permitir que a própria tripulação
dos navios ou o interessado execute os referidos trabalhos.
Assim, regra geral, para a realização de movimentação de mercadorias nos
portos organizados, o operador deve utilizar trabalhadores, que realizam os chamados
trabalhos portuários, que constituem etapas da operação portuária.
São considerados trabalhos portuários as atividades de capatazia, estiva, conferência,
conserto, vigilância e bloco, assim definidas no §3º do art. 57 da Lei dos
Portos.
CAPATAZIA
É a atividade de movimentação de mercadorias nas instalações portuárias,
compreendendo o recebimento, conferência23, transporte interno, abertura de volumes
para conferência aduaneira, manipulação, arrumação e entrega, bem como o
carregamento e a descarga de embarcações, quando efetuados por aparelhamento
portuário nas instalações portuárias.
São executados ao costado24 dos navios, dentro dos armazéns e nos seus portões,
nos alpendres e pátios; constituindo-se no trabalho braçal e também na operação de
equipamentos de movimentação de carga: empilhadeiras, pás-carregadeiras, transportadores
de contêineres e carretas. Sempre na movimentação de mercadorias entre
dois pontos de terra do porto organizado.
21
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Antes da Lei nº 8.630/93, os serviços de capatazia eram exclusividade das
administrações portuárias, que utilizavam seus próprios empregados nas movimentações
de mercadorias, por essa razão o art. 57, §3º, inciso I, da Lei nº 8.630/93
explicita o termo “instalações públicas”, já que à época da edição da lei, geralmente,
toda a área portuária era instalação pública. Entretanto, o art. 26, caput da citada lei,
é bastante claro quando elenca o trabalho de capatazia dentre os compreeendidos
no trabalho portuário avulso, devendo ser realizado em instalações de uso público
ou privativo desde que situadas dentro da área do porto organizado.
Quando não possuíam empregados em número suficiente, as administrações
dos portos complementavam os serviços de capatazia com a utilização de trabalhadores
avulsos da categoria denominada “arrumadores” (avulsos que atuavam fora
dos portos executando movimentação de mercadorias nos armazéns gerais), mediante
contrato celebrado com o respectivo Sindicato. Esses eram a “força supletiva” dos
empregados de docas ou da administração do porto. Muitas vezes, esses mesmos
avulsos continuavam realizando serviços fora dos portos, nos armazéns gerais. Por
essa razão, o art. 71 da Lei nº 8.630/93 deu a essa categoria o mesmo tratamento dos
trabalhadores em capatazia.
A Lei nº 8.630/93 estabeleceu em seu art. 70 que os trabalhadores com vínculo
empregatício a prazo indeterminado, demitidos sem justa causa, poderiam ter
acesso ao registro do Órgão Gestor de Mão-de-Obra, passando então a exercer atividades
de avulsos25. Como sindicato avulso, os exercentes dessa atividade, na maioria
dos portos, passaram a ser denominados “avulso de capatazia”, que somente passam
a existir a partir da Lei nº 8.630/93. Dessa forma, temos a atividade de capatazia
associada a duas ou mais organizações sindicais, o que em alguns portos pode causar
conflitos de interesses.
ESTIVA
É a atividade de movimentação de mercadorias nos conveses ou nos porões
das embarcações principais ou auxiliares, incluindo o transbordo26, arrumação da
carga, peação e despeação27, bem como o carregamento e a descarga das mesmas,
quando realizadas com equipamentos de bordo.
De acordo com o trabalho que executam, os estivadores recebem uma das
seguintes denominações funcionais:
25 Vide nota técnica a respeito desse assunto.
26 Transbordo: movimentação de mercadorias entre duas embarcações. Atente-se para a diferença em
relação ao termo “remoção” que designa a transferência de carga entre porões ou conveses.
27 Peação: fixação da carga nos porões ou conveses da embarcação visando a evitar sua avaria pelo
balanço do mar. Despeação: desfazimento da peação.
22
Secretaria de Inspeção do Trabalho
28 Terno: cada equipe de trabalho a bordo. Normalmente em cada porão, em que haja movimentação
de mercadorias, há um terno de trabalhadores escalado.
29 Aparelho de guindar: equipamentos que suspendem a carga, por meio de cabos, entre o cais e o
navio: guindastes, paus-de-carga, cábreas ou portainers. Pau-de-carga é um tipo de aparelho de movimentação
de peso que consiste numa verga (lança) que posiciona a carga suspensa por cabos. Normalmente
é fixada ao mastro e postada junto à escotilha (abertura do porão). O pau-de-carga completo
é constituído de aparelhos de acionamento, de lingada e guincho (fixado numa mesa de operação
no convés, em que é operado pelo guincheiro). Cábrea: tipo de pau-de-carga com grande capacidade
de carga. Denomina também os guindastes flutuantes. Portainer: equipamento automático
para movimentação de contêineres.
30 Lingada: amarrado de mercadorias correspondentes à porção a ser içada por guindaste ou pau-decarga.
31 Na verdade, tecnicamente, guincheiro é, o operador do guincho, equipamento presente somente nos
paus-de-carga. Entretanto, tornou-se denominação comum a todos os operadores de equipamentos
de guindar de bordo.
32 Sistema roll on/roll off: sistema de operação de carga e descarga sobre rodas ou esteiras, efetuado por
meio de rampas, utilizando os meios de locomoção do equipamento transportador ou da própria
carga, quando se tratar de veículo automotor. Ex.: carga ou descarga de automóveis e carga ou
descarga de mercadoria dentro de caminhões (os caminhões entram a bordo por meio de rampas e
aberturas no costado).
© Contramestre-geral ou do navio – a maior autoridade da estiva a bordo, a
quem cabe coordenar os trabalhos em todos os porões do navio, de acordo
com as instruções do operador portuário e do comandante do navio,
dirigindo e orientando todos os estivadores a bordo.
© Contramestre de terno28 ou de porão – o que dirige e orienta o serviço de
estiva em cada porão de acordo com as instruções do operador portuário,
do comandante do navio ou do representante no porto, do planista ou do
contramestre-geral ou do navio.
© Sinaleiro ou “Portaló” – o que orienta o trabalho dos operadores de aparelho
de guindar29, por meio de sinais. Ele fica em uma posição em que
possa ver bem tanto o local onde a lingada30 é engatada como aquele em
que é depositada, e onde possa ser visto pelo guincheiro ou guindasteiro.
© Guincheiro – trabalhador habilitado a operar guindaste. No porto denomina-
se genericamente os operadores dos aparelhos de guindar de terra
como guindasteiros, sendo trabalhador de capatazia. No caso do operador
de aparelho de guindar de bordo, este é comumente chamado guincheiro31
e é trabalhador da estiva.
© Motorista – o que dirige o veículo quando esta é embarcada ou desembarcada
através de sistema roll on/roll off (ro/ro)32. Ressalte-se que é praxe nessa operação
haver a troca de motoristas quando o veículo toca o cais. Sai o motorista
da estiva e entra o motorista da capatazia, que conduz o mesmo até o
pátio de armazenagem.
23
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
© Operador de equipamentos – estivador habilitado a operar empilhadeira,
pá carregadeira ou outro equipamento de movimentação de carga a bordo.
© Estivador – trabalhador que, no carregamento, desfaz as lingadas e transporta
os volumes para as posições determinadas em que vão ser estivados.
No descarregamento, traz os volumes das posições onde estão estivados e
prepara as lingadas.
© Peador/despeador ou conexo – trabalhador que faz a peação/despeação.
Trabalhador com certa especialização, visto que muitos trabalhos fazem
uso de técnicas de carpintaria (escoramento da carga com madeira).
Antes da Lei nº 8.630/93, a composição dos ternos era definida com base na
Resolução nº 8.179/84 da Superintendência Nacional da Marinha Mercante
(SUNAMAM). Embora a nova lei tenha estabelecido que a composição dos ternos
deva ser objeto de acordo ou convenção coletiva entre os sindicatos obreiros e o
sindicato representante dos operadores portuários, em alguns portos continua sendo
utilizada esta resolução.
Nos ternos padrões de estiva estão incluídos um contramestre de terno ou de
porão, sinaleiros, guincheiros e estivadores, e, quando for o caso, poderão ser requisitados
também operadores de empilhadeiras ou pá-carregadeira, no caso de rechego.
O operador portuário, se julgar necessário, poderá requisitar, a seu critério,
operários estivadores suplementares para reforço aos ternos estabelecidos.
Qualquer que seja o número de ternos em operação, será requisitado apenas
1 (um) contramestre geral por embarcação principal, sendo proibida a acumulação
em duas (2) ou mais embarcações, simultaneamente.
Note-se que as atividades de estiva e capatazia são bastante similares, sendo as
tarefas e funções de ambas basicamente iguais. Entretanto, o elemento diferenciador
é o local do trabalho: se a bordo, é competência da estiva; se em terra, é competência
da capatazia.
CONFERÊNCIA DE CARGA
É a contagem de volumes, anotação de suas características (espécie, peso, número,
marcas e contramarcas), procedência ou destino, a verificação do estado das
mercadorias, assistência à pesagem, conferência do manifesto33, e demais serviços
correlatos, nas operações de carregamento e descarga de embarcações.
De acordo com o trabalho executado, os conferentes de carga e descarga recebem
as seguintes denominações: conferente-chefe, conferente de lingada ou porão,
33 Manifesto de carga: documento que acompanha a carga, individualizando e quantificando. Também
é conhecido como bill of lading.
24
Secretaria de Inspeção do Trabalho
conferente-rendição34, conferente-ajudante, conferente de balança35, conferentecontrolador36,
conferente de manifesto e conferente de plano37.
A atividade do conferente de carga e descarga, inclusive do conferente-chefe e
do ajudante, restringe-se a uma só embarcação por operação de carga e descarga, não
se admitindo, portanto, que ela abranja simultaneamente duas ou mais embarcações.
A atividade de conferência de carga e descarga é feita no interesse do operador
portuário e dos trabalhadores avulsos, pois o documento dela resultante, o tallie38,
servirá de base para a apuração da produção e conseqüentemente da remuneração.
Essa atividade sempre se desenvolveu a bordo e ao costado das embarcações,
nitidamente diferenciada de uma outra conferência que se fazia exclusivamente em
terra – conferência de capatazia. O conferente realizava uma outra conferência, no
interesse das administrações dos portos, com vistas à cobrança das tarifas portuárias.
CONSERTO DE CARGA
Constitui-se no reparo e na restauração das embalagens de mercadorias, nas
operações de carregamento e descarga de embarcações, reembalagem, marcação, remarcação,
carimbagem, etiquetagem e abertura de volumes para vistoria e posterior
recomposição. São realizados tanto a bordo como em terra, em que se façam necessários,
sempre que danificadas as embalagens das mercadorias nas operações de carga e
descarga.
34 Conferente-rendição: conferente que permanece de reserva para o caso de uma substituição eventual
de algum conferente.
35 Coferente de balança: utilizado nas movimentações de granéis sólidos em que a mercadoria é
quantificada por pesagem em balanças. Antes do advento das balanças modernas, que imprimem
relatórios automáticos, era necessário que um trabalhador permanecesse anotando o peso de cada
lote de carga.
36 Conferente-controlador: às vezes é confundido com o planista, mas o controlador verifica os locais
a bordo em que a carga vai sendo estivada, controlando sua correta localização. Atente-se que uma
carga estivada em local inadequado, poderá resultar em prejuízos quando da desestivagem, pois
outras cargas terão que ser deslocadas ou removidas para outros porões para que a carga em questão
possa ser manuseada.
37 Conferente-plano: chamado de planista. É aquele que, em teoria, elabora o plano de estivagem da
carga, ou seja, onde e como a carga vai ser estivada. Em teoria, porque o responsável por essa atividade
é o comandante da embarcação, que responde perante o armador pelos prejuízos que possam
advir. Algumas vezes, inclusive, os armadores contratam profissionais especializados na elaboração
do plano de carga ou estivagem (os supercargos).
38 Tallie: documento em que consta toda a mercadoria ou contêineres embarcados ou desembarcados,
incluindo suas características, pesos e volumes.
25
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Os consertadores são uma categoria em extinção, visto que, com a unitização39
da carga em contêineres, é cada vez menor a necessidade de reparos. É também
crescente a necessidade de produtividade, gerando estadias portuárias cada vez menores
para os navios, inviabilizando o conserto da carga. Acrescente-se que, para
que não haja prejuízo na qualidade, por vezes prefere-se a inutilização das cargas
danificadas ou seu reparo no fabricante.
Duas outras atividades previstas em lei como trabalho portuário são, na verdade,
atividades conexas: vigilância de embarcações e trabalho de bloco. Tais atividades
não interferem na movimentação de mercadorias. Entretanto, devido à prestação
de serviços no mesmo local em que ocorrem os demais trabalhos portuários e
ao contato constante com os outros trabalhadores portuários, receberam tratamento
legal idêntico.
VIGILÂNCIA DE EMBARCAÇÕES
É a atividade de fiscalização de entrada e saída de pessoas a bordo das embarcações,
atracadas ou fundeadas40, bem como a fiscalização da movimentação de
mercadorias nos portalós41, rampas, porões, conveses42, plataformas e em outros
locais da embarcação, na área do porto organizado.
Quando o navio está fundeado, geralmente é obrigação do requisitante de
mão-de-obra (agente de navegação)43 prover transporte para o vigia. No cais, cabe ao
operador portuário efetuar a requisição. A obrigatoriedade da contratação do vigia de
portaló para navios de longo curso foi expressamente revogada pela Lei nº 8.630/93.
No novo contexto legal, se o interessado necessitar de um ou mais vigias para a
embarcação, seja ela nacional ou estrangeira, longo curso ou cabotagem, deverá
requisitá-los junto ao OGMO.
39 Unitização: ato de juntar as mercadorias em lotes padrões, facilitando seu manuseio e transporte
multimodal e agilizando a movimentação. São exemplos de unitização: a paletização – acondicionamento
da carga em pallets (estrados de madeira) e a conteinização (acondicionamento em contêineres).
40 Embarcação fundeada: designa a embarcação ancorada ao largo (na baía, angra, enseada ou qualquer
outro local protegido). os pontos de fundeio poderão estar dentro ou fora da área do porto organizado
e são delimitados pela autoridade marítima.
41 Portaló: local de entrada do navio, onde desemboca a escada que liga o cais ao navio. É o local de
passagem obrigatória para quem entra ou sai da embarcação.
42 Convés: designa os “pisos” da embarcação acima do costado. Convés principal é, geralmente, onde
se localiza o portaló.
43 Quem normalmente requisita o trabalho do vigia é o agente de navegação, pois seu trabalho é de
interesse do armador e não do operador portuário. Ocorre, todavia, que o agente de navegação e o
operador portuário muitas vezes são a mesma pessoa.
26
Secretaria de Inspeção do Trabalho
44 Batimento de ferrugem: retirada do ferrugem, por meio de batidas de martelete nas chapas de aço,
para posterior pintura.
45 Extra-rol: pessoas embarcadas em navios, mas não integrantes da tripulação. A tripulação consta de
documento denominado rol de equipagem, daí o termo extra-rol.
BLOCO
Constitui-se na atividade de limpeza e conservação de embarcações mercantes
e de seus tanques, incluindo batimento de ferrugem44, pintura, reparos de pequena
monta e serviços correlatos.
Na legislação anterior o serviço de bloco era enquadrado como atividade de
apoio à navegação. Os serviços eram desenvolvidos pelas “empreiteiras de bloco”
(além de utilizar seus empregados, podiam prestar serviços utilizando-se de trabalhadores
avulsos), que realizavam trabalhos relacionados à limpeza e conservação
de tanques, batimento de ferrugem, pinturas e reparos de pequena monta.
Dentro dos limites da área do porto organizado, o armador ou seu representante
legal que desejar executar essa atividade deverá requisitar os bloquistas inscritos
no OGMO, não podendo utilizar empregados das empreiteiras de bloco, as
quais, nos termos da Lei nº 5.385/68, poderão executar esse serviço para a indústria
naval, já que, anteriormente, essa atividade denominava-se “conservação naval”.
Originariamente, o serviço de bloco surgiu para atender à demanda de emprego
de marítimos, atingidos pela crise na indústria da navegação mercante. Como
realizavam trabalhos em locais em que se sujavam muito (tanques de óleo), foram
apelidados pelos trabalhadores portuários como “bloco dos sujos” (uma referência
aos antigos blocos do carnaval). Assim surgiu a denominação “bloco” para essa
atividade.
Atualmente não é comum que os trabalhadores de bloco façam as atividades
previstas em lei. Devido à rapidez na estadia, esses serviços são freqüentemente
efetuados com a embarcação em viagem, não sendo raro encontrarmos, nos navios
brasileiros, trabalhadores de bloco extra-rol45.
Nos portos organizados, os trabalhadores de bloco realizam, principalmente,
as tarefas de peação e despeação de carga. Apesar de serem trabalhos inerentes à
estiva, esta, muitas vezes, não se interessa, pois é trabalho de baixa remuneração.
27
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
O TRABALHADOR PORTUÁRIO
TRABALHADOR AVULSO
Para a Previdência Social, trabalhador avulso é “aquele que, sindicalizado ou
não, presta serviço de natureza urbana ou rural, a diversas empresas, sem vínculo
empregatício, com a intermediação obrigatória do órgão gestor de mão-de-obra,
nos termos da Lei nº 8.630, de 25 de fevereiro de 1993, ou do sindicato da categoria”
(Decreto nº 3.048, de 6 de maio de 1999).
Segundo Délio Maranhão, “temos, aí, uma forma peculiar de prestação de
serviços subordinados, afastando, pela peculiaridade dos serviços prestados, o estabelecimento
de uma relação de emprego entre o prestador de serviço e a empresa
para o qual o serviço é prestado”.
Difere o trabalho avulso de outras formas descontínuas de prestação de serviços
pela subordinação jurídica existente com o tomador de mão-de-obra, não estando
presentes os demais requisitos para formação de vínculo empregatício.
O trabalho portuário avulso possui características específicas que o
diferenciam. A principal delas é a intermediação obrigatória pelo Órgão de Gestão
de Mão-de-Obra e não pelo sindicato laboral.
TRABALHADOR PORTUÁRIO
O art. 26 da lei dos portos estabelece duas formas de trabalho portuário: o
trabalho portuário avulso e o trabalho portuário com vínculo empregatício. Note-se
que esta é uma importante inovação da lei, vez que antes não era possível o trabalho
portuário com vínculo empregatício, salvo na capatazia onde eram empregados das
Cias Docas.
Assim, muitas vezes o termo “trabalhador portuário” poderá designar tanto um
gênero de trabalhador, isto é, aquele que labora nos portos ou poderá significar uma
espécie desse gênero, ou seja, aquele registrado no OGMO e cedido, em caráter permanente,
com vínculo empregatício, a prazo indeterminado ao operador portuário.
Denomina-se Trabalhador Portuário Avulso (TPA), outra espécie do gênero
“trabalhador portuário”, aquele que, inscrito no OGMO, presta serviços na área do
porto organizado, sem vínculo empregatício, a vários tomadores de mão-de-obra.
28
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Assim, trabalhador portuário é o trabalhador devidamente habilitado a executar
atividades portuárias definidas em lei, realizadas nas instalações portuárias de
uso público ou privativo, dentro dos limites do porto organizado, ou fora desses
limites nos casos previstos em lei.
Não obstante a distinção contida no art. 18 da Lei nº 8.630/93, os trabalhadores
integrantes do registro e do cadastro são todos avulsos, situação que só se
alterará quando o obreiro for cedido pelo OGMO a operador portuário com vínculo
empregatício a prazo indeterminado.
Assim, o trabalhador portuário deverá estar inscrito46 no OGMO, podendo
ser registrado ou cadastrado, assim definidos:
REGISTRADO
Nos termos do art. 27, inciso II, da Lei nº 8.630/93, é o trabalhador submetido
a prévia seleção e respectiva inscrição no cadastro. Ou seja, é o trabalhador
efetivo, apto a exercer o trabalho portuário na forma do rodízio47 estabelecido.
Dois requisitos são necessários para alcançar a inscrição no registro: estar
inscrito no cadastro e ser selecionado. Os critérios dessa seleção deverão constar de
convenção coletiva de trabalho. Normalmente, dois critérios são levados em conta:
data de inscrição no cadastro e quantidade de trabalhos portuários executados.
CADASTRADO
Nos termos do art. 27, inciso I, da Lei nº 8.630/93, é o trabalhador que,
tendo cumprido treinamento prévio em entidade indicada pelo OGMO, foi inscrito
no cadastro e encontra-se em condições de exercer sua profissão. Ele não participa
do rodízio, e só consegue trabalhar quando não acorrem registrados para determinada
oportunidade de trabalho.
CONTRATAÇÃO A PRAZO INDETERMINADO
Como explanado, o trabalhador portuário poderá ser contratado a prazo
indeterminado, mas somente dentre os integrantes do registro do OGMO. Tal
assertiva está consentânea com o princípio da eqüidade, vez que possuindo um
status jurídico superior o trabalhador registrado estaria sendo preterido no caso da
contratação ser efetuada dentre os cadastrados. É que ao aquinhoar o emprego, o
46 Os termos inscrição ou matrícula no OGMO significam genericamente todos os trabalhadores
administrados pelo OGMO. Entretanto, tecnicamente, esses são integrantes do registro ou do cadastro,
conforme seu status jurídico.
47 Rodízio: sistema de alocação equânime das oportunidades de trabalho entre os TPAs. Assim, o TPA
somente trabalhará quando chegar a sua vez na fila de oportunidades.
29
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
trabalhador cadastrado estaria com oportunidades de trabalho cativas, o que lhe é
defeso, vez que somente quando não acorrerem registrados é que o cadastrado terá
direito ao trabalho.
Entretanto, se ao emprego ofertado não acorrerem registrados, nesse caso
será lícito aos cadastrados disputar a vaga.
Se nem registrados nem cadastrados interessarem-se pelo emprego, será lícito
ao empregador contratar trabalhador fora do sistema. Nesse caso, caberá ao empregador
qualificá-lo nos termos em que é feito pelo OGMO.
Ressalte-se que o número de trabalhadores inscritos no registro é definido
pelo Conselho de Supervisão do OGMO, que é quem decide pela abertura de vagas
ou pelo “enxugamento dos quadros”, conforme art. 24, inciso I; c/c art. 18, inciso
V, ambos da lei dos portos.
Vale ainda dizer que muito se tem discutido sobre o art. 21 da Lei nº 8.630/93.
Esse artigo prevê a cessão permanente de mão-de-obra aos operadores portuários.
Muitos viram nesse dispositivo a continuação do “credenciamento”48 previsto na
legislação anterior. Entretanto, essa interpretação além de quebrar a equanimidade
do rodízio afronta a Constituição Federal, que garantiu a igualdade de direitos entre
os trabalhadores avulsos e os trabalhadores com vínculo empregatício (art. 7, inciso
XXVIII). Na verdade a cessão permanente é do ponto de vista do OGMO, que
realmente cederá permanentemente um TPA a um tomador de mão-de-obra, mas
do ponto de vista deste haverá a contratação com vínculo empregatício.
OUTROS TRABALHADORES QUE ATUAM NOS PORTOS
Além dos trabalhadores portuários, outros tipos de trabalhadores, avulsos ou
não, atuam nos portos. A eles não se aplica a nova lei dos portos, sendo considerados
trabalhadores urbanos comuns. São eles:
© Amarrador: trabalhador, avulso ou não, responsável pela amarração dos
cabos da embarcação ao cais. Há portos em que empresas especializadas
realizam esse serviço, em outros são cooperativas de trabalho.
© Carregador de bagagem: trabalhador, avulso ou não, responsável pelo transporte
de bagagens de passageiros, acompanhadas ou desacompanhadas nos
portos organizados. Em geral, entretanto, o carregador de bagagem é autônomo,
pois presta serviços pessoais ao passageiro.
48 Credenciamento: forma de contratação prevista na legislação anterior, que permitia que um trabalhador
ficasse permanentemente à disposição de um tomador de mão-de-obra sem vínculo
empregatício e sem participar do rodízio.
30
Secretaria de Inspeção do Trabalho
49 Prático: profissional responsável pela condução em segurança da embarcação pelo canal de acesso
até o cais.
50 Sociedade classificadora: entidades internacionais de direito privado e quase sempre sem fins
lucrativos, cuja finalidade original é fornecer, por meio de certificados, aos seguradores de navios e
de cargas o grau de confiança necessário ao fechamento de contratos de seguro.
© Segundo a Instrução Normativa nº 117, de 6 de outubro de 1998, da Secretaria
da Receita Federal, bagagem acompanhada é “aquela que o viajante
portar consigo no mesmo meio de transporte em que viaje, desde que não
amparada por conhecimento de carga”.
© Bagagem desacompanhada: a que chegar ao país, ou dele sair, amparada
por conhecimento de carga ou documento equivalente.
© Para os efeitos da Lei nº 4.637, de 20 de maio de 1965, que dispõe sobre o
exercício da profissão de carregador e transportador de bagagens em portos,
considera-se bagagem: mala, caixote e engradado lift-van.
© Ensacadores em geral: trabalhador, avulso ou não, que realiza o ensacamento
de granéis.
© Outros trabalhadores: além dos já mencionados, nos portos são encontrados
diversos outros trabalhadores. Destacam-se os empregados da administração
portuária, trabalhadores nos serviços de limpeza e conservação
das instalações portuárias, mergulhadores – realização de manutenção na
infra-estrutura submersa –, aquaviários tripulantes de embarcações de apoio
portuário (rebocadores e lanchas), práticos49, empregados dos arrendatários
de instalação portuária, operadores portuários e agências de navegação,
vistoriadores de carga, contratados por companhias seguradoras, inspetores
de sociedade classificadora50, dentre outras.
Os trabalhadores portuários abrangidos pela Lei nº 8.630/93, e que detêm
exclusividade na prestação de serviços nos portos organizados são: trabalhadores
em capatazia, estivadores, conferentes, consertadores, vigias portuários e trabalhadores
de bloco.
31
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
OPERACIONALIDADE DO TRABALHO PORTUÁRIO
As pessoas jurídicas que exercem atividades ligadas à contratação de mão-deobra
nos portos são: operador portuário, titular de instalação portuária, cooperativa
de trabalho portuário e órgão gestor de mão-de-obra.
OPERADOR PORTUÁRIO
É a pessoa jurídica, pré-qualificada pela administração do porto, responsável
pela direção e coordenação das operações portuárias que efetuar.
É o operador portuário que efetua a requisição da mão-de-obra de acordo
com a operação portuária que será realizada. Essa requisição de trabalhadores avulsos,
anteriormente, era feita pelas chamadas entidades estivadoras (armadores e seus
agentes) aos sindicatos das respectivas categorias profissionais.
Conforme já exposto, o art. 8º da lei prevê situações em que é dispensável a
intervenção do operador portuário. Nesse caso, outras empresas poderão requisitar
TPA junto ao OGMO.
Normalmente, são os sindicatos dos operadores portuários que negociam com
os sindicatos de trabalhadores portuários as condições de trabalho nos portos.
TITULAR DE INSTALAÇÃO PORTUÁRIA
Dessa forma, as entidades concessionárias foram autorizadas a desmembrar
as concessões. Assim, após os processos de licitação, os portos foram virtualmente
“fatiados” e arrendados a várias empresas privadas. Surgiram, então, muitos titulares
de instalação portuária e terminais privativos51. Tais titulares quando dentro da
área do porto organizado equiparam-se, para efeito de requisição de mão-de-obra
avulsa, aos operadores portuários.
Entretanto, muitos titulares de instalações portuárias foram autorizados a funcionar
fora da área do porto organizado, mesmo antes da edição da Lei nº 8.630/93.
Tais terminais sempre fizeram uso de mão-de-obra avulsa em suas operações portuárias,
contribuindo para o dimensionamento do número de trabalhadores avulsos.
51 Embora relacionados, esses termos não se confundem. Instalação portuária é qualquer benfeitoria
ou equipamento administrado dentro do porto. Poderá designar todo um complexo de instalações
ou um único equipamento. Já terminal significa “ponta”, “fim”, isto é, o ponto de entrada ou de
escoamento de um complexo industrial.
32
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Assim, o art. 56, parágrafo único, da Lei nº 8.630/93, determinou que se
mantivesse, em caráter permanente, a então proporção entre trabalhadores avulsos
e trabalhadores com vínculo empregatício em suas instalações portuárias. Ocorre
que praticamente todos os então titulares de instalações portuárias utilizavam 100%
de trabalhadores avulsos em suas movimentações. Ora, nesse caso, deveriam continuar
fazendo uso de avulsos, como muitos continuam; muito embora a Justiça
tenha sido bastante acionada e ainda não há um ponto final à questão.
Os novos titulares de instalação portuária fora dos portos organizados (constituídos
após a lei dos portos) e, eventualmente, os que não fizessem uso de avulsos
estão desobrigados da utilização dos trabalhadores portuários avulsos. Sendo assim,
poderão requisitá-los em caráter facultativo.
ÓRGÃO GESTOR DE MÃO-DE-OBRA (OGMO)
É uma criação da Lei nº 8.630/93, sendo uma de suas principais inovações.
Como representa importante papel no processo de requisição de mão-de-obra, sua
criação foi bastante combatida pelos sindicatos obreiros que o viram como substituto
de muitas atribuições que lhes eram próprias. Tem como incumbência principal
administrar o fornecimento de mão-de-obra do trabalhador portuário avulso nos
termos da lei e das convenções e acordos coletivos de trabalho.
Embora o OGMO não seja considerado empregador, seu papel é importantíssimo,
pois a ele cabe gerenciar toda a mão-de-obra avulsa, compreendendo, entre
outras, as seguintes tarefas:
© organização do registro e do cadastro do trabalhador portuário;
© expedição dos documentos de identificação dos trabalhadores incluídos
no cadastro e no registro;
© arrecadar e repassar aos respectivos beneficiários os valores devidos pelos
operadores portuários relativos à remuneração do trabalhador portuário
avulso, e aos correspondentes encargos fiscais, sociais e previdenciários;
© aplicar, quando couber, normas disciplinares previstas em lei, contrato ou
convenção coletiva de trabalho celebrado;
© zelar pelas normas de saúde, higiene e segurança no trabalho portuário; e
© escalar os trabalhadores portuários avulsos registrados em sistema de rodízio.
A requisição de mão-de-obra, antes feita aos sindicatos, passa a ser feita diretamente
ao OGMO, a quem compete efetuar a escalação dos TPAs em sistema de
rodízio. Há, entretanto, grande mudança no papel dos sindicatos portuários, que
perderam a prerrogativa de escalação dos trabalhadores.
33
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
COOPERATIVA DE TRABALHO PORTUÁRIO
É uma forma especial de prestação de serviços nos portos organizados, prevista
no art. 17 da Lei nº 8.630/93. Situa-se ao lado da forma avulsa de prestação de
serviços e da forma permanente, com vínculo empregatício. Na verdade é o cumprimento
do dispositivo constitucional de incentivo ao sistema cooperativista.
Entretanto, essa forma de associação cooperativista se distingue das cooperativas
normais, pois há um pressuposto básico para sua formação: a composição por
trabalhadores portuários avulsos registrados; não obstante a ela aplicar-se todos os
dispositivos da lei das cooperativas (Lei nº 5.764/71).
A cooperativa de trabalhadores portuários avulsos que pretenda exercer suas
atividades como operador portuário deve preencher os seguintes requisitos:
© ser constituída nos exatos termos da Lei nº 5.764/71, ou seja, atender a
todos os requisitos de constituição de uma cooperativa de prestação de
serviços;
© ter como cooperados, exclusivamente, trabalhadores portuários avulsos
registrados, nos termos do art. 17 da Lei nº 8.630/93, sendo vedada a participação,
por exemplo, de trabalhadores cadastrados ou indenizados; e
© obter a pré-qualificação como operadora portuária junto à Administração
do Porto.
A força de trabalho de uma cooperativa de serviços é, por definição, a mãode-
obra de seus cooperados. A partir do momento em que ingressam na cooperativa,
sua situação, perante ao Órgão Gestor de Mão-de-Obra, assemelha-se à do trabalhador
portuário avulso registrado cedido ao operador portuário com vínculo
empregatício a prazo indeterminado, ou seja, deixa de concorrer à escala rodiziária
com os demais portuários avulsos registrados, prestando serviços diretamente ao
interessado na movimentação da carga (embarcador, consignatário, armador ou seu
representante). O mero fornecimento de mão-de-obra cooperada a outros operadores
portuários, como tem ocorrido em alguns portos, caracteriza-se como
terceirização irregular.
O registro do cooperado no OGMO deverá ser mantido, pois esta hipótese
não é uma das previstas em lei para o cancelamento do registro. Deixará, porém, de
concorrer à escala rodiziária, devendo ser retida sua carteira funcional enquanto permanecer
como cooperado, nos termos do art. 3º da Lei nº 9.719/98. Essa medida
deve-se à desigualdade que a participação do cooperado no rodízio causaria aos demais
avulsos, vez que, aquele, além de absorver uma oportunidade de trabalho como
cooperado, ainda concorreria com os demais avulsos a outras oportunidades.
É importante assinalar que, uma vez pré-qualificada, a cooperativa competirá
com os demais operadores portuários, estando sujeita aos riscos da atividade
34
Secretaria de Inspeção do Trabalho
econômica. Assim, o cooperado portuário trabalhará quando sua cooperativa conseguir
cargas para operar. Caso contrário, nada terá a receber, nem poderá concorrer
ao rodízio.
Vale ressaltar que os trabalhadores portuários avulsos do cadastro não podem
constituir a cooperativa em análise, visto que, se pudessem, poderiam ter mais oportunidades
de trabalho que os registrados, detentores de melhor status jurídico-trabalhista.
Os cadastrados somente possuem expectativa de direito ao trabalho, já que
apenas absorvem as oportunidades não preenchidas por registrados.
Importante citar que a cooperativa negociará condições específicas de trabalho
com os contratantes, a exemplo da composição dos ternos. Como operadora
portuária, a cooperativa de trabalhadores portuários poderá requisitar mão-de-obra
ao OGMO. Entretanto, tal expediente somente será possível de forma residual, para
complementar as equipes de trabalho, quando não houver cooperados suficientes
para a execução do serviço.
Enquanto integrante da cooperativa, o trabalhador será vinculado à Previdência
Social como segurado na categoria de autônomo e não mais como avulso.
RODÍZIO
Conforme já explicitado, rodízio é a distribuição equânime das oportunidades
de trabalho entre os trabalhadores portuários avulsos registrados.
É atribuição exclusiva dos OGMOs, nos termos do art. 6º da Lei nº 9.719/98.
Do rodízio resultam as “escalas diárias”, isso é, as listas de trabalhadores componentes
das equipes ou ternos de trabalho para execução de determinada faina52 em determinado
turno de trabalho.
Basicamente, existem duas formas de rodízio: o numérico e o sistema de câmbio.
No rodízio numérico, os trabalhadores registrados são numerados e entram em
uma fila, que avança à medida que surgem as oportunidades de trabalho. No sistema
de câmbio, cada empregado registrado detém um documento individual em que são
lançados os trabalhos realizados. De posse do documento, o empregado comparece
a uma espécie de pregão, onde disputará com os demais trabalhadores uma vaga,
nesse caso quem tem menos trabalhos lançados terá maiores chances de conseguir
trabalhar.
O rodízio é, na verdade, composto por vários pequenos rodízios, independentemente
do sistema adotado. Cada trabalho que dependa de especialização terá
um rodízio específico. Exemplifiquemos: os operadores de empilhadeira a bordo
são estivadores; mas são estivadores especializados e qualificados, compondo um
52 Faina: designa um tipo específico de movimentação de carga.
35
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
pequeno grupo entre os estivadores registrados. Haverá, então, um rodízio específico
entre os estivadores operadores de empilhadeira.
Vários outros pequenos rodízios podem ser estabelecidos, como por exemplo,
dentre os trabalhadores braçais, um rodízio por faixas de preço, pois há trabalhadores
que só concorrem aos trabalhos “bem pagos”. Estabelecem-se vários rodízios
de forma que, para conseguir participar do “melhor rodízio”, o trabalhador
deverá ter participado dos demais.
Ressalte-se que todos os critérios de rodízio devem constar de convenção coletiva
de trabalho, conforme prevê o art. 29 da Lei nº 8.630/93.
Vale dizer, ainda, que os trabalhadores cedidos em caráter permanente a operadores
portuários com vínculo empregatício, bem como os trabalhadores que se
associarem à cooperativa de trabalho fundada nos moldes do art. 17 da lei dos portos,
ficam impedidos de participarem do rodízio. Tal medida, lastreada no art. 3º,
incisos I e II, da Lei nº 9.719/98, coaduna-se com o princípio da eqüidade, pois tais
trabalhadores já possuindo oportunidades cativas de trabalho devem deixar aos demais
avulsos a concorrência pelas outras oportunidades.
CONDIÇÕES DE TRABALHO
Geralmente os portos operam 24 horas, divididas em turnos de trabalho.
Esses turnos variarão conforme a especificidade de cada porto, mas em geral serão
de seis ou de oito horas. No caso de turnos de oito horas, haverá intervalo
intrajornada, para repouso e alimentação.
Poderá haver a prestação de horas extraordinárias de trabalho, mesmo nos
turnos de seis horas. Tal procedimento se justifica, porque, muitas vezes, o navio
está de partida pouco tempo depois do horário da troca de turno, não sendo viável
a escalação de nova equipe de trabalho.
O ciclo de remuneração inicia-se com a previsão de chegada do navio, sendo
desde logo estabelecidos o período de estadia e a carga envolvida.
O operador portuário ou tomador de mão-de-obra elabora as requisições do
número de trabalhadores necessários à operação de carga ou descarga ao OGMO,
respeitada a composição das equipes de trabalho prevista em convenção ou acordo
coletivo de trabalho. O OGMO, então, efetua a escala dos trabalhadores, ou seja,
transforma números em nomes, por meio do rodízio.
Os trabalhadores escalados que efetivamente prestarem os serviços respectivos
perceberão a remuneração devida nas 48 horas subseqüentes ao término do
serviço, salvo outro prazo previsto em acordo ou convenção coletiva de trabalho,
nos termos do art. 2º, § 1º da Lei nº 9.719/98.
36
Secretaria de Inspeção do Trabalho
O operador portuário ou tomador de mão-de-obra deverá repassar, em 24
horas do término do turno, a remuneração dos TPAs ao OGMO para que este
possa efetuar o pagamento, salvo outro prazo previsto em acordo ou convenção
coletiva de trabalho.
A remuneração é calculada com base nos seguintes fatores: turno (diurno ou
noturno); tipo e número de paralisações, ocorrência de horas extraordinárias (nos
intervalos intra ou interturnos); tipo de carga; tipo de faina; tonelagem, cubagem ou
unidades; navio atracado ou fundeado; categoria envolvida; função desempenhada;
e trabalho em domingos ou feriados. Tais itens são as variáveis empregadas no cálculo
do Montante de Mão-de-Obra (MMO) e devem estar previstas em acordo ou convenção
coletiva de trabalho. Exemplifiquemos:
Operação 1: desembarque de bobina de papel – faina classe 1.1.0 (não há
necessidade de ser desmembrada e já é pré-lingada53 ); com navio atracado, em horário
normal (turno de oito horas), carregando 308 volumes com 220.260 kg. A taxa
convencionada para essa operação (faina 1.1.0) é de R$0,288 por tonelada (taxa de
produção, conhecida por taxa “P”). Total: 220,26 x R$0,288 = R$63,43 (A).
Entretanto, durante a operação houve paralisação, por culpa do operador
portuário, por cinco horas. Logo, haverá a remuneração dessas horas paradas: 5 x
R$ 1,382 (taxa de salário-dia conhecida por taxa “S”) = R$6,91 (B).
Houve, ainda, extensão do trabalho por mais duas horas, sendo movimentado,
nesse tempo, 276 volumes ou 189.060 kg. Nesse caso, a remuneração seria: 189,06
toneladas x R$0,432 (taxa “P”) = R$81,67 (C).
O total de remuneração desse período seria A + B + C = R$152,01. Sobre
esse valor incide o 1/6 correspondente ao repouso semanal remunerado. Assim, o
MMO seria de 152,01 x 7/6: R$177,35. Este valor é a base da remuneração de cada
trabalhador, também chamado de “cota”. De acordo com a função exercida na equipe
de trabalho, o trabalhador auferirá uma ou mais cotas (chefe-geral, chefe de porão,
operador de máquina, etc.).
Vale ressaltar que se o valor da remuneração total proveniente da soma A+B+C
fosse inferior ao valor da diária (8 horas x taxa “S”) este seria o valor do total da
remuneração.
Há atividades e funções que são remuneradas somente pela taxa “S”, a exemplo
do peador/despeador e do vigia portuário.
53 Carga pré-lingada: carga que já vem unitizada numa lingada do armazém. Tal procedimento evita
que o trabalhador faça a lingada antes do embarque.
37
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Note-se que a contabilização da produção é feita durante a operação pelos
conferentes, que elaboram o tallie de produção e o repassam ao operador portuário,
que o enviam ao OGMO para o processamento da folha de pagamentos.
Na folha de pagamentos constarão, ainda, os valores devidos a título de férias
e gratificação natalina.
O cálculo das férias é feito nos termos da CLT – 1/12 avos mais 1/3 (do
MMO). O montante das férias deve ser recolhido em conta vinculada individual
aberta pelo OGMO para esse fim, conforme prevê o art. 2º, § 2º, da Lei nº 9.719/
98, até o dia 2 do mês subseqüente ao turno de trabalho executado, salvo se convenção
coletiva de trabalho dispuser de outra forma. Os momentos de saque serão
previstos em decreto regulamentador à Lei nº 9.719/98. Entretanto, usualmente são
pagos ao TPA logo após o repasse do valor pelo operador portuário ou do tomador
de mão-de-obra ao OGMO.
No caso do cálculo da gratificação natalina, o percentual será único no valor
de 1/12 do MMO pagos na forma da regulamentação a ser expedida em decreto.
Entretanto, usualmente, vem sendo pago ao TPA logo após o repasse do valor pelo
operador portuário ou do tomador de mão-de-obra ao OGMO.
O FGTS é recolhido sobre o MMO, a gratificação natalina e a remuneração
de férias nos percentuais e prazos previstos na legislação específica.
Sobre a remuneração bruta do TPA incidem os descontos relativos à contribuição
previdenciária, ao Desconto de Assistência Sindical (DAS)54, ao Imposto de
Renda, à pensão alimentícia e a outros previstos em convenção coletiva de trabalho.
Ressalte-se que a forma de desconto da contribuição previdenciária do trabalhador
avulso é feita progressivamente nas alíquotas de 8%, 9% ou 11% conforme os pagamentos
acumulados ao longo do mês, nos termos do § 3º do art. 15 da Instrução
Normativa nº 31, de 13 de julho de 2000 do INSS.
De outro lado, sobre os operadores portuários e tomadores de mão-de-obra,
são recolhidas pelo OGMO as seguintes contribuições patronais: contribuição
previdenciária, acidente de trabalho, Fundo de Desenvolvimento do Ensino Profissional
Marítimo (FDEPM)55 e outros.
Aos operadores portuários cabem custear as despesas do OGMO.
54 Esse desconto incide na forma de percentual sobre o MMO. Cada categoria de trabalhador portuário
decide seu percentual em assembléia sindical. Na prática, todos os trabalhadores descontam
DAS, pois se não o fizerem poderão ter problemas na escalação.
55 O FDEPM substitui o salário-educação e é quem financia os sistema de cursos profissionais para os
trabalhadores portuários. É administrado pela Marinha.
38
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Vale ressaltar que aos sindicatos não cabe nenhuma ingerência sobre a administração
da mão-de-obra portuária. A nova lei desautoriza qualquer repasse monetário
dos operadores portuários ou OGMO aos sindicatos, em vista de legislação
revogada.
Na fiscalização do FGTS dos trabalhadores portuários avulsos, o Auditor-
Fiscal do Trabalho examinará no OGMO os documentos abaixo:
I – Folhas de Pagamento e/ou Recibos de Pagamentos56 ;
II – Relação de Trabalhadores Avulsos (RTA), emitidas até abril de 199557 ;
III – Guia de Recolhimento do FGTS (GRE), a partir de maio de 1995; e
IV – Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social
(GFIP), a partir de janeiro de 1999.
Exemplifiquemos a incidência do FGTS: suponha remuneração básica
(somatório dos MMOs) no mês importe de R$100,00. A importância correspondente
ao custeio de férias será de R$11,12 (1/12 + 1/3) e ao custeio da gratificação
natalina será de R$8,34 (1/12).
Assim, se somarmos aos R$100,00; R$ 11,12 e R$ 8,34 teremos um total de
R$119,46. Sobre esse valor incidirá o percentual de 8% do FGTS, resultando em
R$9,55. Assim, ordinariamente, verifica-se a regularidade do recolhimento pela incidência
de 9,5568% sobre a remuneração básica total do TPA.
O cotejo entre folha de pagamento e a RTA ou GRE ou, atualmente, GFIP
não é simples, vez que são emitidas tantas folhas quantas forem as ocorrências da
combinação navio/porão/turno/atividade58 e as guias do FGTS, em geral, emitidas
por mês e atividade. Assim, o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá concentrar todas
as folhas de pagamento no mês em que cada trabalhador constar, a fim de totalizar
as remunerações pagas, aplicar a alíquota de 8% e comparar com o lançamento na
RTA ou GRE ou GFIP. Atualmente, a Instrução Normativa nº 31 do INSS determina
a elaboração, pelo OGMO, de folhas consolidadas mensais (art. 17, § 2º).
56 Grande parte dos OGMOs deposita a remuneração dos TPAs diretamente em contas bancárias por
meio de transferências on line. O TPA deve procurar o OGMO para receber os comprovantes de
pagamento.
57 Até abril de 1995, o FGTS era recolhido utilizando-se de uma Guia de Recolhimento (GR) e uma
Relação de Trabalhadores Avulsos (RTA) – para os demais trabalhadores era feita uma Relação de
Empregados (RE).
58 Cada folha é referente ao porão de um determinado navio, num determinado turno, de uma determinada
atividade portuária (estiva, conferência, etc). A divisão por porão justifica-se, pois cada
porão tem um terno (equipe) vinculado, que realiza uma faina específica com uma produtividade
própria.
39
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
AS REGRAS PARA INSCRIÇÃO NO REGISTRO E
CADASTRO DOS TRABALHADORES PORTUÁRIOS
À ÉPOCA DA LEI Nº 8.630/93
Como já demonstrado, após a extinção das DTMs, em 14.2.89, as DRTs não
continuaram o trabalho de controle dos trabalhadores portuários avulsos, salvo
algumas exceções. Mas as necessidades de trabalhadores nos portos continuavam.
Dessa forma, os sindicatos de avulsos passaram a controlar o direito do trabalhador
ao trabalho. Ainda na época das DTMs, a fim de solucionar o problema dos
“bagrinhos”59 foi criada a chamada “força supletiva”, constituindo-se no embrião
do atual cadastro. Esses trabalhadores não eram aceitos nos sindicatos portuários
como sócios, permaneciam numa espécie de “lista reserva”, e eram denominados
“candidatos” (candidato a sócio). Os integrantes da força supletiva, quando ocorria
abertura de vagas no “time titular”, eram promovidos pela DTM e, automaticamente,
passavam a sócios nos sindicatos.
Na “gestão” dos sindicatos, os critérios técnicos usados pelas DTMs na abertura
de vagas, controle do rodízio e promoção da força supletiva foram deixados de
lado, sendo substituídos, em muitos casos, pelo fisiologismo e nepotismo; e, muitas
vezes, usados como cacife político pelos dirigentes sindicais.
Por isso que, com a promulgação da Lei nº 8.630/93, houve muita resistência
em sua aceitação, pois além de novamente regulamentar o trabalho portuário, acabando
com abusos, investiu sobre o monopólio da administração dos sindicatos
sobre a mão-de-obra.
Somente com a criação do GEMPO e o estabelecimento do “levantamento
dos trabalhadores nos portos” pelo Decreto nº 1.596/95 foi que se estabeleceram as
condições para o funcionamento dos OGMOs; pois com a edição desse decreto
conseguiu-se saber quem realmente eram os trabalhadores portuários para fins da
composição do registro e cadastro dos OGMOs. O Decreto nº 1.596/95 estabeleceu
as seguintes exigências para a matrícula nos OGMOs:
59 Bagrinho: também chamado “carteirão” ou “cavalo” ou “galinha”, poderá designar o trabalhador
que não pertence ao sistema, mas que consegue trabalhar no porto por conta própria ou alheia (em
nome de um trabalhador do sistema) ou ainda um trabalhador do sistema que realiza o trabalho em
nome de outro.
40
Secretaria de Inspeção do Trabalho
REGISTRO
I – ter matrícula nas extintas Delegacias do Trabalho Marítimo até 14 de
fevereiro de 1989 (Lei nº 7.731/89) ou nas Delegacias Regionais do Trabalho até 31
de dezembro de 1990;
II – comprovar exercício de atividade portuária até 25 de fevereiro de 1993, ou
comparecer nos levantamentos dos portuários comprovando exercício de atividade
no período 1991/1995, nos termos previstos no Decreto nº 1.596/95;
III – não tendo como comprovar os requisitos anteriores, ter sua situação
regularizada nos termos do art. 8º ou parágrafo único do art. 9º do Decreto nº
1.596/95, ou seja, mediante convenção coletiva de trabalho.
A Comissão Nacional de Levantamento, sensível aos problemas ocorridos
com o fim das DTMs, autorizou que os integrantes das forças supletivas que comprovassem
inscrição nas DTMs e que atendessem o requisito do item II acima fossem
enquadrados no art. 55.60
CADASTRO
I – estar filiado ao respectivo sindicato de classe até 25 de fevereiro de 1993,
independentemente de sua condição como candidato ou efetivo no quadro dessa
entidade;
II – comprovar exercício de atividade portuária no período de 1991 a 1995;
III – não tendo como comprovar os requisitos anteriores, ter sua situação
regularizada nos termos do art. 8º ou parágrafo único do art. 9º do Decreto nº
1.596/95, ou seja, mediante convenção coletiva de trabalho.
Ficaram enquadrados como cadastrados somente os trabalhadores que não
comprovaram possuir matrícula, nem na força supletiva, nem nas DTMs, mas que
vinham trabalhando com autorização dos sindicatos.
Habilitou-se, também, ao cadastro o trabalhador que se aposentou e retornou
ao trabalho, na condição de “supletivo”, antes da edição da Lei nº 8.630/93, com
base na Resolução nº 261 do Conselho Superior do Trabalho Portuário.61
Os TPAs que não preencheram os requisitos dos arts. 54 ou 55 da Lei nº
8.630/93 podem se encontrar nas seguintes situações:
60 As comissões de levantamento à vista dos documentos apresentados pelos trabalhadores emitia um
documento denominado Boletim de Atividade Portuária (BAP), com o enquadramento nos art. 55,
54 ou 70 da Lei nº 8.630/93 ou seu “não-enquadramento”. Esses BAPs serviram de base para que os
OGMOs formassem seu registro e cadastro.
61 O CSTP emitia resoluções que à época tinham força de lei. Uma delas foi a Resolução nº 261, que
permitiu o retorno ao trabalho do trabalhador aposentado que observasse as disposições ali elencadas.
41
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
I – ter participado do levantamento dos portuários e recebido “NÃO” no
BAP. Nesse caso, só podem ter sua situação regularizada nos Órgãos de Gestão de
Mão-de-Obra nos termos do art. 8º do Decreto nº 1.596/95; e
II – não ter participado do levantamento dos portuários. Portanto, deverá
comprovar junto aos OGMOs os requisitos da Lei nº 8.630/93 para inscrição no
registro ou no cadastro.
42
Secretaria de Inspeção do Trabalho
A INSPEÇÃO DO TRABALHO NOS PORTOS
A coordenação das ações governamentais visando à modernização dos portos
é atribuição do GEMPO, a quem cabe elaborar, implementar e monitorar o Programa
Integrado de Modernização dos Portos (PIMOP).
A primeira fase do PIMOP tratou da implantação da Lei nº 8.630/93, tendo
como principais metas atingidas:
© pleno funcionamento dos Conselhos de Autoridade Portuária (CAP), em
todos os portos;
© criação de Órgãos Gestores de Mão-de-Obra (OGMOs) em todos os portos
organizados; e
© indenização do trabalhador portuário avulso.
A segunda fase do PIMOP tem como documentos básicos:
a) Plano de Ação Governamental para o Subsetor Portuário; e
b) Programa Anual de Trabalho do GEMPO.
O Plano de Ação Governamental para o Subsetor Portuário tem vários objetivos,
entre os quais podemos citar:
© consolidação da implantação do modelo institucional criado pela lei dos
portos;
© recuperação e modernização da infra-estrutura portuária e melhoria de
seu desempenho operacional;
© fortalecimento do processo de negociação coletiva e disseminação do contrato
coletivo de trabalho;
© implantação e manutenção dos sistemas de acompanhamento de negociações
coletivas, bem como o fortalecimento do sistema de fiscalização do
trabalho;
© promoção aos trabalhadores e aos empregadores dos conhecimentos sobre
os procedimentos necessários para garantir a segurança e saúde do trabalhador,
inclusive para a prevenção de acidentes e doenças ocupacionais; e
© redução dos custos portuários.
Entre as metas a serem atingidas pelo MTE relacionadas no PIMOP, temos:
© pleno desempenho das competências atribuídas aos OGMOs pela Lei nº
8.630/93;
43
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
© implantação da multifuncionalidade no trabalho portuário;
© implantação de medidas de amparo financeiro à mão-de-obra, em função
das repercussões sociais decorrentes do processo de modernização dos
portos;
© elaboração e divulgação do manual de fiscalização do trabalho marítimo,
portuário e na pesca e treinamento de Auditores-Fiscais do Trabalho para
fiscalização dessas atividades;
© estabelecimento de rotinas para a geração de estatísticas quanto às ações de
fiscalização do trabalho marítimo, portuário e na pesca;
© adequação da legislação de segurança e saúde aos trabalhos portuários,
considerando o disposto na Convenção nº 152 da OIT, promulgada pelo
Decreto nº 99.534/90; e
© requalificação profissional dos trabalhadores avulsos que não preencheram
os requisitos para registro no OGMO, a fim de reinseri-los no mercado
de trabalho.
44
Secretaria de Inspeção do Trabalho
ROTINA DE FISCALIZAÇÃO EM NAVIO
O trabalho de campo na fiscalização do trabalho portuário, embora admita
uma flexibilidade em sua rotina, deve procurar seguir uma seqüência lógica no seu
desenvolvimento. A seguir descreveremos alguns passos, a título de sugestão, já que
o Auditor-Fiscal do Trabalho poderá optar por um planejamento próprio que julgue
mais adequado.
O primeiro passo ao fiscalizar o trabalho desenvolvido em um navio é a
verificação física. Para isso é fundamental que o Auditor-Fiscal do Trabalho já disponha
de uma cópia da escala diária de trabalhadores daquele navio. Infelizmente,
na maioria dos portos, ainda não há essa disponibilidade. Muitos sindicatos que
continuam fazendo a escala em sistema de rodízio não fornecem cópia da mesma
durante o transcurso do turno de trabalho respectivo. Assim, até mesmo a guardaportuária,
a quem cabe a fiscalização do acesso ao porto, fica prejudicada. Em condições
ideais a escala diária deve ser providenciada pelo OGMO e disponibilizada
aos interessados. Caso não se disponha da escala antecipadamente, deve-se anotar o
nome dos trabalhadores presentes, para posterior confronto com a escala.
A fiscalização, em princípio, deve começar pelos trabalhadores que ficam no
cais: trabalhadores em capatazia e conferentes. Normalmente, há um terno de cada
atividade para cada porão em que se esteja desenvolvendo uma faina. Posteriormente,
ao se adentrar ao navio serão fiscalizadas as outras atividades:
© vigia – obrigatoriamente teremos um no portaló, a quem cabe esclarecer
se o operador contratou ou não outros vigias, o que é raro;
© bloquista – fica normalmente no porão, muitas vezes desenvolvendo fainas
próprias da estiva que lhe são cedidas a título precário;
© estiva – a maioria fica no porão ou no convés, conforme onde se desenvolva
a faina. O guincheiro, pela própria localização onde trabalha, dificulta
a verificação física;
© consertadores – normalmente ficam a bordo, embora só atuem no caso de
avaria da carga.
Deve-se anotar o nome e inscrição do trabalhador, exigindo-se para tanto que
o mesmo apresente o seu cartão de identificação, também chamado de crachá ou
carteira. Ao copiar os dados do cartão de identificação deve-se atentar para a autenticidade,
pois eles estão sujeitos a falsificação, principalmente com o recurso de
fotocópias coloridas, ou adulteração, quando apresentam rasuras.
45
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
O acesso ao porto deve ser controlado, o que é uma atribuição da guarda
portuária, que é subordinada à administração portuária. Assim só deveriam ter acesso
ao porto trabalhadores portando o seu cartão de identificação, que o qualificam
como avulso inscrito no OGMO, e que comprovassem estar escalados para o trabalho
naquele turno. Daí a importância da prévia entrega da escala diária para a guarda
portuária.
Após o encerramento da verificação física, o fiscal deverá notificar o OGMO
(não necessariamente no mesmo dia) a apresentar a documentação referente à
remuneração da operação fiscalizada a bordo do navio.
Deve-se sempre esperar pelas folhas de pagamento, pois possíveis divergências
entre as escalas e a verificação física efetuada poderão ser sanadas a tempo pelo
operador portuário. A folha de pagamento é, geralmente, o melhor documento para
se verificar possíveis irregularidades a bordo.
As discrepâncias existentes entre as folhas de pagamento e a verificação física
ensejarão a lavratura de auto de infração em face do operador portuário ou tomador
de mão-de-obra. O OGMO só será responsabilizado quando a responsabilidade
pela fiscalização da presença do trabalhador a bordo for sua, inequivocadamente.
46
Secretaria de Inspeção do Trabalho
PRINCIPAIS INFRAÇÕES ENCONTRADAS NOS PORTOS
Entre as situações de descumprimento legal ocorridas nos portos citamos as
mais comuns:
REALIZAÇÃO DE TRABALHO PORTUÁRIO AVULSO COM TRABALHADOR NÃO
REGISTRADO OU CADASTRADO NO OGMO E SEM QUALIFICAÇÃO
É o caso do “bagrinho”. Essa infração está, por vezes, associada a práticas
sindicais aéticas, em que dirigentes sindicais negociam com trabalhadores fora do
OGMO o acesso ao trabalho portuário. Mas, também, é freqüente o trabalhador
portuário delegar a um parente, amigo ou vizinho sua oportunidade de trabalho.
Essa infração é, também, muito comum na atividade de capatazia, pois há
divergência na interpretação do art. 26, parágrafo único, da Lei nº 8.630/93; e não
havia o costume do trabalho avulso nessa atividade. Assim, muitas empresas, em
especial os terminais privativos, contratam trabalhadores a prazo indeterminado
fora do OGMO, para atuarem na retaguarda do porto (pátios e armazéns dentro da
área do porto organizado). Deve-se proceder com cuidado na constatação dessa
infração, pois o operador portuário ou tomador de mão-de-obra pode ter recrutado
os TPAs, sem que houvesse interesse pela vaga. Nesse caso, a empresa pode contratar
fora do OGMO, mas deve providenciar a qualificação do trabalhador nos mesmos
moldes em que é feito pelo OGMO.
A questão é complexa pois envolve a fixação de pisos normativos para a
contratação com vínculo empregatício, pelos acordos e convenções coletivas de
trabalho, atraentes para o TPA, sem o que não há candidatos à vaga em razão do
baixo salário oferecido.
DESIGUALDADE NA ESCALAÇÃO EM RODÍZIO
Essa infração é freqüente, mas de difícil constatação. Ocorre quando um TPA
registrado tem seu direito ao rodízio obstaculizado pela entidade escaladora. Ainda
hoje é comum o TPA ser penalizado com a suspensão do rodízio pelos próprios
dirigentes sindicais.
Mas pode ocorrer em sentido inverso. Algum TPA ser beneficiado com mais
oportunidades de trabalho que os demais.
A constatação torna-se difícil, pois, em geral, os sindicatos (que ainda hoje
47
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
efetuam boa parte da escalação) não registram a presença, nos locais de escalação,
dos TPAs que não conseguiram se empregar. A caracterização é muitas vezes possível
pela análise dos pagamentos efetuados pelo OGMO e pela observância do intervalo
entre jornadas, já que os TPAs privilegiados costumam se empregar bem acima
da média e sempre dobrar seus turnos de trabalho.
REALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PORTUÁRIOS COM TRABALHADOR PORTUÁRIO AVULSO
SEM REQUISIÇÃO DA MÃO-DE-OBRA AO OGMO
Em alguns casos, pode ocorrer que o tomador de mão-de-obra requisite o
TPA ao sindicato e não ao OGMO. Isso às vezes acontece em portos com OGMO
incipiente por pressão dos sindicatos, mas também ocorre com OGMO operante.
Nesse último caso, pode ser que o próprio OGMO deixa de atender a requisição
quando o tomador de mão-de-obra não é operador portuário e, portanto, seu constituinte,
não obstante o art. 13 da Lei nº 9.719/98 ser claro nesse sentido. É possível,
ainda, que a taxa cobrada pelo OGMO para fornecer TPA a tomadores que não são
operadores portuários seja muito alta, levando o tomador a procurar o sindicato.
O OGMO NÃO TER DISPONÍVEL PARA FISCALIZAÇÃO AS LISTAS DE ESCALAÇÃO
DIÁRIA DOS TPAS, POR TOMADORES DE MÃO-DE-OBRA E POR NAVIO
Como já explanado, isso acontece porque alguns sindicatos que ainda detém o
poder de escalação não fornecem as escalas diárias para o OGMO e mesmo para a autoridade
portuária. Sendo assim, o OGMO é o responsável pela não-disponibilização das
listas.

OS TOMADORES DE MÃO-DE-OBRA NÃO FAZEREM A VERIFICAÇÃO DA PRESENÇA,
NO LOCAL DE TRABALHO, DOS TRABALHADORES CONSTANTES DAS LISTAS DE
ESCALAÇÃO DIÁRIA DE CADA NAVIO
Esse é um dos principais problemas enfrentados em grande parte pelos nossos
portos. Na verdade, essa falta de verificação é presumida pela constatação da ausência
injustificada ao posto de trabalho por TPA e o posterior pagamento ao mesmo
como se tivesse trabalhado. Como a Lei nº 9.719/98 veda a remuneração ao TPA
sem o correspondente pagamento, presume-se que não foi efetuada a verificação da
presença, lavrando-se o correspondente auto de infração pela violação ao art. 6º da
Lei nº 9.719/98.
A ausência injustificada do TPA pode se dar por dois motivos: 1) o “quarteio”:
a divisão do turno de trabalho e da equipe de trabalho, ou seja, metade da equipe
labora meio turno e a outra metade o resto do turno; todos auferindo a produção de
todo o turno; e 2) o “cavalo” ou “galinha”: trabalhador que sub-roga em outro
trabalhador seu direito ao trabalho, dividindo com este o ganho respectivo. Na
primeira hipótese o trabalhador ganha sem trabalhar, pois lhe é computada uma
48
Secretaria de Inspeção do Trabalho
produção que não é sua; na segunda, ocorre a exploração de um trabalhador por
outro pela intermediação do trabalho.
Tais práticas são danosas, mas têm raízes complexas. O quarteio é fundado
no excesso de mão-de-obra nos portos, gerando equipes de trabalho numerosas.
Também é uma forma de remuneração indireta, pois a baixa produtividade dos
equipamentos portuários tendem a gerar baixos salários.
Pode ocorrer ainda que a ausência seja de um dirigente sindical, pois é comum
que o dirigente se remunere escalando-se nos melhores trabalhos, mas sem comparecer
ao mesmo.
O “cavalo” funda-se, muitas vezes, em trabalhadores que não mais possuem
condições para o trabalho (velhice ou doença ou incompatibilidade) mas que continuam
sendo escalados para tal, tendo que repassar sua oportunidade de trabalho
para um colega em melhores condições (normalmente um cadastrado), dividindo
com ele os rendimentos; ou, ainda, funda-se em trabalhadores que não dependem
do porto para sobreviver, possuindo outras fontes de sustento, mas mantendo o
direito à escalação, repassando o trabalho para um colega (em geral um cadastrado),
subcontratando-o e dividindo os rendimentos do trabalho. Pode ser devido à tentativa
de fraude ao FGTS, pois prefere trabalhar na condição de “cavalo”, sem aparecer nas
escalas, para que possa sacar o FGTS após noventa dias de inatividade.
REALIZAÇÃO DE TRABALHO PORTUÁRIO COM TRABALHADOR TEMPORÁRIO
O art. 45 da lei dos portos veda expressamente essa prática, incompatível
com o sistema avulso de trabalho. Nesse caso, o auto de infração é pela violação a
esse mesmo artigo, por exigência do art. 11 da Lei nº 9.719/98.
INOBSERVÂNCIA DO INTERVALO DE ONZE HORAS ENTRE JORNADAS
As convenções coletivas de trabalho podem prever exceções a essa norma.
Muitas vezes são relacionadas tantas exceções que isso acaba se tornando regra. Na
verdade, os próprios TPAs, pela própria forma descontínua de trabalho, querem a
“dobra”, que é a chance de ganhar uma remuneração maior, pois não sabem quando
voltará a trabalhar.62 Em alguns casos, entretanto, a excepcionalidade é justificável,
como, por exemplo, em portos sazonais ou em portos com um quantitativo de TPA
insuficiente, enquanto não forem qualificados TPAs em número adequado. A infração
é, nessa situação, ao art. 8º da Lei nº 9.719/98.
62 Apura-se essa infração primeiro conhecendo-se o “dia” do porto, ou seja, que horas se inicia o primeiro
turno e termina o último (exemplo de “dia portuário”: 7h às 13h, 13h às 19h, 19h às 1h e 1h às 7h).
Assim, o trabalhador do turno das 7h só poderá voltar a trabalhar no dia seguinte às 7h (jornada
seguinte), mas o trabalhador do turno das 19h a 1h poderá trabalhar novamente às 13h (jornada
seguinte com intervalo de onze horas).
49
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
SIMULTANEIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS
Está cada vez mais escassa, desde que a Inspeção do Trabalho voltou aos portos.
Caracteriza-se por um trabalhador ser escalado para duas equipes simultaneamente
(no mesmo turno de trabalho), muitas vezes em navios diferentes. Infração:
art. 7º, parágrafo único, da Lei nº 9.719/98.
REMUNERAÇÃO DE TRABALHADOR SEM QUE O MESMO TENHA ESTADO EM EFETIVO
SERVIÇO
Essa infração é ligada à falta de verificação de presença. Em geral, a autuação
é feita pela não-verificação de presença ou pela remuneração ao ausente.
INCLUSÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO DE “TRABALHADORES FANTASMAS”
Era muito comum quando o ganho do operador portuário era calculado por
um percentual do custo da operação. Assim, se a despesa total for de R$100,00, o
ganho do operador seria, por exemplo de R$5,00 (5%). Isso é, quanto maiores forem
os custos, maior será o lucro do operador. Então, alguns maus empresários lançavam
custos fictícios na operação para auferirem um lucro maior. Esse custo fictício
poderia ser o lançamento de pagamento a um trabalhador inexistente. A atuação
será pela remuneração a trabalhador que não compareceu ao trabalho (art. 6º, parágrafo
único, da Lei nº 9.719/98).
Note-se, por essa infração, que pode haver uma espécie de conluio entre empresários
e lideranças sindicais para o aumento de despesas e, conseqüentemente,
benefícios mútuos. Entretanto, os embarcadores ou consignatários que arcam com
esses custos, obviamente, os repassam aos consumidores. Assim, encarecem os produtos
a serem exportados e importados, com prejuízo para toda a comunidade. Essa
é uma das razões dos portos brasileiros terem sido por muito tempo dos mais caros
do mundo.
Felizmente, com as privatizações e o incentivo à competição entre os portos
brasileiros, além dos portos do Mercosul, esta prática espúria vem terminando, já
que o preço cobrado pelos operadores tende a ser “fechado”, e. g., R$ x por container
movimentado.
INCLUSÃO EM FOLHAS DE PAGAMENTO DE TRABALHADORES NÃO INSCRITOS NO
OGMO
Atualmente, é difícil de ocorrer com os trabalhos portuários, pois todos os
OGMOs estão bem organizados nesse aspecto. Entretanto, alguns OGMOs assumiram
encargos diversos da administração dos trabalhos portuários, como, por exemplo,
a amarração de navios, podendo utilizar trabalhadores sem inscrição para esse
fim.
50
Secretaria de Inspeção do Trabalho
OPERADORES PORTUÁRIOS DEPOSITANDO OU ENTREGANDO AOS SINDICATOS OS
VALORES CORRESPONDENTES AOS SALÁRIOS, FÉRIAS E 13º DOS TRABALHADORES
Decorre da disposição de alguns sindicatos obreiros em resistir à implantação
da nova normatização portuária. Atualmente, é raro encontrar essa infração devido
à firme disposição da Inspeção do Trabalho em impedi-la com várias autuações nos
OGMOs. (Art. 2º, inciso II, da Lei nº 9.719/98).
O CONFERENTE-CHEFE E O CONFERENTE-AJUDANTE SÃO COMUMENTE ESCOLHIDOS
PELO OPERADOR PORTUÁRIO ENTRE OS TRABALHADORES POR ELE
CREDENCIADO
Na legislação revogada isso era permitido. Entretanto, como já explanado,
hoje existem somente duas formas de prestação de serviços nos portos: o trabalho
avulso ou o trabalho com vínculo empregatício. Se o operador portuário deseja
alguém para trabalhar sob sua confiança, que o contrate. Deve-se ter atenção pois
essa prática pode ocorrer também em outras atividades portuárias, como as de
estivadores. Outro ponto a ressaltar é que o credenciado pode aparecer sob várias
denominações: supervisor, preposto, etc. Muitas vezes poderá ser remunerado “por
fora”, não aparecendo nas folhas de pagamento do OGMO. A autuação, nesse caso,
é pelo art. 41 da CLT.
O DESEQUILÍBRIO NO RODÍZIO
Ocorre muitas vezes pelo fato de os sindicatos obreiros manterem a escalação
dos TPAs. Esses sindicatos mantêm uma série de privilégios para alguns trabalhadores,
como por exemplo, um rodízio especial para aqueles que estejam prestes a se aposentar
ou a obtenção de trabalho para os dirigentes sindicais ou para apaniguados de suas
lideranças. Ocorre ainda a aplicação de penalidade a trabalhador por liderança sindical
afastando-o ilegalmente do rodízio.
Essa prática é perfeitamente comprovável pela análise da estatística dos trabalhos
realizados. A autuação é por infringência ao art. 5º da Lei nº 9.719/98.
DESCONTOS SINDICAIS ABUSIVOS
Era um sistema antigo que se justificava pelos encargos administrativos exercidos
pelos sindicatos de trabalhadores. Os próprios trabalhadores abriam mão de
parte de seus rendimentos para remunerar os serviços prestados pelo seu sindicato.
Entretanto, hoje não mais se justifica descontos de 15, 20, 25% ou mais de cada
serviço prestado, haja vista que os sindicatos não exercem mais atividades administrativas.
Muitos sindicatos, inclusive, devolvem parte do Desconto de Assistência
Social (DAS) ao final de cada mês ou do ano, sem qualquer correção monetária. Tal
prática deve-se ao fato de que muitos sindicatos emprestam dinheiro aos trabalhadores
51
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
no correr do mês e se ressarcem por meio do DAS. Some-se a isso que muitos desses
descontos foram estabelecidos em assembléias sindicais da década de 60.
Ressalte-se que essa é uma das principais razões pelas quais os sindicatos lutam
por manter a escalação dos TPAs, pois dessa forma compelem os trabalhadores
a manterem-se sindicalizados. Se um TPA desvincular-se de seu sindicato poderá
ficar impedido de concorrer ao rodízio.
O combate a essa infração é por intermédio de autuação ao OGMO por
desconto indevido (quando não existir assembléia sindical ou convenção coletiva de
trabalho vigentes). Entretanto, existindo instrumento legal, caberá denúncia ao Ministério
Público do Trabalho para providências junto à Justiça do Trabalho.
TRABALHADORES MATRICULADOS INDEVIDAMENTE NO OGMO
Essa infração foi bastante comum quando da implantação dos OGMOs. Como
já foi dito, somente aqueles trabalhadores que receberam BAPs “sim” ou BAPs “não”
mas com sua situação regularizada por convenção coletiva de trabalho; ou ainda
aqueles que mesmo não tendo participado do levantamento portuário, comprovaram
os requisitos estabelecidos em lei têm direito à matrícula no OGMO (registro
ou cadastro). Para os TPAs que passaram a exercer a atividade portuária após a
edição da lei dos portos, bastaria a qualificação em entidade indicada pelo OGMO
(cadastro) e a seleção com base em critérios definidos em convenção coletiva de
trabalho para inscrição no registro.
Muitas auditorias foram feitas em diversos OGMOs para comprovação desta
irregularidade, cotejando o registro e o cadastro com as publicações no Diário Oficial
da União e verificando a documentação apresentada pelos trabalhadores “não
levantados” e as convenções coletivas celebradas para a regularização de situação de
TPA.
Outra constante irregularidade é a permanência no registro ou cadastro de
TPA aposentado. O art. 27, § 3º, da Lei nº 8.630/93 prevê o cancelamento da inscrição
do trabalhador portuário que se aposentar. Entretanto, muitos OGMOs, por
pressão dos sindicatos, mantêm esses trabalhadores no rodízio, prejudicando os demais,
que perdem oportunidades de trabalho. Por isso é necessário uma auditoria
no registro e cadastro do OGMO confrontando com o relatório de benefícios concedidos
pela Previdência Social.
Em ambos os casos, caberá autuação pelo art. 1º da Lei nº 9.719/98.
EXECUÇÃO DE SERVIÇOS NÃO PORTUÁRIOS
Alguns OGMOs vêm assumindo outras atribuições que não a administração
da mão-de-obra avulsa, e.g., fornecimento de amarradores, fornecimento de TPAs
52
Secretaria de Inspeção do Trabalho
para atividades não portuárias a algumas administrações portuárias. Esse procedimento
é temerário, tendo em vista as inúmeras ações trabalhistas buscando inserção
do trabalhador nos OGMOs. Assim, este começa fazendo somente a amarração ou
outra tarefa e, posteriormente, ganha na Justiça o direito amplo ao trabalho portuário.
Por outro lado, algumas administrações portuárias utilizam TPAs como se fossem empregados,
laborando diariamente em atividade de manutenção e limpeza, tentando
fugir da vinculação empregatícia.
No OGMO, essa infração é autuada com base no art. 25 da Lei nº 8.630/93,
por exigência do art. 11 da Lei nº 9.719/98; e no caso da administração portuária,
pelo art. 41 da CLT.
COOPERATIVAS DE TPAS IRREGULARES;
Além da fiscalização especial sobre a cooperativa, com base na Lei nº 5.764/
71 e na Portaria nº 925 da SEFIT, deverá ser verificado se a cooperativa preenche os
requisitos do art. 17 da Lei nº 8.630/93. No caso de irregularidade, deverá ser formulada
denúncia ao Ministério Público do Trabalho e à Administração Portuária
visando ao descredenciamento e à desconstituição da cooperativa de trabalho.
53
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
NORMA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO
TRABALHO PORTUÁRIO
Até a edição da Portaria nº 53 de 17 de dezembro de 1997, que aprovou o
texto da Norma Regulamentadora nº 29, que trata da segurança e saúde no trabalho
portuário, era muito difícil a fiscalização nesse sentido, uma vez que a maior parte
das normas de segurança e saúde não se aplicava aos portuários devido a sua
especificidade, gerando a proliferação de acidentes de trabalho e moléstias profissionais.
A partir de 1983, com o ingresso de médicos do trabalho, engenheiros e agentes
de higiene e segurança nos quadros das DTMs, iniciou-se a fiscalização das condições
de segurança e saúde nos trabalhos portuário. Identificou-se então a
inadequação da legislação relativa ao assunto, surgindo as primeiras propostas de
adequação da legislação e as primeiras estatísticas de acidentes de trabalho no setor
portuário. Ainda nessa década, a partir de estudos realizados pelo escritório de
representação da FUNDACENTRO em Santos, foram elaboradas propostas consideradas
embrionárias em relação à NR-29.
Em 1990, pelo Decreto nº 99.534, é promulgada a Convenção nº 152 da OIT,
relativa à segurança e higiene dos trabalhos portuários, o que reforçou a necessidade
de normatização das condições de trabalho do setor.
Em 27.4.1995, pela Portaria nº 399, é criado o Grupo Técnico encarregado
da elaboração da Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Portuário,
a partir das propostas oriundas de diversos seminários realizados, com a
participação de profissionais das DRTs e da FUNDACENTRO, com comprovada
experiência técnica na área. Nesse mesmo ano foi publicada a primeira versão da
NR-29 e teve início ampla discussão sobre o tema, com a criação do Grupo de
Trabalho Tripartite – GTT. Esse grupo contou com a participação de representantes
de segmentos dos trabalhadores, de empresários e do Governo, bem como colaboração
da OIT e do GEMPO.
Do trabalho do GTT, resultou o texto da NR-29. A Portaria nº 53 manteve o
GTT para acompanhamento da implantação da NR-29.
A NR-29 e a segurança e saúde do trabalho nos portos serão objetos de manual
específico.
54
Secretaria de Inspeção do Trabalho
RESUMO DAS NOTAS TÉCNICAS E ENTENDIMENTOS
EMITIDOS PARA A INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTUÁRIO
APOSENTADORIA DO TRABALHADOR PORTUÁRIO
APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO
A inscrição no registro ou cadastro do trabalhador portuário extingue-se por
aposentadoria, se o benefício previdenciário foi concedido após 25.2.1993, data de
vigência da Lei nº 8.630/93. É relevante lembrar que tal extinção de inscrição decorre
tão-somente da aposentadoria como trabalhador portuário. O retorno do aposentado
à inscrição no cadastro está condicionada à existência de vaga e outras exigências
emanadas do OGMO.
APOSENTADORIA POR DOENÇA, ACIDENTE DE TRABALHO OU INVALIDEZ
Em qualquer dessas situações a inscrição no registro e no cadastro será mantida
enquanto perdurar tal condição, conforme depreende-se dos arts. 475 e 476 da CLT
combinados com art. 7º, inciso XXXIV, da Constituição Federal. No entanto, a
verificação de que trabalhador em tal situação continua constando de escala rodiziária
ensejará infração ao art. 1º da Lei nº 9.719/98.
APOSENTADORIA ESPECIAL
O retorno do portuário em aposentadoria especial (regida pela Lei nº 8.213/
91 e pelo Decreto nº 3.048/99) fica obstado pela própria natureza do benefício, o
que foi gerado pelo exercício do trabalho em presença de agentes nocivos, ou seja, as
condições insalubres ou perigosas daquela atividade. É bom lembrar que tal óbice
só é aplicável às aposentadorias especiais ocorridas após 24.4.95, data da vigência da
Lei nº 9.032/95, que alterou a Lei nº 8.213/91. Não obstante, se o trabalhador optar
pelo cancelamento do benefício (ver disposições da OS Conjunta nº 98 de 9.6.99)
poderá reingressar no sistema, nas mesmas condições do trabalhador aposentado
por tempo de serviço.
EXERCÍCIO DE ATIVIDADES ESTRANHAS AO GERENCIAMENTO DO
TRABALHO PORTUÁRIO PELO OGMO
As disposições do art. 25 da Lei nº 8.630/93 vedam a prestação de serviços a
terceiros ou o exercício de qualquer atividade não vinculada à gestão da mão-de55
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
obra do trabalhador portuário elencado na supracitada lei. Assim, inviável e irregular
o fornecimento e gerenciamento pelo OGMO de trabalhadores das categorias
profissionais de amarradores, carregadores de bagagem, ensacadores e outras não
previstas na lei mencionada. Na mesma linha de raciocínio, é irregular o atendimento
de requisições de trabalhadores portuários avulsos para o exercício de atividade
não-enquadrada como operação portuária.
CONFERÊNCIA DE CARGA E DESCARGA VERSUS CONFERÊNCIA DE
CAPATAZIA
As atividades de conferência de carga e descarga e de conferência de capatazia
apesar de similares na forma não se confundem. A primeira é direcionada à movimentação
de mercadorias no embarque e desembarque do navio e se destina a validar
o manifesto de carga e propiciar a remuneração por produção dos trabalhadores
portuários. Enquanto a outra tem a ver com a responsabilidade do depositário da
mercadoria perante a Alfândega e o consignatário. Assim, até que seja implementada
a multifuncionalidade prevista no art. 57, §1º da Lei nº 8.630/93, o serviço previsto
no inciso III do § 3º do mesmo artigo é reserva legal dos trabalhadores portuários
oriundos da categoria de conferente de carga e descarga.
GUARDA PORTUÁRIA
Configura-se como atividade-fim da administração do porto (art. 33, § 1º,
inciso VIII, da Lei nº 8.630/93), e por não se confundir com a vigilância patrimonial
regulada na Lei nº 7.102/93, a Guarda Portuária deve ser organizada pela Autoridade
Portuária utilizando-se de pessoal próprio contratado a prazo indeterminado e regularmente
treinado e supervisionado.
INSCRIÇÃO NO REGISTRO DO OGMO DE TRABALHADORES DE
CAPATAZIA ORIUNDOS DA ADMINISTRAÇÃO PORTUÁRIA DESLIGADOS
POR ADESÃO A PDV
O art. 70 da Lei de Modernização dos Portos garantiu a inscrição no registro
do OGMO aos trabalhadores em capatazia demitidos sem justa causa após a sua
vigência. Aqueles que aderem a um PDV fazem-no voluntariamente, o que afasta a
figura da demissão sem justa causa, não tendo, portanto, o direito àquela inscrição.
Entretanto, pelo Parecer/CJ/MTb nº 001/97, de 9 de janeiro de 1997, aprovado
pelo Parecer/CJ/MTb nº 008/97, de 10 de janeiro de 1997, a Consultoria Jurídica
do então MTb entendeu que há o direito à inscrição no registro desses trabalhadores,
razão por que não se pode autuar o OGMO por inscrição irregular.
56
Secretaria de Inspeção do Trabalho
INTERCÂMBIO
Tem sido prática, mais ou menos generalizada, nos portos brasileiros o chamado
“intercâmbio”, que consiste na transferência temporária de trabalhadores de
um para outro porto. Entendemos viável o conceito do intercâmbio, haja vista o
item 22 da Recomendação nº 145 da OIT. Consideramos, porém, que essa possibilidade
deve constar em Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) envolvendo os sindicatos
de operadores e de trabalhadores dos portos que queiram permitir tal prática;
essa CCT teria caráter autorizativo e deveria estabelecer as condições gerais em que
poderia se dar o intercâmbio. A operacionalização do intercâmbio, sua oportunidade,
o número de vagas e os períodos, por se tratarem de matéria especificamente afeta à
administração da mão-de-obra, deveriam ser objeto de convênio entre os OGMOs
interessados.
CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DOS TRABALHADORES AVULSOS
A Contribuição Sindical dos trabalhadores avulsos corresponde a 1/30 (um
trinta avos) da remuneração percebida no mês de fevereiro (ou último mês trabalhado)
excluídas as parcelas referentes a férias e 13º salário. O desconto será efetuado em
março e o recolhimento em abril. Em não havendo trabalho em março, posterga-se
a retenção e o recolhimento para o primeiro mês em que houver trabalho.
ATUAÇÃO DE COOPERATIVA CONSTITUÍDA NOS TERMOS DO ART. 17
DA LEI Nº 8.630/93
Nos exatos termos dos arts. 16 e 17 da Lei nº 8.630/93, a cooperativa constituída
por trabalhadores registrados e pré-qualificados como operadores portuários
é titular e responsável pela coordenação e direção das operações que realizar. Assim,
deverá proceder a todos os trabalhos elencados no art. 26 da supracitada lei,
requisitando junto ao OGMO a mão-de-obra complementar que julgar necessária.
A prestação de serviços efetivada por cooperativa ou cooperado a outro operador
portuário/tomador de mão-de-obra constitui fraude à Lei nº 8.630/93 e à CLT.
AGENTE DE NAVEGAÇÃO
O Agente de Navegação, nos termos dos arts. 6º e 13 da Lei nº 9.719/98, é
tomador de força de trabalho avulso na área do porto organizado, atuando
especialmente na requisição de vigias portuários para embarcações fundeadas e trabalhadores
de bloco. Nessas situações, cabe ao Agente de Navegação verificar a
presença de tais trabalhadores no local de trabalho, assim como repassar ao OGMO
os valores correspondentes a sua remuneração e respectivos encargos, no prazo de
24 horas após a prestação do serviço.
57
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
QUANTITATIVO DA REQUISIÇÃO
Salvo disposição expressa de Sentença Normativa, Acordo ou Convenção
Coletiva, o operador portuário/tomador de mão-de-obra deve requisitar ao OGMO
o número de trabalhadores que julgar necessário para a consecução da operação,
desde que não utilize trabalhadores estranhos ao sistema (não inscritos no OGMO)
na operação portuária.
COMPETÊNCIA DA AUTORIDADE PORTUÁRIA PARA AUTUAÇÃO
A competência da Autoridade Portuária no exercício de seu poder de polícia
na área do porto organizado não se confunde com a competência fiscalizatória das
demais autoridades nos portos. São esferas de competência distintas; assim, não
pode a administração portuária, com base nos arts. 37, inciso I, 39, inciso I e 44,
todos da Lei nº 8.630/93, aplicar penalidades em razão de infrações trabalhistas,
salvo se provocada pela autoridade da Inspeção do Trabalho.
REQUISIÇÃO DO CONSERTADOR
A atividade portuária de conserto de carga não pode ser exercida apenas por
ocasião da avaria da carga, uma vez que o trabalhador não pode permanecer à disposição
do operador portuário na expectativa da ocorrência de avaria sem ser remunerado.
O operador que desejar realizar o conserto da carga deverá requisitar os TPAs
que comporão as equipes de trabalho durante todo o tempo necessário para a realização
da operação.
CARREGADOR DE BAGAGENS
O carregador de bagagens não se confunde com o trabalhador portuário, não
sendo inscrito no OGMO. É responsável, quando solicitado, pelo transporte da
bagagem dos passageiros e tripulantes que embarquem ou desembarquem nos portos.
À movimentação de bagagens por meio de contêineres não se aplica a Lei nº
8.630/93 e nem é competência dos carregadores de bagagem que não possuem a
qualificação necessária.
LEGISLAÇÃO
61
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
LEI Nº 8.630, DE 25 DE FEVEREIRO DE 1993
Dispõe sobre o Regime Jurídico da Exploração dos
Portos Organizados e das Instalações Portuárias e dá
outras providências.
CAPÍTULO I
DA EXPLORAÇÃO DO PORTO E DAS OPERAÇÕES PORTUÁRIAS
Art. 1º Cabe à União explorar, diretamente ou mediante concessão, o porto
organizado.
§ 1º Para os efeitos desta Lei, consideram-se:
I – porto organizado: o construído e aparelhado para atender às necessidades
da navegação e da movimentação e armazenagem de mercadorias, concedido ou
explorado pela União, cujo tráfego e operações portuárias estejam sob a jurisdição
de uma autoridade portuária;
II – operação portuária: a de movimentação e armazenagem de mercadorias
destinadas ou provenientes de transporte aquaviário, realizada no porto organizado
por operadores portuários;
III – operador portuário: a pessoa jurídica pré-qualificada para a execução de
operação portuária na área do porto organizado;
IV – área do porto organizado: a compreendida pelas instalações portuárias,
quais sejam, ancoradouros, docas, cais, pontes e píeres de atracação e acostagem,
terrenos, armazéns, edificações e vias de circulação interna, bem como pela infraestrutura
de proteção e acesso aquaviário ao porto tais como guias-correntes, quebra-
mares, eclusas, canais, bacias de evolução e áreas de fundeio que devam ser
mantidas pela Administração do Porto, referida na Seção II do Capítulo VI desta
Lei;
V – instalação portuária de uso privativo: a explorada por pessoa jurídica de
direito público ou privado, dentro ou fora da área do porto, utilizada na movimentação
e/ou armazenagem de mercadorias destinadas ou provenientes de transporte
aquaviário.
§ 2º A concessão do porto organizado será sempre precedida de licitação realizada
de acordo com a lei que regulamenta o regime de concessão e permissão de
serviços públicos.
62
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Art. 2º A prestação de serviços por operadores portuários e a construção,
total ou parcial, conservação, reforma, ampliação, melhoramento e exploração de
instalações portuárias, dentro dos limites da área do porto organizado, serão realizadas
nos termos desta Lei.
Art. 3º Exercem suas funções no porto organizado, de forma integrada e harmônica,
a Administração do Porto, denominada autoridade portuária, e as autoridades
aduaneira, marítima, sanitária, de saúde e de polícia marítima.
CAPÍTULO II
DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS
Art. 4º Fica assegurado ao interessado o direito de construir, reformar, ampliar,
melhorar, arrendar e explorar instalação portuária, dependendo:
I – de contrato de arrendamento, celebrado com a União, no caso de exploração
direta, ou com sua concessionária, sempre por meio de licitação, quando localizada
dentro dos limites da área do porto organizado;
II – de autorização do ministério competente, quando se tratar de terminal de
uso privativo, desde que fora da área do porto organizado, ou quando o interessado
for titular do domínio útil do terreno, mesmo que situado dentro da área do porto
organizado.
§ 1º A celebração do contrato e a autorização a que se referem os incisos I e II
deste artigo devem ser precedidas de consulta à autoridade aduaneira e ao poder
público municipal e de aprovação do Relatório de Impacto sobre o Meio Ambiente
– RIMA.
§ 2º A exploração da instalação portuária de que trata este artigo far-se-á sob
uma das seguintes modalidades:
I – uso público;
II – uso privativo:
a) exclusivo, para movimentação de carga própria;
b) misto, para movimentação de carga própria e de terceiros.
§ 3º A exploração de instalação portuária de uso público fica restrita à área
do porto organizado.
§ 4º São cláusulas essenciais no contrato a que se refere o inciso I do caput
deste artigo, as relativas:
I – ao objeto, à área de prestação do serviço e ao prazo;
II – ao modo, forma e condições da exploração do serviço, com a indicação,
quando for o caso, de padrões de qualidade e de metas e prazos para o seu aperfeiçoamento;
63
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
III – aos critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros definidores da qualidade
do serviço;
IV – ao valor do contrato, nele compreendida a remuneração pelo uso da
infra-estrutura a ser utilizada ou posta à disposição da referida instalação, inclusive
a de proteção e acesso aquaviário;
V – à obrigação de execução das obras de construção, reforma, ampliação e
melhoramento, com a fixação dos respectivos cronogramas de execução físico e
financeiro;
VI – aos direitos e deveres dos usuários, com as obrigações correlatas do contrato
e as sanções respectivas;
VII – à reversão de bens aplicados no serviço;
VIII – aos direitos, garantias e obrigações do contratante e do contratado,
inclusive, quando for o caso, os relacionados com as previsíveis necessidades de
futuras suplementações, alterações e expansões do serviço e conseqüente modernização,
aperfeiçoamento e ampliação das instalações;
IX – à forma de fiscalização das instalações, dos equipamentos e dos métodos
e práticas de execução dos serviços;
X – às garantias para adequada execução do contrato;
XI – ao início, término e, se for o caso, às condições de prorrogação do contrato,
que poderá ser feita uma única vez, por prazo máximo igual ao originalmente
contratado, desde que prevista no edital de licitação e que o prazo total, incluído o
da prorrogação, não exceda a 50 anos;
XII – à responsabilidade do titular da instalação portuária pela inexecução ou
deficiente execução dos serviços;
XIII – às hipóteses de extinção do contrato;
XIV – à obrigatoriedade de prestação de informações de interesse da Administração
do Porto e das demais autoridades no porto, inclusive as de interesse específico
da Defesa Nacional, para efeitos de mobilização;
XV – à adoção e ao cumprimento das medidas necessárias à fiscalização
aduaneira de mercadorias, veículos e pessoas;
XVI – ao acesso, pelas autoridades do porto, às instalações portuárias;
XVII – às penalidades contratuais e sua forma de aplicação;
XVIII – ao foro.
§ 5º O disposto no inciso VI do parágrafo anterior somente se aplica aos
contratos para exploração de instalação portuária de uso público.
§ 6º Os investimentos realizados pela arrendatária de instalação portuária
localizada em terreno da União localizado na área do porto organizado reverterão à
64
Secretaria de Inspeção do Trabalho
União, observado o disposto na lei que regulamenta o regime de concessão e
permissão de serviços públicos.
Art. 5º O interessado na construção e exploração de instalação portuária dentro
dos limites da área do porto organizado deve requerer à Administração do Porto
a abertura da respectiva licitação.
§ 1º Indeferido o requerimento a que se refere o caput deste artigo cabe recurso,
no prazo de 15 dias, ao Conselho de Autoridade Portuária de que trata a Seção I
do Capítulo VI desta Lei.
§ 2º Mantido o indeferimento, cabe recurso, no prazo de 15 dias, ao ministério
competente.
§ 3º Na hipótese de o requerimento ou recurso não ser decidido nos prazos
de 30 e 60 dias, respectivamente, fica facultado ao interessado, a qualquer tempo,
considerá-lo indeferido, para fins de apresentação do recurso a que aludem os parágrafos
anteriores.
Art. 6º Para os fins do disposto no inciso II do art. 4º desta Lei, considera-se
autorização a delegação, por ato unilateral, feita pela União à pessoa jurídica que
demonstre capacidade para seu desempenho, por sua conta e risco.
§ 1º A autorização de que trata este artigo será formalizada mediante contrato
de adesão, que conterá as cláusulas a que se referem os incisos I, II, III, V, VII,
VIII, IX, X, XI, XII, XIV, XV, XVI, XVII e XVIII do § 4º do art. 4º desta Lei.
§ 2º Os contratos para movimentação de cargas de terceiros reger-se-ão,
exclusivamente, pelas normas de direito privado, sem participação ou responsabilidade
do poder público.
§ 3º As instalações de que trata o caput deste artigo ficarão sujeitas à fiscalização
das autoridades aduaneira, marítima, sanitária, de saúde e de polícia marítima.
Art. 7º (Vetado).
CAPÍTULO III
DO OPERADOR PORTUÁRIO
Art. 8º Cabe aos operadores portuários a realização das operações portuárias
previstas nesta Lei.
§ 1º É dispensável a intervenção de operadores portuários nas operações
portuárias:
I – que, por seus métodos de manipulação, suas características de automação
ou mecanização, não requeiram a utilização de mão-de-obra ou possam ser executadas
exclusivamente pela própria tripulação das embarcações;
65
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
II – de embarcações empregadas:
a) na execução de obras de serviços públicos nas vias aquáticas do País, seja
diretamente pelos poderes públicos, seja por intermédio de concessionários
ou empreiteiros;
b) no transporte de gêneros de pequena lavoura e da pesca, para abastecer
mercados de âmbito municipal;
c) na navegação interior e auxiliar;
d) no transporte de mercadorias líquidas a granel;
e) no transporte de mercadorias sólidas a granel, quando a carga ou descarga
for feita por aparelhos mecânicos automáticos, salvo quanto aos serviços
de rechego, quando necessários.
III – relativas a movimentação de:
a) cargas em área sobre controle militar, quando realizadas por pessoal militar
ou vinculado à organização militar;
b) materiais pelos estaleiros de construção e reparação naval;
c) peças sobressalentes, material de bordo, mantimentos e abastecimento de
embarcações.
IV – relativas ao abastecimento de aguada, combustíveis e lubrificantes para
navegação.
§ 2º Caso o interessado entenda ser necessário a utilização de mão-de-obra
complementar para execução das operações referidas no parágrafo anterior, deve
requisitá-la ao Órgão Gestor de Mão-de-Obra.
Art. 9º A pré-qualificação do operador portuário será efetuada junto à Administração
do Porto, na forma de norma publicada pelo Conselho de Autoridade
Portuária com exigências claras e objetivas.
§ 1º As normas de pré-qualificação referidas no caput deste artigo devem obedecer
aos princípios da legalidade, moralidade e igualdade de oportunidade.
§ 2º A Administração do Porto terá 30 dias, contados do pedido do interessado,
para decidir.
§ 3º Considera-se pré-qualificada como operador portuário a Administração
do Porto.
Art. 10. A atividade de operador portuário obedece às normas do regulamento
do porto.
Art. 11. O operador portuário responde perante:
I – a Administração do Porto, pelos danos culposamente causados à infraestrutura,
às instalações e ao equipamento de que a mesma seja a titular ou que,
sendo de propriedade de terceiro, se encontre a seu serviço ou sob sua guarda;
66
Secretaria de Inspeção do Trabalho
II – o proprietário ou consignatário da mercadoria, pelas perdas e danos que
ocorrem durante as operações que realizar ou em decorrência delas;
III – o armador, pelas avarias provocadas na embarcação ou na mercadoria
dada a transporte;
IV – o trabalhador portuário, pela remuneração dos serviços prestados e respectivos
encargos;
V – o Órgão local de Gestão de Mão-de-Obra do trabalho avulso, pelas contribuições
não recolhidas;
VI – os órgãos competentes, pelo recolhimento dos tributos incidentes sobre
o trabalho portuário avulso.
Art. 12. O operador portuário é responsável, perante a autoridade aduaneira,
pelas mercadorias sujeitas a controle aduaneiro, no período em que essas lhe estejam
confiadas ou quando tenha controle ou uso exclusivo de área do porto onde se
acham depositadas ou devam transitar.
Art. 13. Quando as mercadorias a que se referem o inciso II do art. 11 e o
artigo anterior desta Lei estiverem em área controlada pela Administração do Porto,
e após o seu recebimento, conforme definido pelo regulamento de exploração do
porto, a responsabilidade cabe à Administração do Porto.
Art. 14. O disposto nos artigos anteriores não prejudica a aplicação das demais
normas legais referentes ao transporte marítimo, inclusive as decorrentes de
convenções internacionais ratificadas, enquanto vincularem internacionalmente a
República Federativa do Brasil.
Art. 15. O serviço de movimentação de carga a bordo da embarcação deve
ser executado de acordo com a instrução de seu comandante ou de seus prepostos,
que serão responsáveis pela arrumação ou retirada da carga no que se refere à segurança
da embarcação, quer no porto, quer em viagem.
Art. 16. O operador portuário é titular e responsável pela direção e coordenação
das operações portuárias que efetuar.
Art. 17. Fica permitido às cooperativas formadas por trabalhadores portuários
avulsos, registrados de acordo com esta Lei, se estabelecerem como operadores portuários
para a exploração de instalações portuárias, dentro ou fora dos limites da
área do porto organizado.
CAPÍTULO IV
DA GESTÃO DE MÃO-DE-OBRA DO TRABALHO PORTUÁRIO AVULSO
Art. 18. Os operadores portuários devem constituir, em cada porto organizado,
um Órgão de Gestão de Mão-de-Obra do trabalho portuário, tendo como finalidade:
67
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
I – administrar o fornecimento da mão-de-obra do trabalhador portuário e
do trabalhador portuário avulso;
II – manter, com exclusividade, o cadastro do trabalhador portuário e o registro
do trabalhador portuário avulso;
III – promover o treinamento e a habilitação profissional do trabalhador
portuário, inscrevendo-o no cadastro;
IV – selecionar e registrar o trabalhador portuário avulso;
V – estabelecer o número de vagas, a forma e a periodicidade para acesso ao
registro do trabalhador portuário avulso;
VI – expedir os documentos de identificação do trabalhador portuário;
VII – arrecadar e repassar, aos respectivos beneficiários, os valores devidos
pelos operadores portuários, relativos à remuneração do trabalhador portuário avulso
e aos correspondentes encargos fiscais, sociais e previdenciários.
Parágrafo único. No caso de vir a ser celebrado contrato, acordo, ou convenção
coletiva de trabalho entre trabalhadores e tomadores de serviços, este precederá
o órgão gestor a que se refere o caput deste artigo e dispensará a sua intervenção nas
relações entre capital e trabalho, no porto.
Art. 19. Compete ao Órgão de Gestão de Mão-de-Obra do trabalho portuário
avulso:
I – aplicar, quando couber, normas disciplinares previstas em lei, contrato,
convenção ou acordo coletivo de trabalho, inclusive, no caso de transgressão disciplinar,
as seguintes penalidades:
a) repreensão verbal ou por escrito;
b) suspensão do registro pelo período de 10 a 30 dias;
c) cancelamento do registro;
II – promover a formação profissional e o treinamento multifuncional do
trabalhador portuário, bem assim programas de realocação e de incentivo ao cancelamento
do registro e de antecipação de aposentadoria;
III – arrecadar e repassar, aos respectivos beneficiários, contribuições destinadas
a incentivar o cancelamento do registro e a aposentadoria voluntária;
IV – arrecadar as contribuições destinadas ao custeio do órgão;
V – zelar pelas normas de saúde, higiene e segurança no trabalho portuário avulso;
VI – submeter à Administração do Porto e ao respectivo Conselho de Autoridade
Portuária propostas que visem à melhoria da operação portuária e à valorização
econômica do porto.
§ 1º O órgão não responde pelos prejuízos causados pelos trabalhadores portuários
avulsos aos tomadores dos seus serviços ou a terceiros.
68
Secretaria de Inspeção do Trabalho
§ 2º O órgão responde, solidariamente com os operadores portuários, pela
remuneração devida ao trabalhador portuário avulso.
§ 3º O órgão pode exigir dos operadores portuários, para atender à requisição
de trabalhadores portuários avulsos, prévia garantia dos respectivos pagamentos.
Art. 20. O exercício das atribuições previstas nos arts. 18 e 19 desta Lei, pelo
Órgão de Gestão de Mão-de-Obra do trabalho portuário avulso, não implica vínculo
empregatício com trabalhador portuário avulso.
Art. 21. O Órgão de Gestão de Mão-de-Obra pode ceder trabalhador portuário
avulso em caráter permanente ao operador portuário.
Art. 22. A gestão da mão-de-obra do trabalho portuário avulso deve observar
as normas do contrato, convenções ou acordo coletivo de trabalho.
Art. 23. Deve ser constituída, no âmbito do Órgão de Gestão de Mão-de-
Obra, Comissão Paritária para solucionar litígios decorrentes da aplicação das normas
a que se referem os arts. 18, 19 e 21 desta Lei.
§ 1º Em caso de impasse, as partes devem recorrer à arbitragem de ofertas
finais.
§ 2º Firmado o compromisso arbitral, não será admitida a desistência de qualquer
das partes.
§ 3º Os árbitros devem ser escolhidos de comum acordo entre as partes, e o
laudo arbitral proferido para solução da pendência possui força normativa, independentemente
de homologação judicial.
Art. 24. O Órgão de Gestão de Mão-de-Obra terá, obrigatoriamente, um Conselho
de Supervisão e uma Diretoria Executiva.
§ 1º O Conselho de Supervisão será composto por três membros titulares e
respectivos suplentes, sendo cada um dos seus membros e respectivos suplentes indicados
por cada um dos blocos a que se referem os incisos II a IV do art. 31 desta
Lei, e terá por competência:
I – deliberar sobre a matéria contida no inciso V do art. 18 desta Lei;
II – baixar as normas a que se refere o art. 28 desta Lei;
III – fiscalizar a gestão dos diretores, examinar, a qualquer tempo, os livros e
papéis do organismo, solicitar informações sobre quaisquer atos praticados pelos
diretores ou seus prepostos.
§ 2º A Diretoria Executiva será composta por um ou mais diretores, designados
e destitutíveis, a qualquer tempo, pelo bloco dos prestadores de serviços portuários
a que se refere o inciso II do art. 31 desta Lei, cujo prazo de gestão não será
superior a três anos, permitida a redesignação.
69
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
§ 3º Os membros do Conselho de Supervisão, até o máximo de 1/3 (um
terço), poderão ser designados para cargos de diretores.
§ 4º No silêncio do estatuto ou contrato social, competirá a qualquer diretor
a representação do organismo e a prática dos atos necessários ao seu funcionamento
regular.
Art. 25. O Órgão de Gestão de Mão-de-Obra é reputado de utilidade pública
e não pode ter fins lucrativos, sendo-lhe vedada a prestação de serviços a terceiros ou
o exercício de qualquer atividade não vinculada à gestão de mão-de-obra.
CAPÍTULO V
DO TRABALHO PORTUÁRIO
Art. 26. O trabalho portuário de capatazia, estiva, conferência de carga, conserto
de carga, bloco e vigilância de embarcações, nos portos organizados, será realizado
por trabalhadores portuários com vínculo empregatício a prazo indeterminado
e por trabalhadores portuários avulsos.
Parágrafo único. A contratação de trabalhadores portuários de estiva, conferência
de carga, conserto de carga e vigilância de embarcações com vínculo
empregatício a prazo indeterminado será feita, exclusivamente, dentre os trabalhadores
portuários avulsos registrados.
Art. 27. O Órgão de Gestão de Mão-de-Obra:
I – organizará e manterá cadastro de trabalhadores portuários habilitados ao
desempenho das atividades referidas no artigo anterior;
II – organizará e manterá o registro dos trabalhadores portuários avulsos.
§ 1º A inscrição no cadastro do trabalhador portuário dependerá, exclusivamente,
de prévia habilitação profissional do trabalhador interessado, mediante treinamento
realizado em entidade indicada pelo Órgão de Gestão de Mão-de-Obra.
§ 2º O ingresso no registro do trabalhador portuário avulso depende de prévia
seleção e respectiva inscrição no cadastro de que trata o inciso I deste artigo, obedecidas
a disponibilidade de vagas e a ordem cronológica de inscrição no cadastro.
§ 3º A inscrição no cadastro e o registro do trabalhador portuário extingue-se
por morte, aposentadoria ou cancelamento.
Art. 28. A seleção e o registro do trabalhador portuário avulso serão feitos
pelo Órgão de Gestão de Mão-de-Obra avulsa, de acordo com as normas que forem
estabelecidas em contrato, convenção ou acordo coletivo de trabalho.
Art. 29. A remuneração, a definição das funções, a composição dos ternos e
as demais condições do trabalho portuário avulso serão objeto de negociação entre
as entidades representativas dos trabalhadores portuários avulsos e dos operadores
portuários.
70
Secretaria de Inspeção do Trabalho
CAPÍTULO VI
DA ADMINISTRAÇÃO DO PORTO ORGANIZADO
SEÇÃO I
DO CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA
Art. 30. Será instituído, em cada porto organizado ou no âmbito de cada
concessão, um Conselho de Autoridade Portuária.
§ 1º Compete ao Conselho de Autoridade Portuária:
I – baixar o regulamento de exploração;
II – homologar o horário de funcionamento do porto;
III – opinar sobre a proposta de orçamento do porto;
IV – promover a racionalização e a otimização do uso das instalações portuárias;
V – fomentar a ação industrial e comercial do porto;
VI – zelar pelo cumprimento das normas de defesa da concorrência;
VII – desenvolver mecanismos para atração de cargas;
VIII – homologar os valores das tarifas portuárias;
IX – manifestar-se sobre os programas de obras, aquisições e melhoramentos
da infra-estrutura portuária;
X – aprovar o plano de desenvolvimento e zoneamento do porto;
XI – promover estudos objetivando compatibilizar o plano de desenvolvimento
do porto com os programas federais, estaduais e municipais de transporte em
suas diversas modalidades;
XII – assegurar o cumprimento das normas de proteção ao meio ambiente;
XIII – estimular a competitividade;
XIV – indicar um membro da classe empresarial e outro da classe trabalhadora
para compor o Conselho de Administração ou órgão equivalente da concessionária
do porto, se entidade sob controle estatal;
XV – baixar seu regimento interno;
XVI – pronunciar-se sobre outros assuntos de interesse do porto.
§ 2º Compete, ainda, ao Conselho de Autoridade Portuária estabelecer normas
visando ao aumento da produtividade e à redução dos custos das operações
portuárias, especialmente as de contêineres e do sistema roll-on/roll-off.
§ 3º O representante dos trabalhadores a que se refere o inciso XIV do § 1º
deste artigo será indicado pelo respectivo sindicato de trabalhadores em capatazia
com vínculo empregatício a prazo indeterminado.
71
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Art. 31. O Conselho de Autoridade Portuária será constituído pelos seguintes
blocos de membros titulares e respectivos suplentes:
I – bloco do poder público, sendo:
a) um representante do Governo Federal, que será o presidente do Conselho;
b) um representante do estado onde se localiza o porto;
c) um representante dos municípios onde se localiza o porto ou os portos
organizados abrangidos pela concessão.
II – bloco dos operadores portuários, sendo:
a) um representante da Administração do Porto;
b) um representante dos armadores;
c) um representante dos titulares de instalações portuárias privadas, localizadas
dentro dos limites da área do porto;
d) um representante dos demais operadores portuários.
III – bloco da classe dos trabalhadores portuários, sendo:
a) dois representantes dos trabalhadores portuários avulsos;
b) dois representantes dos demais trabalhadores portuários.
IV – bloco dos usuários dos serviços e afins, sendo:
a) dois representantes dos exportadores e importadores de mercadorias;
b) dois representantes dos proprietários e consignatários de mercadorias;
c) um representante dos terminais retroportuários.
§ 1º Para os efeitos do disposto neste artigo, os membros do Conselho serão
indicados:
I – pelo ministério competente, governadores de estado e prefeitos municipais,
no caso do inciso do caput deste artigo;
II – pelas entidades de classe das respectivas categorias profissionais e econômicas,
nos casos dos incisos II e III do caput deste artigo;
III – pela Associação de Comércio Exterior (AEB), no caso do inciso IV,
alínea “a” do caput deste artigo;
IV – pelas associações comerciais locais, no caso do inciso IV, alínea “b” do
caput deste artigo.
§ 2º Os membros do Conselho serão designados pelo ministério competente
para um mandato de dois anos, podendo ser reconduzidos por igual ou iguais períodos.
§ 3º Os membros do Conselho não serão remunerados, considerando-se de
relevante interesse público os serviços prestados.
72
Secretaria de Inspeção do Trabalho
§ 4º As deliberações do Conselho serão tomadas de acordo com as seguintes
regras:
I – cada bloco terá direito a um voto;
II – O presidente do Conselho terá voto de qualidade.
§ 5º As deliberações do Conselho serão baixadas em ato do seu presidente.
Art. 32. Os Conselhos de Autoridade Portuária (CAPs) instituirão Centros
de Treinamento Profissional destinados à formação e aperfeiçoamento de pessoal
para o desempenho de cargos e o exercício de funções e ocupações peculiares às
operações portuárias e suas atividades correlatas.
SEÇÃO II
DA ADMINISTRAÇÃO DO PORTO ORGANIZADO
Art. 33. A Administração do Porto é exercida diretamente pela União ou
pela entidade concessionária do porto organizado.
§ 1º Compete à Administração do Porto, dentro dos limites da área do porto:
I – cumprir e fazer cumprir as leis, os regulamentos do serviço e as cláusulas
do contrato de concessão;
II – assegurar, ao comércio e à navegação, o gozo das vantagens decorrentes
do melhoramento e aparelhamento do porto;
III – pré-qualificar os operadores portuários;
IV – fixar os valores e arrecadar a tarifa portuária;
V – prestar apoio técnico e administrativo ao Conselho de Autoridade
Portuária e ao Órgão de Gestão de Mão-de-Obra;
VI – fiscalizar a execução ou executar as obras de construção, reforma, ampliação,
melhoramento e conservação das instalações portuárias, nelas compreendida a
infra-estrutura de proteção e de acesso aquaviário ao porto;
VII – fiscalizar as operações portuárias, zelando para que os serviços se realizem
com regularidade, eficiência, segurança e respeito ao meio ambiente;
VIII – adotar as medidas solicitadas pelas demais autoridades no porto, no
âmbito das respectivas competências;
IX – organizar e regulamentar a guarda portuária, a fim de prover a vigilância
e segurança do porto;
X – promover a remoção de embarcações ou cascos de embarcações que possam
prejudicar a navegação das embarcações que acessam o porto;
XI – autorizar, previamente ouvidas as demais autoridades do porto, a entrada
e a saída, inclusive a atracação e desatracação, o fundeio e o tráfego de embarca73
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
ção na área do porto, bem assim a movimentação de carga da referida embarcação,
ressalvada a intervenção da autoridade marítima na movimentação considerada
prioritária em situações de assistência e salvamento de embarcação;
XII – suspender operações portuárias que prejudiquem o bom funcionamento
do porto, ressalvados os aspectos de interesse da autoridade marítima responsável
pela segurança do tráfego aquaviário;
XIII – lavrar autos de infração e instaurar processos administrativos, aplicando
as penalidades previstas em lei, ressalvados os aspectos legais de competência da
União, de forma supletiva, para os fatos que serão investigados e julgados conjuntamente;
XIV – desincumbir-se dos trabalhos e exercer outras atribuições que lhes
forem cometidas pelo Conselho de Autoridade Portuária;
XV – estabelecer o horário de funcionamento no porto, bem como as jornadas
de trabalho no cais de uso público.
§ 2º O disposto no inciso XI do parágrafo anterior não se aplica à embarcação
militar que não esteja praticando comércio.
§ 3º A autoridade marítima responsável pela segurança do tráfego pode intervir
para assegurar ou garantir aos navios da Marinha do Brasil a prioridade para
atracação no porto.
§ 4º Para efeito do disposto no inciso XI deste artigo, as autoridades no porto
devem criar mecanismo permanente de coordenação e integração das respectivas
funções, com a finalidade de agilizar a fiscalização e a liberação das pessoas, embarcações
e mercadorias.
§ 5º Cabe à Administração do Porto, sob coordenação:
I – da autoridade marítima:
a) estabelecer, manter e operar o balizamento do canal de acesso e da bacia
de evolução do porto;
b) delimitar as áreas de fundeadouro, de fundeio para carga e descarga, de
inspeção sanitária e de polícia marítima, bem assim as destinadas a plataformas
e demais embarcações especiais, navios de guerra e submarinos,
navios em reparo ou aguardando atracação e navios com cargas inflamáveis
ou explosivas;
c) estabelecer e divulgar o calado máximo de operação dos navios, em função
dos levantamentos batimétricos efetuados sob sua responsabilidade;
d) estabelecer e divulgar o porte bruto máximo e as dimensões máximas dos
navios que irão trafegar, em função das limitações e características físicas
do cais do porto.
74
Secretaria de Inspeção do Trabalho
II – da autoridade aduaneira:
a) delimitar a área de alfandegamento do porto;
b) organizar e sinalizar os fluxos de mercadorias, veículos, unidades de cargas
e de pessoas, na área do porto.
Art. 34. É facultado o arrendamento, pela Administração do Porto, sempre
por meio de licitação de terrenos e instalações portuárias localizadas dentro da área
do porto, para utilização não-afeta às operações portuárias, desde que previamente
consultada a administração aduaneira.
SEÇÃO III
DA ADMINISTRAÇÃO ADUANEIRA NOS PORTOS ORGANIZADOS
Art. 35. A administração aduaneira, nos portos organizados, será exercida
nos termos da legislação específica.
Parágrafo único. A entrada ou saída de mercadorias procedentes ou destinadas
ao exterior somente poderá efetuar-se em portos ou terminais alfandegados.
Art. 36. Compete ao Ministério da Fazenda, por intermédio das repartições
aduaneiras:
I – cumprir e fazer cumprir a legislação que regula a entrada, a permanência
e a saída de quaisquer bens ou mercadorias do País;
II – fiscalizar a entrada, a permanência, a movimentação e a saída de pessoas,
veículos, unidades de carga e mercadorias, sem prejuízo das atribuições das outras
autoridades no porto;
III – exercer a vigilância aduaneira e promover a repressão ao contrabando, ao
descaminho e ao tráfego de drogas, sem prejuízo das atribuições de outros órgãos;
IV – arrecadar os tributos incidentes sobre o comércio exterior;
V – proceder ao despacho aduaneiro na importação e na exportação;
VI – apurar responsabilidade tributária decorrente da avaria, quebra ou falta
de mercadorias, em volumes sujeitos a controle aduaneiro;
VII – proceder à apreensão de mercadoria em situação irregular, nos termos
da legislação fiscal aplicável;
VIII – autorizar a remoção de mercadorias da área do porto para outros locais,
alfandegados ou não, nos casos e na forma prevista na legislação aduaneira;
IX – administrar a aplicação, às mercadorias importadas ou a exportar, de
regimes suspensivos, exonerativos ou devolutivos de tributos;
X – assegurar, no plano aduaneiro, o cumprimento de tratados, acordos ou
convenções internacionais;
75
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
XI – zelar pela observância da legislação aduaneira e pela defesa dos interesses
fazendários nacionais.
§ 1º O alfandegamento de portos organizados, pátios, armazéns, terminais e
outros locais destinados à movimentação e armazenagem de mercadorias importadas
ou destinadas à exportação, será efetuado após o cumprimento dos requisitos
previstos na legislação específica.
§ 2º No exercício de suas atribuições, a autoridade aduaneira terá livre acesso a
quaisquer dependências do porto e às embarcações atracadas ou não, bem como aos
locais onde se encontrem mercadorias procedentes do exterior ou a ele destinadas,
podendo, quando julgar necessário, requisitar papéis, livros e outros documentos,
inclusive, quando necessário, o apoio de força pública federal, estadual ou municipal.
CAPÍTULO VII
DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES
Art. 37. Constitui infração toda a ação ou omissão, voluntária ou involuntária,
que importe:
I – na realização de operações portuárias com infringência ao disposto nesta
Lei ou com inobservância dos regulamentos do porto;
II – na recusa, por parte do Órgão de Gestão de Mão-de-Obra, da distribuição
de trabalhadores a qualquer operador portuário, de forma não justificada;
III – na utilização de terrenos, área, equipamentos e instalações localizadas na
área do porto, com desvio de finalidade ou com desrespeito à lei ou aos regulamentos.
§ 1º Os regulamentos do porto não poderão definir infração ou cominar
penalidade que não esteja autorizada ou prevista em lei.
§ 2º Responde pela infração, conjunta ou isoladamente, qualquer pessoa física
ou jurídica que, intervindo na operação portuária, concorra para a sua prática ou
dela se beneficie.
Art. 38. As infrações estão sujeitas às seguintes penas, aplicáveis separada ou
cumulativamente, de acordo com a gravidade da falta:
I – advertência;
II – multa, de 100 (cem) até 20.000 (vinte mil) Unidades Fiscais de Referência
(UFIR);
III – proibição de ingresso na área do porto por período de 30 a 180 dias;
IV – suspensão da atividade de operador portuário, pelo período de 30 a 180
dias;
V – cancelamento do credenciamento do operador portuário.
76
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Art. 39. Compete à Administração do Porto:
I – determinar a pena ou as penas aplicáveis ao infrator ou a quem deva
responder pela infração, nos termos da lei;
II – fixar a quantidade da pena, respeitados os limites legais.
Art. 40. Apurando-se, no mesmo processo, a prática de duas ou mais infrações,
pela mesma pessoa física ou jurídica, aplicam-se, cumulativamente, as penas a
elas cominadas, se as infrações não forem idênticas.
§ 1º Quando se tratar de infração continuada em relação à qual tenham sido
lavrados diversos autos ou representações, serão eles reunidos em um só processo,
para imposição da pena.
§ 2º Considerar-se-ão continuadas as infrações quando se tratar de repetição
de falta ainda não apurada ou que seja objeto de processo, de cuja instauração o
infrator não tenha conhecimento, por meio de intimação.
Art. 41. Da decisão da Administração do Porto que aplicar a penalidade caberá
recurso voluntário, no prazo de 30 dias contados da intimação, para o conselho de
Autoridade Portuária, independentemente de garantia de instância.
Art. 42. Na falta de pagamento de multa no prazo de 30 dias a partir da
ciência, pelo infrator, da decisão final que impuser a penalidade, terá lugar o processo
de execução.
Art. 43. As importâncias pecuniárias resultantes da aplicação das multas previstas
nesta Lei reverterão para a Administração do Porto.
Art. 44. A aplicação das penalidades previstas nesta Lei, e seu cumprimento,
não prejudica, em caso algum, a aplicação das penas cominadas para o mesmo fato
pela legislação aplicável.
CAPÍTULO VII
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 45. O operador portuário não poderá locar ou tomar mão-de-obra sob o
regime de trabalho temporário (Lei nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974).
Art. 46. (Vetado).
CAPÍTULO VII
DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS
Art. 47. É fixado o prazo de 90 dias contados da publicação desta Lei para a
constituição dos Órgãos locais da Gestão da Mão-de-Obra do trabalho portuário
avulso.
77
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Parágrafo único. Enquanto não forem constituídos os referidos órgãos, suas
competências serão exercidas pela respectiva Administração do Porto.
Art. 48. Os atuais contratos de exploração de terminais ou embarcadores de
uso privativo deverão ser adaptados, no prazo de até 180 dias, à disposição desta Lei,
assegurado aos titulares o direito de opção por qualquer das formas de exploração
previstas no inciso II do § 2º do art. 4º desta Lei.
Art. 49. Na falta de contrato, convenção ou acordo coletivo de trabalho, deverá
ser criado o órgão gestor a que se refere o art. 18 desta Lei no nonagésimo dia
a contar da publicação desta Lei.
Art. 50. Fica o Poder Executivo autorizado a desmembrar as atuais concessões
para exploração de portos.
Art. 51. As administrações dos portos organizados devem adotar estruturas
de tarifas adequadas aos respectivos sistemas operacionais em substituição ao modelo
tarifário previsto no Decreto nº 24.508, de 29 de junho de 1934, e suas alterações.
Parágrafo único. As novas estruturas tarifárias deverão ser submetidas à apreciação
dos respectivos Conselhos de Autoridade Portuária, dentro do prazo de 60 dias.
Art. 52. A alíquota do Adicional de Tarifa Portuária (ATP) (Lei nº 7.700, de
21 de dezembro de 1988) é reduzida para:
I – em 1993, 40% (quarenta por cento);
II – em 1994, 30% (trinta por cento);
III – em 1995, 20% (vinte por cento).
§ 1º A partir do exercício de 1993, os recursos do ATP serão aplicados no
porto organizado que lhes deu origem, nos seguintes percentuais:
I – 30% (trinta por cento) em 1993;
II – 40% (quarenta por cento) em 1994;
III – 50% (cinqüenta por cento) em 1995;
IV – 60% (sessenta por cento) em 1996;
V – 70% (setenta por cento) a partir do exercício de 1997.
§ 2º O ATP não incide sobre operações portuárias realizadas com mercadorias
movimentadas em instalações portuárias localizadas fora da área do porto organizado.
Art. 53. O Poder Executivo promoverá, no prazo de 180 dias, a adaptação
das atuais concessões, permissões e autorizações às disposições desta Lei.
Art. 54. É assegurada a inscrição no cadastro de que trata o inciso I do art. 27
desta Lei aos atuais integrantes de forças supletivas que, matriculados, credenciados
ou registrados, complementam o trabalho dos efetivos.
78
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Art. 55. É assegurado o registro de que trata o inciso II do art. 27 desta Lei
aos atuais trabalhadores portuários avulsos matriculados, até 31 de dezembro de
1990, na forma da lei, junto aos órgãos competentes, desde que estejam
comprovadamente exercendo a atividade em caráter efetivo desde aquela data.
Parágrafo único. O disposto neste artigo não abrange os trabalhadores portuários
aposentados.
Art. 56. É facultado aos titulares de instalações portuárias de uso privativo a
contratação de trabalhadores a prazo indeterminado, observado o disposto no contrato,
convenção ou acordo coletivo de trabalho das respectivas categorias econômicas
preponderantes.
Parágrafo único. Para os efeitos do disposto neste artigo, as atuais instalações
portuárias de uso privativo devem manter, em caráter permanente, a atual proporção
entre trabalhadores com vínculo empregatício e trabalhadores avulsos.
Art. 57. No prazo de cinco anos contados a partir da publicação desta Lei, a
prestação de serviços por trabalhadores portuários deve buscar, progressivamente, a
multifuncionalidade do trabalho, visando adequá-lo aos modernos processos de
manipulação de cargas e aumentar a sua produtividade.
§ 1º Os contratos, as convenções e os acordos coletivos de trabalho deverão
estabelecer os processos de implantação progressiva da multifuncionalidade do trabalho
portuário de que trata o caput deste artigo.
§ 2º Para os efeitos do disposto neste artigo a multifuncionalidade deve abranger
as atividades de capatazia, estiva, conferência de carga, conserto de carga, vigilância
de embarcações e bloco.
§ 3º Considera-se:
I – capatazia: a atividade de movimentação de mercadorias nas instalações de
uso público, compreendendo o recebimento, conferência, transporte interno, abertura
de volumes para a conferência aduaneira, manipulação, arrumação e entrega,
bem como o carregamento e descarga de embarcações, quando efetuados por aparelhamento
portuário;
II – estiva: a atividade de movimentação de mercadorias nos conveses ou nos
porões das embarcações principais ou auxiliares, incluindo o transbordo, arrumação,
peação e despeação, bem como o carregamento e a descarga das mesmas, quando
realizados com equipamentos de bordo;
III – conferência de carga: a contagem de volumes, anotação de suas características,
procedência ou destino, verificação do estado das mercadorias, assistência à
pesagem, conferência do manifesto, e demais serviços correlatos nas operações de
carregamento e descarga de embarcações;
79
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
IV – conserto de carga: o reparo e restauração das embalagens de mercadorias,
nas operações de carregamento e descarga de embarcações, reembalagem, marcação,
remarcação, carimbagem, etiquetagem, abertura de volumes para vistoria e posterior
recomposição;
V – vigilância de embarcações: a atividade de fiscalização da entrada e saída
de pessoas a bordo das embarcações atracadas ou fundeadas ao largo, bem como da
movimentação de mercadorias nos portalós, rampas, porões, conveses, plataformas
e em outros locais da embarcação.
VI – bloco: a atividade de limpeza e conservação de embarcações mercantes e
de seus tanques, incluindo batimento de ferrugem, pintura, reparos de pequena
monta e serviços correlatos.
Art. 58. Fica facultado aos trabalhadores avulsos, registrados em decorrência
do disposto no art. 55 desta Lei, requererem ao Organismo local de Gestão de Mãode-
Obra, no prazo de até 1 (um) ano contado do início da vigência do adicional a
que se refere o art. 61, o cancelamento do respectivo registro profissional.
Parágrafo único. O Poder Executivo poderá antecipar o início do prazo estabelecido
neste artigo.
Art. 59. É assegurada aos trabalhadores portuários avulsos que requeiram o
cancelamento do registro nos termos do artigo anterior:
I – indenização correspondente a Cr$50.000.000,00 (cinqüenta milhões de
cruzeiros), a ser paga de acordo com as disponibilidades do Fundo previsto no art. 64
desta Lei;
II – o saque do saldo de suas contas vinculadas do FGTS, de que dispõe a Lei
nº 8.036, de 11 de maio de 1990.
§ 1º O valor da indenização de que trata o inciso I deste artigo será corrigido
monetariamente, a partir de julho de 1992, pela variação mensal do Índice de Reajuste
do Salário-Mínimo (IRSM), publicado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
(IBGE).
§ 2º O cancelamento do registro somente surtirá efeito a partir do recebimento,
pelo trabalhador portuário avulso, da indenização.
§ 3º A indenização de que trata este artigo é isenta de tributos da competência
da União.
Art. 60. O trabalhador portuário avulso que tenha requerido o cancelamento do
registro nos termos do art. 58 desta Lei, para constituir sociedade comercial, cujo objeto
seja o exercício da atividade de operador portuário, terá direito à complementação de
sua indenização, no valor correspondente a Cr$12.000.000,00 (doze milhões de cruzeiros),
corrigidos na forma do disposto do § 1º do artigo anterior, mediante prévia comprovação
da subscrição de capital mínimo equivalente ao valor total a que faça jus.
80
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Art. 61. É criado o Adicional de Indenização do Trabalhador Portuário Avulso
– AITP destinado a atender aos encargos de indenização pelo cancelamento do
registro do trabalhador portuário avulso nos termos desta Lei.
Parágrafo único. O AITP terá vigência pelo período de 4 (quatro) anos, contados
do início do exercício financeiro seguinte ao da publicação desta Lei.
Art. 62. O AITP é um adicional ao custo das operações de carga e descarga
realizadas com mercadorias importadas ou exportadas, objeto do comércio na navegação
de longo curso.
Art. 63. O adicional incide nas operações de embarque e desembarque de
mercadorias importadas ou exportadas por navegação de longo curso à razão de 0,7
(sete décimos) de UFIR por tonelada de granel sólido, 1,0 (uma) UFIR por tonelada
de granel líquido e 0,6 (seis décimos) de UFIR por tonelada de carga geral, solta ou
unitizada.
Art. 64. São isentas do AITP as operações realizadas com mercadorias movimentadas
no comércio interno, objeto de transporte fluvial, lacustre e de cabotagem.
Parágrafo único. Para os efeitos deste artigo, considera-se transporte fluvial,
lacustre e de cabotagem a ligação que tem origem e destino em porto brasileiro.
Art. 65. O AITP será recolhido pelos operadores portuários responsáveis pela
carga ou descarga das mercadorias até dez dias após a entrada da embarcação no
porto de carga ou descarga em agência do Banco do Brasil S/A, na praça de localização
do porto.
§ 1º Dentro do prazo previsto neste artigo, os operadores portuários deverão
apresentar à Receita Federal o comprovante do recolhimento do AITP.
§ 2º O atraso no recolhimento do AITP importará na inscrição do débito em
Dívida Ativa, para efeito de cobrança executiva, nos termos da legislação em vigor.
§ 3º Na cobrança executiva, a dívida fica sujeita à correção monetária, juros
de mora de 1% (um por cento) ao mês e multa de 20% (vinte por cento) sobre a
importância devida.
§ 4º Os órgãos da Receita Federal não darão seguimento a despachos de mercadorias
importadas ou exportadas, sem comprovação do pagamento do AITP.
Art. 66. O produto da arrecadação do AITP será recolhido ao fundo de que
trata o art. 67 desta Lei.
Art. 67. É criado o Fundo de Indenização do Trabalhador Portuário Avulso
(FITP), de natureza contábil, destinado a prover recursos para indenização do cancelamento
do registro do trabalhador portuário avulso, de que trata esta Lei.
§ 1º São recursos do Fundo:
81
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
I – o produto da arrecadação do AITP;
II – (vetado);
III – o produto do retorno das suas aplicações financeiras;
IV – a reversão dos saldos anuais não aplicados.
§ 2º Os recursos disponíveis do Fundo poderão ser aplicados em títulos
públicos federais ou em outras operações aprovadas pelo Ministro da Fazenda.
§ 3º O Fundo terá como gestor o Banco do Brasil S/A.
Art. 68. Para os efeitos previstos nesta Lei, os Órgãos locais de Gestão de
Mão-de-Obra informarão ao gestor do Fundo o nome e a qualificação do beneficiário
da indenização, bem assim a data do requerimento a que se refere o art. 58 desta Lei.
Art. 69. As administrações dos portos organizados estabelecerão planos de
incentivo financeiro para o desligamento voluntário de seus empregados, visando
ao ajustamento de seus quadros às medidas previstas nesta Lei.
Art. 70. É assegurado aos atuais trabalhadores portuários em capatazia, com
vínculo empregatício a prazo indeterminado, a inscrição no registro a que se refere
o inciso II do art. 27 desta Lei, em qualquer dos Órgãos locais de Gestão de Mão-de-
Obra, a sua livre escolha, no caso de demissão sem justa causa.
Art. 71. O registro de que trata o inciso II do caput do art. 27 desta Lei abrange
os atuais trabalhadores integrantes dos sindicatos de operários avulsos em capatazia,
bem como a atual categoria de arrumadores.
Art. 72. (Vetado).
Art. 73. O BNDES, por intermédio do FINAME, financiará, com prioridade,
os equipamentos portuários.
Art. 74. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 75. Ficam revogados, no prazo de 180 dias contados da publicação desta
Lei, os arts. 254 a 292 e o inciso VIII do art. 544 da Consolidação das Leis do
Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943.
Art. 76. Ficam revogados, também, os Decretos nº 24.324, de 1º de junho de
1934; 24.447, de 22 de junho de 1934; 24.508, de 29 de junho de 1934; 24.511, de 29
de junho de 1934; e 24.599, de 6 de junho de 1934; os Decretos-Lei nos 6.460, de 2 de
maio de 1944 e 8.439, de 24 de dezembro de 1945; as Leis nos 1.561, de 21 de fevereiro
de 1952; 2.162, de 4 de janeiro de 1954; 2.191, de 5 de março de 1954 e 4.127, de
27 de agosto de 1962; os Decretos-Lei nos 3, de 27 de janeiro de 1966; 5, de 4 de abril
de 1966; e 83, de 26 de dezembro de 1966; a Lei nº 5.480, de 10 de agosto de 1968; os
incisos VI e VII do art. 1º do Decreto-Lei nº 1.143, de 30 de dezembro de 1970; as
82
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Leis nos 6.222, de 10 de julho de 1975 e 6.914, de 27 de maio de 1981, bem como as
demais disposições em contrário.
Brasília, 25 de fevereiro de 1993, 172º da Independência e 105º da República.
ITAMAR FRANCO
Alberto Goldmann
Walter Barelli
83
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
LEI Nº 9.719, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998
Dispõe sobre normas e condições gerais de proteção ao
trabalho portuário, institui multas pela inobservância
de seus preceitos, e dá outras providências.
Faço saber que o Presidente da República adotou a Medida Provisória nº
1.728-19, de 1998, que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Antônio Carlos Magalhães,
Presidente, para os efeitos do disposto no parágrafo único do art. 62 da Constituição
Federal, promulgo a seguinte Lei:
Art.1º Observado o disposto nos arts. 18 e seu parágrafo único, 19 e seus §§
20, 21, 22, 25 e 27 e seus §§ 29, 47, 49 e 56 e seu parágrafo único, da Lei nº 8.630, de
25 de fevereiro de 1993, a mão-de-obra do trabalho portuário avulso deverá ser
requisitada ao Órgão Gestor de Mão-de-Obra.
Art.2º Para os fins previstos no art. 1º desta Lei:
I – cabe ao operador portuário recolher ao Órgão Gestor de Mão-de-Obra os
valores devidos pelos serviços executados, referentes à remuneração por navio, acrescidos
dos percentuais relativos a 13º salário, férias, Fundo de Garantia do Tempo de
Serviço – FGTS, encargos fiscais e previdenciários, no prazo de 24 horas da realização
do serviço, para viabilizar o pagamento ao trabalhador portuário avulso;
II – cabe ao Órgão Gestor de Mão-de-Obra efetuar o pagamento da remuneração
pelos serviços executados e das parcelas referentes a 13º salário e férias, diretamente
ao trabalhador portuário avulso.
§ 1º O pagamento da remuneração pelos serviços executados será feito no
prazo de 48 horas após o término do serviço.
§ 2º Para efeito do disposto no inciso II, o Órgão Gestor de Mão-de-Obra
depositará as parcelas referentes às férias e ao 13º salário, separadas e respectivamente,
em contas individuais vinculadas, a serem abertas e movimentadas às suas expensas,
especialmente para esse fim, em instituição bancária de sua livre escolha, sobre as
quais deverão incidir rendimentos mensais com base nos parâmetros fixados para
atualização dos saldos dos depósitos de poupança.
§ 3º Os depósitos a que se refere o parágrafo anterior serão efetuados no dia 2
do mês seguinte ao da prestação do serviço, prorrogado o prazo para o primeiro dia
útil subseqüente se o vencimento cair em dia em que não haja expediente bancário.
84
Secretaria de Inspeção do Trabalho
§ 4º O operador portuário e o Órgão Gestor de Mão-de-Obra são solidariamente
responsáveis pelo pagamento dos encargos trabalhistas, das contribuições
previdenciárias e demais obrigações, inclusive acessórias, devidas à Seguridade Social,
arrecadadas pelo Instituto Nacional do Seguro Social – INSS, vedada a invocação do
benefício de ordem.
§ 5º Os prazos previstos neste artigo podem ser alterados mediante convenção
coletiva firmada entre entidades sindicais representativas dos trabalhadores e operadores
portuários, observado o prazo legal para recolhimentos dos encargos fiscais,
trabalhistas e previdenciários.
§ 6º A liberação das parcelas referentes à 13º salário e férias, depositadas nas
contas individuais vinculadas, e o recolhimento do FGTS e dos encargos fiscais e
previdenciários serão efetuados conforme regulamentação do Poder Executivo.
Art. 3º O Órgão Gestor de Mão-de-Obra manterá o registro do trabalhador
portuário avulso que:
I – for cedido ao operador portuário para trabalhar em caráter permanente;
II – constituir ou se associar à cooperativa formada para se estabelecer como
operador portuário, na forma do art. 17 da Lei nº 8.630/93.
§ 1º Enquanto durar a cessão ou associação de que tratam os incisos I e II
deste artigo, o trabalhador deixará de concorrer à escala como avulso.
§ 2º É vedado ao Órgão Gestor de Mão-de-Obra ceder trabalhador portuário
avulso cadastrado a operador portuário, em caráter permanente.
Art. 4º É assegurado ao trabalhador portuário avulso cadastrado no Órgão
Gestor de Mão-de-Obra o direito de concorrer à escala diária complementando a
equipe de trabalho do quadro dos registrados.
Art. 5º A escalação do trabalhador portuário avulso, em sistema de rodízio,
será feita pelo Órgão Gestor de Mão-de-Obra.
Art. 6º Cabe ao operador portuário e ao Órgão Gestor de Mão-de-Obra verificar
a presença, no local de trabalho, dos trabalhadores constantes da escala diária.
Parágrafo único. Somente fará jus à remuneração o trabalhador avulso que,
constante da escala diária, estiver em efetivo serviço.
Art. 7º O Órgão Gestor de Mão-de-Obra deverá, quando exigido pela fiscalização
do Ministério do Trabalho e do INSS, exibir as listas de escalação diária dos
trabalhadores portuários avulsos, por operador portuário e por navio.
Parágrafo único. Caberá exclusivamente ao Órgão Gestor de Mão-de-Obra a
responsabilidade pela exatidão dos dados lançados nas listas diárias referidas no
caput deste artigo, assegurando que não haja preterição do trabalhador regularmente
registrado e simultaneidade na escalação.
85
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Art. 8º Na escalação diária do trabalhador portuário avulso deverá sempre
ser observado um intervalo mínimo de 11 horas consecutivas entre duas jornadas,
salvo em situações excepcionais, constantes de acordo ou convenção coletiva de
trabalho.
Art. 9º Compete ao Órgão Gestor de Mão-de-Obra, ao operador portuário e
ao empregador, conforme o caso, cumprir e fazer cumprir as normas concernentes
a saúde e segurança do trabalho portuário.
Parágrafo único. O Ministério do Trabalho estabelecerá as normas regulamentadoras
de que trata o caput deste artigo.
Art. 10. O descumprimento do disposto nesta Lei sujeitará o infrator às seguintes
multas:
I – de R$173,00 (cento e setenta e três reais) a R$1.730,00 (um mil, setecentos
e trinta reais), por infração ao caput do art. 7º;
II – de R$575,00 (quinhentos e setenta e cinco reais) a R$5.750,00 (cinco mil,
setecentos e cinqüenta reais), por infração às normas de segurança do trabalho portuário,
e de R$345,00 (trezentos e quarenta e cinco reais) a R$3.450,00 (três mil,
quatrocentos e cinqüenta reais), por infração às normas de saúde do trabalho, nos
termos do art. 9º;
III – de R$ 345,00 (trezentos e quarenta e cinco reais) a R$3.450,00 (três mil,
quatrocentos e cinqüenta reais), por trabalhador em situação irregular, por infração
ao parágrafo único do art. 7º e aos demais artigos.
Parágrafo único. As multas previstas neste artigo serão graduadas segundo a
natureza da infração, sua extensão e a intenção de quem a praticou, e aplicadas em
dobro em caso de reincidência, oposição à fiscalização e desacato à autoridade, sem
prejuízo das penalidades previstas na legislação previdenciária.
Art. 11. O descumprimento dos arts. 22, 25 e 28 da Lei nº 8.630/93, sujeitará
o infrator à multa prevista no inciso I, e o dos arts. 26 e 45 da mesma Lei à multa
prevista no inciso III do artigo anterior, sem prejuízo das demais sanções cabíveis.
Art. 12. O processo de autuação e imposição das multas previsto nesta Lei
obedecerá ao disposto no Título VII da Consolidação das Leis do Trabalho ou na
legislação previdenciária, conforme o caso.
Art. 13. Esta Lei também se aplica aos requisitantes de mão-de-obra de trabalhador
portuário avulso junto ao Órgão Gestor de Mão-de-Obra que não sejam
operadores portuários.
Art. 14. Compete ao Ministério do Trabalho e ao INSS a fiscalização da
observância das disposições contidas nesta Lei, devendo as autoridades, de que trata
o art. 3º da Lei nº 8.630/93, colaborar com os Agentes da Inspeção do Trabalho e
86
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Fiscais do INSS em sua ação fiscalizadora, nas instalações portuárias ou a bordo de
navios.
Art. 15. Ficam convalidados os atos praticados com base na Medida Provisória
nº 1.679-18, de 26 de outubro de 1998.
Art. 16. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 17. Revoga-se a Medida Provisória nº 1.679-18, de 26 de outubro de 1998.
Congresso Nacional, 27 de novembro de 1998; 177º da Independência e 110º
da República.
Senador ANTONIO CARLOS MAGALHÃES
Presidente
87
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
DECRETO Nº 1.467, DE 27 DE ABRIL DE 1995
Cria o Grupo Executivo para Modernização dos Portos.
O Presidente da República , no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,
inciso VI, da Constituição,
DECRETA:
Art. 1º Fica criado o Grupo Executivo para Modernização dos Portos
(GEMPO), com a finalidade de coordenar as providências necessárias à modernização
do Sistema Portuário Brasileiro, em especial a efetivação plena das disposições
estabelecidas pela Lei nº 8.630, de 25 de fevereiro de 1993.
Art. 2º Compete ao GEMPO:
I – elaborar, implementar e monitorar o Programa Integrado de Modernização
Portuária;
II – acelerar a implementação de medidas no sentido de descentralizar a execução
dos serviços portuários prestados pela União, na modalidade de concessão e
arrendamento, inclusive à iniciativa privada;
III – adotar providências que estabeleçam o novo ordenamento das relações
entre os trabalhadores e os usuários dos serviços portuários, obedecido o disposto
na Lei nº 8.630, de 1993;
IV – adotar medidas visando ao efetivo funcionamento dos Órgãos Gestores
de Mão-de-Obra e dos Conselhos de Autoridade Portuária, bem assim a racionalização
das estruturas e procedimentos das administrações portuárias;
V – propor os atos normativos que se fizerem necessários à implantação do
programa previsto no inciso I.
Art. 3º O GEMPO subordinar-se-á à Câmara de Políticas de Infra-Estrutura
e será integrado por um representante de cada ministério a seguir indicado:
I – dos Transportes;
II – do Trabalho;
III – da Fazenda;
IV – da Indústria, do Comércio e do Turismo;
V – da Marinha.
88
Secretaria de Inspeção do Trabalho
§ 1º Os titulares dos ministérios relacionados no caput deste artigo participarão
das reuniões da Câmara de Políticas de Infra-Estrutura em que a modernização
de portos estiver em pauta.
§ 2º Poderão ser convidados a participar dos trabalhos do GEMPO representantes
de outros órgãos ou de entidades públicas ou privadas.
§ 3º Os membros do GEMPO, e seus respectivos suplentes, serão designados
pelo Presidente da República, mediante proposta dos Ministros de Estado a que
estiverem subordinados.
§ 4º O Presidente da República nomeará, dentre os integrantes do grupo, o
Secretário-Executivo do GEMPO, o qual se reportará ao Presidente da Câmara de
Políticas de Infra-Estrutura.
§ 5º A Secretaria-Executiva do GEMPO funcionará dentro da estrutura
organizacional do ministério a que pertencer o seu Secretário-Executivo, ficando o
referido órgão encarregado do apoio técnico-administrativo que se fizer necessário.
§ 6º As funções de membro do GEMPO serão consideradas missão de serviço
relevante.
Art. 4º O GEMPO, no prazo de 30 dias, a contar da data de sua criação,
elaborará e encaminhará, para a aprovação do Ministro de Estado, Chefe da Casa
Civil da Presidência da República, regimento interno disciplinando o seu funcionamento.
Art. 5º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 27 de abril de 1995; 174º da Independência e 107º da República.
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Clóvis de Barros Carvalho
89
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
DECRETO Nº 1.574, DE 31 DE JULHO DE 1995
Promulga a Convenção nº 137, da Organização Internacional
do Trabalho, sobre as Repercussões Sociais dos Novos
Métodos de Manipulação de Cargas nos Portos, assinada em
Genebra, em 27 de junho de 1973.
O Presidente da República , no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,
inciso VIII, da Constituição, e
considerando que a Convenção nº 137, da Organização Internacional do Trabalho,
sobre as Repercussões Sociais dos Métodos de Manipulação de Cargas nos
Portos, foi assinada em Genebra, em 27 de junho de 1973;
considerando que a Convenção ora promulgada foi oportunamente submetida
ao Congresso Nacional, que a aprovou por meio do Decreto Legislativo nº 29, de
22 de dezembro de 1993, publicado no Diário Oficial da União de 23 de dezembro
de 1993;
considerando que a Convenção em tela entrou em vigor internacional em 24
de julho de 1975;
considerando que o governo brasileiro depositou a Carta de Ratificação do
instrumento multilateral em epígrafe, em 12 de agosto de 1994, e que o mesmo
passará a vigorar, para o Brasil, em 12 de agosto de 1995, na forma de seu art. 9º,
DECRETA:
Art. 1º A Convenção nº 137, da Organização Internacional do Trabalho,
sobre as Repercussões Sociais dos Novos Métodos de Manipulação de Cargas nos
Portos, assinada em Genebra, em 27 de junho de 1973, apensa por cópia a este
Decreto, deverá ser cumprida tão inteiramente como nela se contém.
Art. 2º O presente Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, em 31 de julho de 1995; 174º da Independência e 107º da República.
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Luiz Felipe Lampreia
90
Secretaria de Inspeção do Trabalho
CONVENÇÃO Nº 137
CONVENÇÃO REFERENTE ÀS REPERCUSSÕES SOCIAIS DOS NOVOS MÉTODOS
DE PROCESSAMENTO DE CARGA NOS PORTOS
Adotada em 25 de junho de 1973 e assinada em 27 de
junho de 1973, em Genebra
A Conferência -Geral da Organização Internacional do Trabalho,
convocada pelo Conselho Administrativo da Repartição Internacional do Trabalho,
em Genebra, onde se reuniu em 6 de junho de 1973, em sua Quinqüagésima-
Oitava Sessão;
considerando que os métodos de processamento de carga nos portos se modificaram
e continuam a se modificar – por exemplo, a adoção de unidades de carga,
a introdução de técnicas de transbordo horizontal (roll-on/roll-off), o aumento da
mecanização e automatização – enquanto que novas tendências aparecem no fluxo
das mercadorias, e que semelhantes modificações deverão ser ainda mais acentuadas
no futuro;
considerando que essas mudanças, ao acelerarem o transporte de carga e reduzirem
o tempo passado pelos navios nos portos e os custos dos transportes, podem beneficiar
a economia do país interessado, em geral, contribuir para elevar o nível de vida;
considerando que essas mudanças têm também repercussões consideráveis
sobre o nível de emprego nos portos e sobre as condições de trabalho e vida dos
portuários e que medidas deveriam ser adotadas para evitar ou reduzir os problemas
que decorrem das mesmas;
considerando que os portuários deveriam beneficiar-se das vantagens que representam
os novos métodos de processamento de carga e que, por conseguinte, o
estudo e a introdução desses métodos deveriam ser acompanhados da elaboração e
da adoção de disposições, tendo por finalidade a melhoria duradoura de sua situação,
por meios como a regularização do emprego, a estabilização da renda e por
outras medidas relativas às condições de vida e de trabalho dos interessados e à
segurança e higiene do trabalho;
depois de ter resolvido adotar diversas moções relativas às repercussões sociais
dos novos métodos de processamento de carga nos portos, que constituem o quinto
item da agenda da Sessão;
91
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
depois de ter resolvido que essas moções tomariam a forma de uma Convenção
Internacional, adota, neste vigésimo quinto dia de junho de mil novecentos e
setenta e três, a Convenção sobre o Trabalho Portuário, de 1973.
ART. 1º
1. A Convenção se aplica às pessoas que trabalham de modo regular como
portuários, e cuja principal fonte de renda anual provém desse trabalho.
2. Para os fins da presente Convenção, as expressões “portuários” e “trabalho
portuário” designam pessoas e atividades definidas como tais pela legislação ou a
prática nacionais. As organizações de empregadores e de trabalhadores interessadas
devem ser consultadas por ocasião da elaboração e da revisão dessas definições ou
serem a ela associadas de qualquer outra maneira; deverão, outrossim, ser levados
em conta os novos métodos de processamento de carga e suas repercussões sobre as
diversas tarefas dos portuários.
ART. 2º
1. Incumbe à política nacional estimular todos os setores interessados para que
assegurem aos portuários, na medida do possível, um emprego permanente ou regular.
2. Em todo caso, um mínimo de períodos de emprego ou um mínimo de
renda deve ser assegurado aos portuários, sendo que sua extensão e natureza dependerão
da situação econômica e social do país ou do porto de que se tratar.
ART. 3º
1. Registros serão estabelecidos e mantidos em dia para todas as categorias profissionais
de portuários na forma determinada pela legislação ou a prática nacionais.
2. Os portuários matriculados terão prioridade para a obtenção de trabalho
nos portos.
3. Os portuários matriculados deverão estar prontos para trabalhar de acordo
com o que for determinado pela legislação ou a prática nacionais.
ART. 4º
1. Os efetivos dos registros serão periodicamente revistos, a fim de fixá-los em
um nível que corresponda às necessidades do porto.
2. Quando uma redução dos efetivos de um registro se tornar necessária,
todas as medidas úteis serão tomadas, com a finalidade de prevenir ou atenuar os
efeitos prejudiciais aos portuários.
92
Secretaria de Inspeção do Trabalho
ART. 5º
Para obter dos novos métodos de processamento de carga o máximo de vantagens
sociais, incumbe à política nacional estimular os empregadores ou suas organizações,
por um lado, e as organizações de trabalhadores, por outro, a cooperarem
para a melhoria da eficiência do trabalho nos portos, com a participação, se for o
caso, das autoridades competentes.
ART. 6º
Os Membros farão com que as regras adequadas, referentes à segurança, higiene,
bem-estar e formação profissional dos trabalhadores, sejam aplicadas aos portuários.
ART. 7º
Exceto nos casos em que forem implementadas mediante convênios coletivos,
sentenças arbitrais ou qualquer outro modo conforme a prática nacional, as
disposições da presente Convenção deverão ser aplicadas pela legislação nacional.
ART. 8º
As ratificações formais da presente Convenção serão comunicadas ao Diretor-
Geral da Repartição Internacional do Trabalho e por ele registradas.
ART. 9º
1. A presente Convenção vinculará apenas os Membros da Organização Internacional
do Trabalho, cuja ratificação tenha sido registrada pelo Diretor-Geral.
2. A presente Convenção entrará em vigor 12 (doze) meses após terem sido
registradas, pelo Diretor-Geral, as ratificações de dois Membros.
3. Posteriormente, esta Convenção entrará em vigor, para cada Membro, 12
(doze) meses depois da data em que sua ratificação tiver sido registrada.
ART. 10.
1. Qualquer Membro que tenha ratificado a presente Convenção poderá
denunciá-la, ao expirar um período de 10 (dez) anos, após a data de entrada em
vigor inicial da Convenção, mediante um ato comunicado ao Diretor-Geral da
Repartição Internacional do Trabalho e por ele registrado. A denúncia só se tornará
efetiva 1 (um) ano após ter sido registrada.
93
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
2. Qualquer Membro que tenha ratificado a presente Convenção e que, no
prazo de 1 (um) ano, após expirar o período de 10 (dez) anos mencionado no parágrafo
anterior, não fizer uso da faculdade de denúncia, prevista pelo presente artigo,
ficará vinculado por um novo período de 10 (dez) anos e, posteriormente, poderá
denunciar a presente Convenção ao término de cada período de 10 (dez) anos, nas
condições previstas no presente artigo.
ART. 11.
1. O Diretor-Geral da Repartição Internacional do Trabalho notificará a todos
os Membros da Organização Internacional do Trabalho o registro de todas as ratificações
e denúncias que lhe sejam comunicadas pelos Membros da Organização.
2. Ao notificar os Membros da Organização do registro da segunda ratificação
que lhe tenha sido comunicada, o Diretor-Geral chamará a atenção dos Membros
da Organização sobre a data na qual a presente Convenção entrará em vigor.
ART. 12.
O Diretor-Geral da Repartição Internacional do Trabalho comunicará ao
Secretário-Geral das Nações Unidas, para fins de registro, de acordo com o art. 102
da Carta das Nações Unidas, informações completas a respeito de todas as ratificações
e atos de denúncia que tiverem sido registrados nos termos dos artigos precedentes.
ART. 13.
Cada vez que o julgar necessário, o Conselho Administrativo da Repartição
Internacional do Trabalho apresentará à Conferência-Geral um relatório sobre a
aplicação da presente Convenção, e examinará a conveniência de inscrever na agenda
da Conferência a questão de sua revisão total ou parcial.
ART. 14.
1. No caso de a Conferência adotar uma nova Convenção, com revisão total
ou parcial da presente, e a menos que a nova Convenção o determine de outra
maneira:
a) a ratificação, por um Membro, da nova Convenção revista acarretará de
pleno direito, não obstante o art. 10 acima, denúncia imediata da presente
Convenção, sob reserva de que a nova Convenção revista tenha entrado
em vigor;
b) a partir da data de entrada em vigor da nova Convenção revista, a presente
Convenção deixará de estar aberta à ratificação dos Membros.
94
Secretaria de Inspeção do Trabalho
2. A presente Convenção permanecerá em todo o caso em vigor, em sua
forma e teor, para os Membros que a tiverem ratificado e que não tenham ratificado
a Convenção revista.
ART. 15
As versões francesa e inglesa do texto da presente Convenção fazem igualmente
fé.
95
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
DECRETO Nº 1.596, DE 17 DE AGOSTO DE 1995
Autoriza a realização de levantamento dos trabalhadores
portuários em atividade e dá outras providências.
O Presidente da República, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,
inciso IV, da Constituição,
DECRETA:
Art. 1º Fica autorizada a realização de levantamento dos trabalhadores portuários
em atividade, com a finalidade de:
I – apoiar o planejamento do treinamento e da habilitação profissional do
trabalhador portuário, com vínculo empregatício e avulso;
II – fornecer subsídios à tomada de medidas que contribuam para o equilíbrio
social nas relações capital/trabalho, previstas na Lei nº 8.630, de 25 de fevereiro de
1993, e em face da modernização do processamento de cargas e do aumento da
produtividade nos portos;
III – fornecer elementos que possibilitem a fiscalização da atuação dos Órgãos
de Gestão de Mão-de-Obra.
IV – atender a outras necessidades consideradas essenciais ao planejamento
econômico e social;
V – identificar os trabalhadores portuários com vínculo empregatício e avulsos
em atividade, com vistas à divulgação das informações pertinentes ao preenchimento
das condições estabelecidas nos arts. 54, 55, 70 e 71 da Lei nº 8.630/93.
Art. 2º O levantamento a que se refere o artigo anterior terá início no dia 26
de setembro de 1995, e deverá estar concluído até o dia 29 de dezembro de 1995.
Art. 3º O levantamento será coordenado pelo Grupo Executivo de Modernização
dos Portos (GEMPO), criado pelo Decreto nº 1.467, de 27 de abril de 1995,
com apoio dos Ministérios dos Transportes, do Trabalho e da Marinha, e abrangerá
os trabalhadores portuários com vínculo empregatício e avulsos em atividade, conforme
definidos pela Lei nº 8.630/93.
§ 1º Para fins de dimensionamento do contigente total de mão-de-obra com
vínculo empregatício com as administrações dos Portos, serão levantados os trabalhadores
em capatazia e todos os demais com vínculo empregatício direto com as
administrações dos portos.
96
Secretaria de Inspeção do Trabalho
§ 2º Não serão levantados os empregados de terceiros que, por força de contrato
de trabalho, prestem serviços às administrações dos portos organizados.
Art. 4º Para execução do levantamento a que se refere o art. 1º deste Decreto,
ficam criadas a Comissão Nacional de Levantamento e as Comissões Locais de Levantamento,
sendo estas uma em cada porto organizado marítimo ou fluvial.
§ 1º A Comissão Nacional de Levantamento será presidida por um membro
do GEMPO, e nela terá direito à participação um representante de cada federação
de trabalhadores e operadores portuários.
§ 2º A Comissão Nacional de Levantamento será apoiada por equipe de técnicos
dos Ministérios dos Transportes, do Trabalho e da Marinha.
§ 3º Cada Comissão Local de Levantamento será presidida por um membro
do órgão local do Ministério do Trabalho, e nela terá direito à participação um
representante do sindicato dos trabalhadores que estiverem sendo levantados e um
representante do Sindicato dos Operadores Portuários.
§ 4º A Comissão Local de Levantamento contará com equipe de levantamento,
fornecida pelo Ministério da Marinha.
§ 5º Os membros das Comissões Nacional e Locais de Levantamento serão
designados pelo Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presidência da República,
observadas as indicações a que se refere o caput do art. 5º.
Art. 5º As federações e sindicatos de trabalhadores e operadores portuários
poderão indicar ao GENPO, no prazo de 20 dias, contados da data de publicação
deste Decreto, os seus representantes e respectivos suplentes nas Comissões Nacional
e Locais de Levantamento.
§ 1º As federações e sindicatos que não indicarem seus representantes na forma
do caput deste artigo perderão o direito de acompanhar os trabalhos do levantamento.
§ 2º As funções de membros das Comissões Nacional e Locais de Levantamento
serão consideradas serviço relevante e não serão remuneradas.
Art. 6º Os trabalhadores mencionados no caput e no § 1º do art. 3º deste
Decreto serão levantados por meio do Boletim de Atualização, que será preenchido
no ato do levantamento e assinado pelo presidente da Comissão Local de Levantamento
com o testemunho dos demais membros.
§ 1º As informações registradas no Boletim de Atualização deverão refletir
fielmente a situação do levantado em 31 de dezembro de 1990, em 25 de fevereiro de
1993 e na data do levantamento.
§ 2º O GEMPO deverá providenciar a publicação no Diário Oficial da União,
até 29 de janeiro de 1996, da relação dos trabalhadores portuários que comprovaram
o preenchimento dos requisitos estabelecidos na Lei nº 8.630/93.
97
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
§ 3º Uma via dos Boletins de Atualização, as atas, relações e demais documentos
relativos ao levantamento serão encaminhados, até 29 de janeiro de 1996, ao
órgão local do Ministério do Trabalho para arquivo.
Art. 7º Os trabalhadores portuários que se sentirem prejudicados terão o
direito de, individualmente ou por intermédio do respectivo sindicato, interpor recurso
administrativo ao órgão local do Ministério do Trabalho, no prazo de 30 dias
após a divulgação do resultado do levantamento no Diário Oficial da União.
Parágrafo único. Os recursos que eventualmente forem interpostos na forma do
caput deste artigo não terão efeito suspensivo quanto às disposições deste Decreto.
Art. 8º A regularização da situação dos trabalhadores portuários avulsos levantados
e não contemplados pelas disposições do § 2º do art. 6º deste Decreto será
objeto de negociação coletiva entre as entidades representativas dos trabalhadores
portuários avulsos e dos operadores portuários.
Parágrafo único. Na hipótese de impasse nas negociações, o assunto será decidido
por árbitro ou mediador, escolhido de comum acordo pelas partes ou, a pedido
destas, pelo Ministério do Trabalho.
Art. 9º Decorrido o prazo de 90 dias da data da divulgação dos resultados do
levantamento no Diário Oficial da União, fica vedado o exercício do trabalho portuário
avulso para trabalhadores não cadastrados e registrados no Órgão Gestor de
Mão-de-Obra.
Parágrafo único. Ficam excluídos da proibição de que trata o caput deste artigo
os trabalhadores selecionados, cadastrados e registrados de conformidade com as
condições pactuadas em contrato, acordo ou convenção coletiva de trabalho celebrado
entre as entidades sindicais representativas dos trabalhadores e dos tomadores
de serviço.
Art. 10. São documentos hábeis para comprovar as condições de matrícula,
registro, credenciamento e exercício das atividades previstas nos arts. 54, 55, 70 e 71
da Lei nº 8.630/93:
I – Carteira da Delegacia do Trabalho Marítimo;
II – Carteira de Identificação e Registro do Ministério da Marinha;
III – Carteira de Avulso expedida pela Delegacia Regional do Trabalho;
IV – Carteira de Trabalho e Previdência Social;
V – comprovante do sindicato quanto à data e ao número de cadastramento
na força supletiva;
VI – comprovante do sindicato quanto à data e ao número de registro no
quadro efetivo do sindicato;
VII – outros documentos comprobatórios.
98
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Art. 11. São documentos hábeis para comprovar a situação do trabalhador,
no que se refere ao exercício do trabalho portuário, três extratos do Fundo de Garantia
do Tempo de Serviço (FGTS) ou Relação de Trabalhadores Avulsos (RTA),
em cada ano do período de 1991 a 1995.
Art. 12. Será entregue ao trabalhador, a título de comprovante de comparecimento
ao levantamento, uma via do Boletim de Atualização devidamente certificado.
Art. 13. Compete ao Ministério da Marinha apoiar as equipes de levantamento,
referidas no § 4º do art. 4º, bem como processar os dados coletados e fornecer os
relatórios correspondentes.
Parágrafo único. As Comissões Locais de Levantamento funcionarão em dependências
das Administrações dos Portos Organizados, ou de outros órgãos da
Administração Pública Federal, conforme indicação do Ministério da Marinha.
Art. 14. As Comissões Nacional e Locais de Levantamento, no desempenho
de suas atribuições, poderão solicitar a colaboração de outros órgãos da Administração
Pública Federal e de entidades públicas e privadas.
Art. 15. Os Ministros de Estado Chefe da Casa Civil da Presidência da
República, da Marinha, do Trabalho e dos Transportes, mediante portaria
interministerial, baixarão as instruções complementares para execução do levantamento
a que se refere o art. 1º.
Art. 16. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 17 de agosto de 1995; 174º da Independência e 107º da República.
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Mauro César Rodrigues Pereira
Odacir Klein
Paulo Paiva
Clóvis de Barros Carvalho
99
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
DECRETO Nº 1.886, DE 29 DE ABRIL DE 1996
Regulamenta disposições da Lei nº 8630, de 25 de fevereiro
de 1993, e dá outras providências.
O Presidente da República, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,
incisos IV e VI, da Constituição, a tendo em vista o disposto nos arts. 18 a 25, 33, § 1º,
XI, 47 e 49 da Lei nº 8.630, de 25 de fevereiro de 1993.
DECRETA:
Art. 1º A partir de 2 de maio de 1996, a requisição da mão-de-obra do trabalho
portuário avulso só poderá ser realizada aos Órgãos de Gestão de Mão-de-Obra, salvo disposição
em contrário, pactuada em contrato, acordo ou convenção coletiva de trabalho.
§ 1º Para os fins previstos no caput deste artigo, cabe aos Órgãos de Gestão de
Mão-de-Obra arrecadar, aos respectivos beneficiários, os valores devidos pelos operadores
portuários relativos a remuneração do trabalho portuário avulso e providenciar o
recolhimento dos encargos fiscais, sociais e previdenciários correspondentes.
§ 2º O descumprimento das disposições deste artigo, pelas concessionárias ou
entidades delegadas do serviço público de exploração de portos marítimos, fluviais
e lacustres, caracteriza inflingências às normas dos contratos de concessão ou de
delegação, acarretando, respectivamente, a aplicação das penalidades cabíveis e a
revogação da delegação.
§ 3º No caso do operador portuário, o descumprimento das disposições desse
artigo acarretará a desqualificação do mesmo mediante revogação do ato administrativo
de pré-qualificação.
§ 4º O disposto neste artigo se aplica também aos titulares de instalações
portuárias, localizadas dentro ou fora da área dos portos organizados, que utilizam
a mão-de-obra do trabalhador portuário avulso, nos termos do parágrafo único do
art. 56. da Lei nº 8.630, de 25 de fevereiro de 1993.
Art. 2º Os Órgãos de Gestão de Mão-de-Obra deverão ter disponíveis, para o
uso da fiscalização do Ministério do Trabalho, as listas de escalação diária dos trabalhadores
portuários avulsos por tomadores da mão-de-obra e por navio.
§ 1º Caberá exclusivamente aos Órgãos de Gestão de Mão-de-Obra a responsabilidade
pela verificação da exatidão dos dados lançados nas listas referidas nesse
100
Secretaria de Inspeção do Trabalho
artigo, assegurando que não haja simultaneidade de escalação no mesmo turno de
trabalho.
§ 2º Os tomadores da mão-de-obra serão os responsáveis exclusivos pela verificação
da presença, no local de trabalho, dos trabalhadores constantes das listas de
escalação diária de cada navio.
Art. 3º A partir do dia 15 de junho de 1996, só poderão realizar operações
portuárias, conforme definidas no inciso II do § 1º do art. 1º da Lei nº 8.630, de 25
de fevereiro de 1993, os operadores portuários pré-qualificados pela Administração
do Porto, desde que se mantenham em dia com as suas contribuições para o Órgão
de Gestão de Mão-de-Obra e no recolhimento dos encargos sociais relativos ao trabalho
portuário avulso.
Art. 4º A partir de 1º de julho de 1996, somente serão escalados para prestação
do trabalho portuário avulso os trabalhadores que estejam devidamente
registrados ou cadastrados nos Órgãos locais de Gestão de Mão-de-Obra.
Art. 5º A partir da data estabelecida no artigo anterior, o ingresso de trabalhador
portuário avulso na área do porto organizado só será autorizada mediante a
apresentação de carteira de identificação expedida pelo Órgão local de Gestão de
Mão-de-Obra.
Parágrafo único. Cabe a Administração do Porto proceder à identificação dos
operadores portuários e seus prepostos, bem como das demais pessoas, por ocasião
do ingresso na área do porto organizado.
Art. 6º As autoridades aduaneira, marítima, sanitária, de saúde e de polícia
marítima ajustarão o despacho das mercadorias e embarcações e a concessão de
livre prática às disponibilidades da mão-de-obra.
Art. 7º Compete ao Ministério do Trabalho a fiscalização das condições gerais
do trabalho portuário adotando as medidas regulamentares previstas na hipótese de
descumprimento da legislação.
Art. 8º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília 29 de abril de 1996; 175º da Independência e 108º da República.
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
101
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
DECRETO Nº 1.912, DE 21 DE MAIO DE 1996
Dispõe sobre o alfandegamento de portos organizados
e instalações portuárias de uso público e de uso privativo
e dá outras providências.
O Presidente da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,
inciso IV , da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei nº 8.630, de 25 de
fevereiro de 1993,
DECRETA:
Art. 1º A Secretaria da Receita Federal poderá alfandegar:
I – portos organizados
II – instalações portuárias de uso público;
III – instalações portuárias de uso privativo localizadas dentro do porto organizado;
IV – instalações portuárias de uso privativo localizadas fora do porto localizado.
§ 1º O alfandegamento de que trata este artigo independente de abertura de
concorrência por parte da Secretaria da Receita Federal, mas somente será admitido,
nas hipóteses dos incisos I e II, quando houver sido observado o procedimento
licitatório, para a concessão de sua exploração, nos termos do § 2º do art. 1º e inciso
I do art. 4º da Lei nº 8.630, de 25 de janeiro de 1993.
§ 2º O alfandegamento somente será efetivado se houver disponibilidade de
recursos humanos e materiais, após definidas as condições de instalação dos órgãos
de fiscalização aduaneira e de infra-estrutura indispensável à segurança fiscal, e desde
que a empresa interessada assuma a condição de fiel depositário da mercadoria
sob sua guarda.
§ 3º Salvo no caso de que trata o § 6º desse artigo, o alfandegamento é subordinado
ao preenchimento pela empresa interessada dos seguintes requisitos, além de
outros que a Secretaria da Receita Federal venha a estabelecer:
a) comprovação da concessão, no caso de porto organizado, ou do direito de
construir, reformar, ampliar, melhorar, arrendar e explorar, em se tratando
de instalação portuária;
102
Secretaria de Inspeção do Trabalho
b) prévia habilitação ao tráfego internacional pelo Ministério dos Transportes;
c) pré-qualificação como operador portuário do responsável pela exploração
da instalação portuária de uso público;
§ 4º O alfandegamento poderá abranger a totalidade ou parte da área do porto
organizado ou da instalação portuária.
§ 5º Os pedidos de alfandegamento requeridos antes da vigência deste Decreto
deverão ajustar-se, se necessário, às exigências desse artigo no caso de 90 dias.
§ 6º Poderão, ainda, ser alfandegados silos ou tanques para armazenamento
de produtos a granel, localizados em áreas contíguas a porto organizado ou a instalações
portuárias, ligados a esses por tubulações, esteiras rolantes ou similares, instaladas
em caráter permanente.
§ 7º O alfandegamento de que trata o parágrafo anterior é subordinado à
comprovação do direito de construção e uso das tubulações, esteiras rolantes ou
similares, devendo ser observado também o disposto no §2º.
§ 8º O alfandegamento será revogado se, a qualquer tempo, a empresa interessada
deixar de preencher os requisitos previstos no §3º ou no §7º.
Art. 2º Os administradores de portos organizados, de instalações portuárias
de uso público ou de instalações portuárias de uso privativo, alfandegados anteriormente
à edição da Lei nº 8.630/93, deverão, nos termos deste Decreto, requerer
renovação de alfandegamento, no prazo de seis meses, a partir da data de sua publicação.
§1º Os pedidos de renovação de alfandegamento requeridos antes da vigência
deste Decreto deverão ajustar-se, se necessário, às exigências do artigo anterior, no
prazo de 90 dias.
§2º A não-apresentação do requerimento, no prazo estipulado neste artigo,
acarretará caducidade imediata do alfandegamento.
Art. 3º Os contratos de arrendamento de instalações portuárias de uso público
firmados antes da vigência da Lei nº 8.630/93, permanecerão válidos pelo prazo
de 24 meses, contado da data de publicação deste Decreto, de conformidade com o
disposto no §2º do art. 42 da Lei nº 8.987, de 13 de fevereiro de 1995.
§1º O Ministério dos Transportes publicará no Diário Oficial da União a
relação dos contratos de arrendamento celebrados nos termos deste artigo.
§2º Se, no prazo previsto nesse artigo, não tiver sido possível a realização de
licitação, o Ministério dos Transportes ou a Administração do Porto poderá prorrogálo
por período não superior a três anos.
§3º A vigência do alfandegamento das instalações portuárias de que trata esse
artigo corresponderá à do respectivo contrato.
103
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Art. 4º A título de ressarcimento das despesas administrativas decorrentes das
atividades extraordinárias da fiscalização aduaneira, aplica-se aos portos organizados
e instalações portuárias, a partir da data de publicação do ato de alfandegamento,
o disposto no art. 566 do Regulamento Aduaneiro, aprovado pelo Decreto nº 91.030,
de 5 de março de 1985, conforme previsto no art. 22 do Decreto-Lei nº 1.455, de 7
de abril de 1976.
Parágrafo único. Os portos organizados e instalações portuárias alfandegados
anteriormente à edição da Lei nº 8.630/93, que obtiverem a renovação do
alfandegamento nos termos do art. 2º, ficam dispensados do pagamento do ressarcimento,
pelo prazo de cinco anos, contado da citada data.
Art. 5º Compete ao Secretário da Receita Federal declarar o alfandegamento
de recintos de zona primária e zona secundária.
Art. 6º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 7º Revoga-se o inciso II do art. 7º do Regulamento Aduaneiro, aprovado
pelo Decreto nº 91.030, de 1985.
Brasília, 21 de maio de 1996; 175º da Independência e 108º da República
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Pedro Malan
104
Secretaria de Inspeção do Trabalho
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 31, DE 13 DE JULHO DE 2000
Estabelece procedimentos de arrecadação e fiscalização
das contribuições incidentes sobre a remuneração
dos trabalhadores portuários avulsos.
FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:
Constituição Federal, de 5.10.88;
Lei Complementar nº 84, de 18.1.96;
Lei nº 4.090, de 13.7.62;
Lei nº 5.085, de 27.8.66;
Lei nº 8.212, de 24.7.91;
Lei nº 8.630, de 25.2.93;
Lei nº 9.719, de 27.11.98;
Lei nº 9.876 de 26.11.99;
Decreto nº 80.271, de 1º.9.77;
Decreto nº 1.886, de 29.4.96;
Decreto nº 3.048, de 6.5.99;
Decreto nº 3.265, de 29.11.99.
A Diretoria Colegiada do Instituto Nacional do Seguro Social – INSS, no uso
da competência que lhe foi conferida pelo inciso III do art. 7º do Regimento Interno
do INSS, aprovado pela Portaria nº 6.247, de 28 de dezembro de 1999,
considerando as disposições do inciso I do art. 1º da Lei Complementar nº
84, de 18 de janeiro de 1996, produzindo efeitos até a vigência da Lei nº 9.876/99,
considerando as disposições contidas na Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991,
considerando as disposições contidas no inciso VII do art. 18 da Lei nº 8.630, de
25 de fevereiro de 1993, regulamentada pelo Decreto nº 1.886, de 29 de abril de 1996,
considerando as disposições contidas na Lei nº 9.719, de 27 de novembro de
1998,
considerando as disposições contidas art. 1º da Lei nº 9.876 de 26 de novembro
de 1999,
105
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
considerando as disposições contidas no Decreto nº 3.048, de 6 de maio de
1999 e alterações posteriores, e
considerando as peculiaridades na contratação e forma de remuneração dos
serviços dos trabalhadores portuários avulsos,
RESOLVE:
Art. 1º Determinar que a arrecadação e fiscalização das contribuições
previdenciárias, decorrentes da utilização de mão-de-obra de trabalhador portuário
avulso nos portos organizados e instalações portuárias de uso privativo, sejam realizadas
em consonância com os critérios e procedimentos estabelecidos neste ato.
CAPÍTULO I
DOS CONCEITOS
Art. 2º Considera-se para efeito desta instrução:
I – Operador Portuário: pessoa jurídica pré-qualificada junto à Administração
do Porto de acordo com as normas expedidas pelo Conselho de Autoridade
Portuária, para a execução da movimentação e armazenagem de mercadorias na
área do porto organizado;
II – Administração do Porto: exercida diretamente pela União ou entidade
concessionária, com as atribuições conferidas pelos arts. 33 e 34 da Lei nº 8.630/93.
III – Conselho de Autoridade Portuária: instituído em cada porto organizado
ou no âmbito de cada concessão, com as atribuições estabelecidas nos arts. 30 e 31
da Lei nº 8.630/93.
IV – Órgão de Gestão de Mão-de-Obra (OGMO): entidade civil de utilidade
pública, sem fins lucrativos, constituído pelos operadores portuários, em conformidade
com a Lei nº 8.630/93, com a finalidade de administrar o fornecimento de
mão-de-obra do trabalhador portuário avulso;
V – Trabalhador Portuário: pessoa física que presta serviço na área dos portos
organizados e instalações portuárias de uso privativo, podendo ser:
a) Trabalhador Portuário Avulso: trabalhador portuário devidamente registrado
(arts. 55, 70 e 71 da Lei nº 8.630/93) ou cadastrado (art. 54 da Lei nº
8.630/93) no OGMO, sem vínculo empregatício, que presta serviço de
movimentação e armazenagem de mercadoria a diversos operadores portuários
em atividades de capatazia, estiva, conferência de carga, conserto
de carga, vigilância de embarcações e serviços de bloco;
b) Trabalhador Portuário com Vínculo Empregatício a Prazo Indeterminado:
trabalhador portuário com registro no OGMO, cedido a operador
portuário em caráter permanente, e que nesta condição é considerado segurado
empregado, de acordo com o disposto na alínea “a” do inciso I do
106
Secretaria de Inspeção do Trabalho
art. 12 da Lei nº 8.212/91 e no art. 3º da Consolidação das Leis do Trabalho
(CLT);
VI – Estiva: atividade de movimentação de mercadorias nos conveses ou nos
porões das embarcações principais ou auxiliares, incluindo o transbordo, arrumação,
peação e despeação, bem como o carregamento e a descarga das mesmas, quando
realizados com equipamentos de bordo;
VII –
VIII –
IX – Conferência de Carga: contagem de volumes, anotação de suas características,
procedência ou destino, verificação do estado das mercadorias, assistência à
pesagem, conferência do manifesto e demais serviços correlatos nas operações de
carregamento e descarga de embarcações;
X – Conserto de Carga: reparo e restauração das embalagens de mercadorias
nas operações de carregamento e descarga de embarcações, reembalagem, marcação,
remarcação, carimbagem, etiquetagem, abertura de volumes para vistoria e posterior
recomposição;
XI – Vigilância de Embarcações: atividade de fiscalização da entrada e saída
de pessoas a bordo das embarcações atracadas ou fundeadas ao largo, bem como da
movimentação de mercadorias nos portalós, rampas, porões, conveses, plataformas
e em outros locais da embarcação;
XII – Bloco: atividade de limpeza e conservação de embarcações mercantes e
de seus tanques, incluindo batimento de ferrugem, pintura, reparos de pequena
monta e serviços correlatos;
XIII – Capatazia: atividade de movimentação de mercadorias nas instalações
de uso público, compreendendo o recebimento, conferência, transporte interno,
abertura de volumes para conferência aduaneira, manipulação, arrumação e entrega,
bem como o carregamento e descarga de embarcações, quando efetuados por
aparelhamento portuário;
XIV – Montante de Mão-de-Obra (MMO): remuneração paga, devida ou creditada
ao trabalhador portuário avulso em retribuição pelo serviço executado, compreendendo
o valor da produção ou diária e o valor correspondente ao Repouso
Semanal Remunerado(RSR), e sobre a qual serão calculados os valores de férias e
13º salário;
XV – Agência Marítima: empresa que representa os interesses dos armadores,
seja negociando os espaços dos porões dos navios, seja organizando as operações de
carga e descarga, ou, ainda, atendendo às necessidades de reparos e suprimento de
material de consumo dos navios e de seus tripulantes;
XVI – Área do Porto Organizado: área compreendida pelas instalações portuárias,
quais sejam: ancoradouros, docas, cais, pontes e píer de atracação e acostagem,
107
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
terrenos, armazéns, edificações e vias de circulação interna, bem como pela infraestrutura
de proteção e acesso aquaviário ao porto, tais como: guia-correntes, quebra-
mares, eclusas, canais, bacias de evolução e áreas de fundeio que devam ser
mantidas pela administração do porto;
XVII – Terminal ou Armazém Retroportuário: armazém ou pátio localizado
fora da área do porto organizado utilizado para armazenagem das cargas que serão
embarcadas ou que já foram liberadas dos navios e encontram-se à disposição de
seus proprietários;
XVIII – Cooperativa de Trabalhadores Avulsos: aquela constituída por trabalhadores
portuários avulsos registrados no OGMO, estabelecida como operador
portuário para exploração de instalação portuária, dentro ou fora dos limites da
área do porto organizado (art. 17 da Lei nº 8.630/93).
CAPÍTULO II
DAS RESPONSABILIDADES
TÍTULO I
DO OGMO
Art. 3º Cabe ao OGMO, observada a data de sua efetiva implementação em
cada porto:
I – administrar o fornecimento da mão-de-obra do trabalhador portuário avulso;
II – selecionar, registrar e cadastrar o trabalhador portuário avulso mantendo
com exclusividade o controle do mesmo, ficando, dessa maneira, formalizada a inscrição
do segurado perante à Previdência Social, prevista no art. 18 do Decreto nº
3.048/99;
III – escalar o trabalhador portuário avulso em sistema de rodízio;
IV – elaborar as listas de escalação diária dos trabalhadores portuários avulsos,
por operador portuário e por navio, assegurando que não haja preterição do
trabalhador regularmente registrado e simultaneidade na escalação, devendo exibilas
à fiscalização, quando solicitado;
V – verificar a presença, no local de trabalho, dos trabalhadores constantes da
escala;
VI – zelar pelas normas de saúde, higiene e segurança no trabalho portuário
avulso;
VII – confeccionar as folhas de pagamento do trabalhador portuário avulso;
VIII – efetuar o pagamento da remuneração pelos serviços executados e parcelas
referentes a 13º salário e férias ao trabalhador;
108
Secretaria de Inspeção do Trabalho
IX – pagar o salário-família devido ao trabalhador portuário avulso, mediante
convênio, incumbindo-se de demonstrá-lo na folha de pagamento correspondente
(§ 6º do art. 217 do Decreto nº 3.048/99);
X – arrecadar as contribuições previdenciárias devidas pelos operadores portuários
e descontar a parcela devida pelo trabalhador portuário avulso, repassandoas
à Previdência Social;
XI – prestar as informações para a Previdência Social em GFIP;
XII – enviar ao operador portuário cópia das Guias de Recolhimento do
Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social – GFIP,
das Guias da Previdência Social – GPS quitadas, bem como das Folhas de Pagamento
dos Trabalhadores Portuários Avulsos;
XIII – registrar, mensalmente, em títulos próprios de sua contabilidade, de
forma discriminada em contas individualizadas, as rubricas integrantes e não-integrantes
do salário de contribuição, bem como as contribuições descontadas do segurado
trabalhador portuário avulso e os totais recolhidos, por operador portuário;
XIV – exibir os Livros Diário e Razão, que serão exigidos pela fiscalização,
com os registros devidamente escriturados após 90 dias contados da ocorrência dos
fatos geradores das contribuições, devendo obrigatoriamente:
a) atender ao princípio contábil do regime de competência;
b) cumprir com os demais princípios fundamentais e normas legais e regulamentares
referentes à escrituração contábil.
XV – disponibilizar relação de códigos ou abreviaturas que identifiquem as
rubricas utilizadas na elaboração da folha de pagamento e na escrituração contábil.
Art. 4º A gestão da mão-de-obra do trabalho portuário avulso deve observar
as normas do contrato, convenção ou acordo coletivo de trabalho, na forma da lei.
Art. 5º O OGMO é equiparado à empresa em relação aos segurados que lhe
prestam serviços, devendo descontar as contribuições incidentes sobre as remunerações
de seus empregados, e recolhê-las juntamente com a contribuição patronal
incidente sobre a remuneração de todos os segurados a seu serviço.
Art. 6º A contribuição do OGMO destinada ao financiamento dos benefícios
concedidos em razão do grau de incidência de incapacidade laborativa, decorrente dos
riscos ambientais do trabalho, corresponde à aplicação da alíquota incidente sobre a
remuneração dos seus empregados, de acordo com sua atividade preponderante.
Parágrafo único. Considera-se preponderante a atividade que ocupa, no órgão
gestor, o maior número de segurados empregados nas atividades-fim, assim entendidas
as relacionadas no art. 3º desta Instrução.
109
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
TÍTULO II
DO OPERADOR PORTUÁRIO
Art. 7º O operador portuário responde perante:
I – o trabalhador portuário, pela remuneração dos serviços prestados e respectivos
encargos;
II – os órgãos competentes, pelo recolhimento dos tributos incidentes sobre o
trabalho portuário avulso.
Art. 8º Compete ao operador portuário o repasse ao OGMO do valor correspondente
à remuneração devida aos trabalhadores portuários avulsos, bem como
dos encargos sociais e previdenciários incidentes sobre a mesma.
Art. 9º Compete ao operador portuário, assim como ao OGMO, verificar a
presença dos trabalhadores constantes da escala no local de trabalho.
Art. 10. O operador portuário deverá exigir do OGMO cópia das Guias de
Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência
Social (GFIP), das Guias da Previdência Social (GPS) quitadas, bem como
das Folhas de Pagamento dos Trabalhadores Portuários Avulsos, para apresentação
quando solicitado pela fiscalização.
Art. 11. O operador portuário e o OGMO são solidariamente responsáveis
pela remuneração do trabalhador portuário avulso, pelo pagamento dos encargos
trabalhistas e das contribuições previdenciárias devidas à seguridade social e arrecadadas
pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), bem como em relação às
demais obrigações, inclusive acessórias, vedada a invocação do benefício de ordem.
Parágrafo único. Não se aplica a solidariedade prevista no caput deste artigo
em relação aos trabalhadores portuários avulsos cedidos em caráter permanente, na
forma estabelecida no art. 21 e no parágrafo único do art. 26 da Lei nº 8.630/93.
CAPÍTULO III
DAS CONTRIBUIÇÕES
TÍTULO I
SOBRE O MONTANTE DE MÃO-DE-OBRA (MMO)
Art. 12. A contribuição previdenciária patronal devida pelos operadores portuários
e recolhida pelo OGMO, na forma da lei, sobre o total da remuneração
paga, devida ou creditada a qualquer título, no decorrer do mês, aos trabalhadores
portuários avulsos (MMO) é de:
I – 15% (quinze por cento), a partir da competência 05/1996, e até a competência
02/2000, conforme Lei Complementar nº 84/96;
110
Secretaria de Inspeção do Trabalho
II – 20% (vinte por cento), a partir da competência 03/2000 (eficácia da Lei nº
9.876/99).
Art. 13. Além da contribuição do item anterior, são devidos pelos operadores
portuários e recolhidos pelo OGMO:
I – 3% (três por cento) CNAE 63.11-8 “Carga e Descarga” destinada ao financiamento
dos benefícios concedidos em razão do grau de incidência de incapacidade
laborativa decorrente dos riscos ambientais do trabalho incidente sobre a remuneração
descrita no caput do art. 12.
II – 5,2% (cinco inteiros e dois décimos percentuais) destinado a outras entidades
(FNDE, INCRA, DPC), incidente sobre a remuneração descrita no caput do art. 12.
TÍTULO II
SOBRE AS FÉRIAS E 13º SALÁRIO
Art. 14. As contribuições patronais, incidentes sobre os valores pagos, devidos
ou creditados, a título de férias e 13º salário dos trabalhadores portuários avulsos,
serão calculadas em percentuais idênticos aos previstos nos arts. 12 e 13 desta
Instrução.
TÍTULO III
DESCONTADAS DOS SEGURADOS
Art. 15. A contribuição devida pelo segurado trabalhador avulso é calculada
mediante a aplicação das alíquotas de 8, 9 e 11%, de acordo com as faixas salariais e
de forma não-cumulativa, sobre o seu salário de contribuição mensal.
§ 1º Para fins deste artigo, considera-se salário de contribuição mensal a remuneração
resultante da soma do MMO e férias.
§ 2º A alíquota é reduzida para remunerações até três salários-mínimos em
virtude da Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores
e de Créditos e de Direitos de Qualquer natureza Financeira CPMF (inciso II do
art. 17 da Lei nº 9.311/96 e Lei nº 9.539, de 12 de dezembro de 1997).
§ 3º Para efeito de enquadramento na faixa salarial e observância do limite
máximo de contribuição do segurado trabalhador avulso sobre o salário de contribuição
mensal, o OGMO fará controle contínuo de acordo com a prestação de
serviços, e consolidará, por trabalhador, as folhas de pagamento de todos os operadores
portuários, relativas às operações concluídas no mês.
Art. 16. A contribuição do segurado trabalhador portuário avulso sobre a remuneração
do 13º salário é calculada em separado, mediante a aplicação das alíquotas
do art. 15 desta Instrução até o limite máximo do salário de contribuição, devendo o
OGMO manter resumo mensal e acumulado por trabalhador portuário avulso.
111
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
CAPÍTULO IV
DOS PROCEDIMENTOS
Art. 17. Quando da necessidade de mão-de-obra, o operador portuário solicitará
ao OGMO os trabalhadores necessários à execução das operações portuárias.
Art. 18. O OGMO elaborará folha de pagamento dos trabalhadores avulsos,
encaminhando cópia ao operador portuário.
§ 1º As folhas de pagamento serão elaboradas por operador portuário e por
navio, com discriminação de nome, registro ou cadastro, cargo, função ou serviço
prestado, turnos em que trabalharam e remunerações pagas, devidas ou creditadas a
cada um dos trabalhadores e a correspondente totalização, conforme preceitua o
art. 225, § 10, do Decreto nº 3.048/99.
§ 2º As folhas de pagamento relativas às operações concluídas no mês anterior
serão consolidadas por operador portuário e por trabalhador portuário avulso, indicando,
com relação a estes, os respectivos números de registro ou cadastro, as datas dos
turnos trabalhados, as importâncias pagas e os valores das contribuições previdenciárias
retidas, conforme preceitua o art. 225, § 11, do Decreto nº 3.048/99.
Art. 19. Somente fará jus à remuneração o trabalhador avulso que, constante
da escala diária, estiver em efetivo serviço.
Art. 20. No prazo de 24 (vinte e quatro) horas após a realização do serviço, o
operador portuário repassará ao OGMO os valores devidos pelos serviços executados
e os encargos decorrentes, assim entendidos: os encargos previdenciários, o valor
relativo à remuneração de férias (11,12% do MMO) e o valor do 13º salário
(8,34% do MMO).
Parágrafo único. Os percentuais relativos à remuneração de férias e do 13º
salário poderão ser superiores aos referidos no caput deste artigo, em face da garantia
inserida nos incisos VIII e XVII do art. 7º da Constituição Federal de 1988.
Art. 21 No prazo de 48 (quarenta e oito) horas após o término do serviço, o
OGMO efetuará o pagamento da remuneração ao trabalhador portuário avulso.
Art. 22. Para cada trabalhador, o OGMO depositará as parcelas referentes às
férias e ao 13º salário, separadas e, respectivamente, em contas individuais vinculadas,
a serem abertas e movimentadas às suas expensas, especialmente para esse fim,
em instituição bancária de sua livre escolha, sobre as quais deverão incidir rendimentos
mensais com base nos parâmetros fixados para atualização dos saldos dos
depósitos de poupança.
Parágrafo único. Os depósitos a que se refere o caput deste artigo serão efetuados
no dia 2 do mês seguinte ao da prestação do serviço, prorrogado o prazo para o
112
Secretaria de Inspeção do Trabalho
primeiro dia útil subseqüente, se o vencimento cair em dia em que não haja expediente
bancário.
Art. 23. Os prazos previstos nos arts. 20, 21 e no parágrafo único do art. 22
podem ser alterados mediante convenção coletiva firmada entre entidades sindicais
representativas dos trabalhadores e operadores portuários, observado o prazo legal
para recolhimento dos encargos fiscais, trabalhistas e previdenciários.
CAPÍTULO V
DOS RECOLHIMENTOS
Art. 24. No prazo estabelecido pelo art. 30, inciso I, letra b, da Lei nº 8.212/
91, o OGMO procederá ao recolhimento de todas as contribuições previdenciárias
relativas ao trabalho portuário avulso.
Art. 25. O recolhimento das contribuições previdenciárias patronais relativas
à remuneração (MMO), às férias e ao 13º salário, será efetuado de forma consolidada
por operador portuário em Guia da Previdência Social (GPS), assim identificada:
Campo 1 – Razão Social do OGMO e do Operador Portuário
Campo 5 – CNPJ do OGMO
Art. 26. O recolhimento da contribuição retida dos segurados trabalhadores
avulsos será efetuado em GPS única para as contribuições devidas sobre a remuneração,
férias e 13º salário, com a seguinte identificação:
Campo 1 – Razão Social do OGMO
Campo 5 – CNPJ do OGMO
Art. 27. A partir de 01/99, o OGMO também é responsável pelo preenchimento
da GFIP, com dados relativos aos trabalhadores portuários avulsos, utilizando
FPAS 680, em que serão informados o somatório do MMO, das férias, do 13º
salário e da contribuição descontada dos segurados sobre essas rubricas, devendo
observar as instruções de preenchimento da mesma.
Art. 28. Constatado que os operadores estão realizando a compensação do
recolhimento da cota patronal (20%) no período de 09/89 a 04/96, em face do
reconhecimento da inconstitucionalidade da expressão “avulsos” contida no art. 3o,
inciso I, da Lei nº 7.787/89 e no art. 22, inciso I, da Lei nº 8.212/91, a fiscalização
deverá verificar a sua regularidade segundo a legislação previdenciária e o comando
da decisão judicial que a ampara, procedendo, se for o caso, ao lançamento do débito
dos valores compensados indevidamente.
113
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
CAPÍTULO VI
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 29. É obrigação do operador portuário descontar a contribuição
previdenciária incidente sobre as remunerações dos seus empregados, inclusive do
trabalhador portuário com vínculo empregatício a prazo indeterminado, recolhendo-
a juntamente com a contribuição patronal de todos os segurados que lhe prestem
serviços.
Parágrafo único. Somente poderá ser cedido, por prazo indeterminado, o trabalhador
portuário avulso registrado, e, enquanto perdurar essa situação, o trabalhador
deixará de concorrer à escala como avulso.
Art. 30. A cooperativa de trabalhadores portuários avulsos, definida no inciso
XVI do art. 2º desta Instrução, deverá pré-qualificar-se junto à Administração do
Porto (art. 9º da Lei nº 8.630/93) e atuará como qualquer outro operador portuário.
§ 1º O trabalhador, enquanto permanecer associado à cooperativa, deixará de
concorrer à escala como avulso.
§ 2º O trabalhador, na condição de associado à cooperativa, filia-se à Previdência
Social como autônomo.
Art. 31. Na falta do cumprimento das obrigações previdenciárias pelos operadores
portuários, a fiscalização deverá fazer a descrição dos fatos à autoridade
superior, que deverá oficiar a Administração do Porto organizado, para fins do disposto
no Capítulo VII da Lei nº 8.630/93, sem prejuízo, se for o caso, da lavratura
de auto de infração e lançamento de débito.
Art. 32. Cabe a lavratura de auto de infração por descumprimento, pelo
OGMO, dos dispositivos da legislação previdenciária e dos contidos na Lei nº 9.719/
98, destacando-se:
I – não-inscrição do trabalhador portuário avulso;
II – deixar de exibir as listas de escalação diária dos trabalhadores, por operador
portuário e por navio;
III – exibir a lista de escalação diária com dados incorretos.
Art. 33. Os operadores portuários e o OGMO estão dispensados da
obrigatoriedade da retenção prevista na Lei nº 9.711 de 20 de novembro de 1998
incidente sobre o valor dos serviços em relação às operações portuárias realizadas
nos termos desta Instrução.
Art. 34. É vedado ao operador portuário a opção pelo SIMPLES, nos termos
da Lei nº 9.317/96.
114
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Art. 35. O disposto nesta Instrução também se aplica aos requisitantes de
mão-de-obra de trabalhador portuário avulso junto ao OGMO, que não sejam operadores
portuários.
Art. 36. Os percentuais de contribuição para a Previdência Social, bem como
para as entidades e fundos (outras entidades), e a descrição de cada código FPAS
mencionado compõem Anexo a esta Instrução.
Art. 37. Esta Instrução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as
disposições em contrário relativas ao trabalhador avulso na área portuária.
CRÉSIO DE MATOS ROLIM
Diretor-Presidente
LUIZ ALBERTO LAZINHO
Diretor de Arrecadação
PAULO ROBERTO TANNUS FREITAS
Diretor de Administração
SEBASTIÃO FAUSTINO DE PAULA
Diretor de Benefícios
MARCOS MAIA JÚNIOR
Procurador-Geral
115
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
ANEXO A
CÓDIGO FPAS DISCRIMINATIVO
540
EMPRESA DE NAVEGAÇÃO MARÍTIMA, FLUVIAL OU
LACUSTRE – AGÊN C IA DE NAVEGAÇÃO – SERVIÇO
PORTUÁRIO – EMPRESA DE DRAGAGEM – EMPRESA
DE ADMINISTRAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE PORTOS
(inclusive operador portuário, em relação aos empregados
permanentes) – SERVIÇOS PORTUÁRIOS – ÓRGÃO DE
GESTÃO DE MÃO-DE-OBRA (em relação aos empregados
permanentes) – EMPRESA DE CAPTURA DE PESCADO
(inclusive armador de pesca, em relação aos empregados do
escritório e os envolvidos na atividade de captura de pescado).
680
TOMADOR DE SERVIÇO DE TRABALHADOR
AVULSO – contribuição sobre a remuneração de trabalhador
avulso vinculado à Diretoria de Portos e Costas.
TABELA DE CÓDIGOS E CONTRIBUIÇÕES
INSS TERCEIROS
FPAS Empregados Empresa FNDE INCRA DPC Total
Cod. Contr. % FPAS SAT 0001 0002 0128 0131
540 VAR 20% VAR 5,2% 0,2% 2,5% 5,2%
680 VAR 15% ou 20% * 3% 5,2% 0,2% 2,5% 5,2%
*15%: de 05/1996 a 02/2000
20%: de 03/2000 em diante
116
Secretaria de Inspeção do Trabalho
LEI Nº 4.637, DE 20 DE MAIO DE 1965
Dispõe sobre o exercício da profissão de carregador e
transportador de bagagens em portos do País, e dá outras
providências.
O Presidente da República:
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 1º O carregamento e transporte de bagagens de passageiros, desembarcados,
embarcados ou em trânsito nos portos organizados, serão feitos … VETADO
….. por profissionais, de preferência sindicalizados, matriculados nas Delegacias do
Trabalho Marítimo.
§ 1º Para efeito desta Lei, considera-se bagagem: mala, caixote, engradado lift-van,
quando trazidos por passageiros ou despachados como bagagem desacompanhada e
recolhida ou não ao Armazém de Bagagem e sujeito ou não à fiscalização aduaneira.
§ 2º O carregamento e transporte de bagagens, de que trata este artigo, compreendem
os serviços executados na plataforma externa dos armazéns, faixa de cais,
e a bordo dos navios, respeitadas as atribuições específicas do pessoal de estiva, nas
operações de carga e descarga de mercadorias.
§ 3º O disposto neste artigo não exclui o direito de passageiros, pessoalmente, e
sem o auxílio de outras pessoas, transportarem sua própria bagagem, …. VETADO ….
§ 4º Quanto à bagagem de cabine ou em local de acesso direto ao convés do
navio, o trabalho será exclusivo dos carregadores e transportadores de bagagens.
Art. 2º Os carregadores e transportadores de bagagens perceberão suas remunerações
pelos serviços prestados, …VETADO…
Art. 3º VETADO.
§ 1º VETADO.
§ 2º VETADO.
§ 3º O trabalho à noite, domingos e feriados será pago de conformidade com
o disposto no art. 262, § 4º, da Consolidação das Leis do Trabalho.
§ 4º Esta Lei não se aplica aos passageiros que embarquem em porto nacional,
e cujo destino seja outro porto nacional.
117
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Art. 4º As autoridades alfandegárias e portuárias permitirão a instalação de
guichês nos Armazéns de Bagagens ou nos locais de trabalho de sistema de arrecadação
sob a responsabilidade dos sindicatos, …VETADO…
Art. 5º Os armadores ou seus agentes deverão requisitar previamente do Sindicato
de classe os carregadores e transportadores de bagagens necessários para operarem
nos navios de passageiros que atracarem no porto, tanto nos embarques como
nos desembarques de bagagens.
Parágrafo único. A requisição prevista neste artigo não implicará quaisquer
ônus para os armadores.
Art. 6º Para matrícula prevista no art. 1º, além de outros, são requisitos essenciais:
a) atestado de bons antecedentes e folha corrida; b) atestado de saúde e robustez
física fornecido pelo IAPETC; c) atestado de vacina; d) prova de quitação com o
serviço militar; e) prova de saber ler e escrever; f) prova de idade não inferior a 18
(dezoito) anos e nem superior a 35 (trinta e cinco); g) Título de Eleitor; h) Carteira
Profissional do Trabalho.
Art. 7º O quadro profissional de carregador e transportador de bagagem nos
portos será fixado pela Delegacia do Trabalho Marítimo.
Art. 8º Haverá nas Delegacias de Trabalho Marítimo livro de matrícula dos
carregadores e transportadores de bagagens, no qual serão anotados nome, filiação,
nacionalidade, estado civil, residência, assim como averbação de toda a documentação
apresentada pelo carregador e transportador matriculados.
Art. 9º Os carregadores e transportadores de bagagens só poderão trabalhar
devidamente uniformizados e com seu número de ordem disposto em posição bem
visível.
Art. 10. Somente quando escalados para o serviço, deverão os carregadores e
transportadores de bagagens permanecer nos locais de trabalho.
Art. 11. Os carregadores e transportadores de bagagens são obrigados a trazerem
consigo, quando em serviço, sua identidade profissional.
Art. 12. Compete às Delegacias do Trabalho Marítimo fiscalizar o cumprimento
desta Lei, cabendo de suas decisões recursos, …VETADO… no prazo de 30
(trinta) dias.
Parágrafo único. Os recursos deverão ser encaminhados por intermédio da
Delegacia do Trabalho Marítimo, devidamente instruídos, podendo a autoridade recorrida,
no mesmo prazo, em face de novos fundamentos, reconsiderar sua decisão.
Art. 13. Os casos omissos serão resolvidos em primeira instância pelas Delegacias
do Trabalho Marítimo que, no âmbito da respectiva jurisdição, expedirão as
118
Secretaria de Inspeção do Trabalho
instruções necessárias ao cumprimento desta Lei, de conformidade com o disposto
no art. 10 do Decreto-Lei nº 3.348, de 12 de junho de 1941.
Art. 14. VETADO
Art. 15. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 16. Revogam-se as disposições em contrário.
Brasília, 20 de maio de 1965; 144º da Independência e 77º da República.
H. CASTELLO BRANCO
Octavio Gouveia de Bulhões
Juarez Távora
Arnaldo Sussekind
119
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 117, DE 6 DE OUTUBRO DE 1998
Dispõe sobre o tratamento tributário e os procedimentos
de controle aduaneiro aplicáveis aos bens de viajante.
O Secretário da Receita Federal, tendo em vista o disposto no art. 12, inciso
III, parágrafo único, e no art. 26 da Portaria nº 39, de 3 de fevereiro de 1995, alterada
pela Portaria nº 141, de 12 de abril de 1995, e na Portaria nº 371, de 29 de julho de
1985, do Ministério da Fazenda,
RESOLVE:
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
Art. 1º Os bens de viajante procedente do exterior ou a ele destinado serão
submetidos ao tratamento tributário e aos procedimentos aduaneiros estabelecidos
nesta Instrução Normativa.
Art. 2º Para os efeitos desta Instrução Normativa, entende-se por:
I – bagagem: os bens novos ou usados destinados a uso ou a consumo pessoal
do viajante, em compatibilidade com as circunstâncias de sua viagem;
II – bagagem acompanhada: a que o viajante portar consigo no mesmo meio
de transporte em que viaje, desde que não amparada por conhecimento de carga;
III – bagagem desacompanhada: a que chegar ao País, ou dele sair, amparada
por conhecimento de carga ou documento equivalente.
Parágrafo único. Incluem-se entre os bens de uso ou consumo pessoal aqueles
destinados à atividade profissional do viajante, bem como utilidades domésticas.
Art. 3º Estão excluídos do conceito de bagagem:
I – bens cuja quantidade, natureza ou variedade configure importação ou
exportação com fim comercial ou industrial.
II – automóveis, motocicletas, motonetas, bicicletas com motor, casas rodantes
e demais veículos terrestres;
III – aeronaves;
120
Secretaria de Inspeção do Trabalho
IV – embarcações de todo o tipo, motos aquáticas e similares, e motores para
embarcações;
V – cigarros e bebidas de fabricação brasileira, destinados à venda exclusivamente
no exterior;
VI – bebidas alcóolicas, fumo e seus sucedâneos manufaturados, quando se
tratar de viajante menor de dezoito anos; e
VII – bens adquiridos pelo viajante em loja franca, por ocasião de sua chegada
ao País.
TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL À BAGAGEM
NÃO-INCIDÊNCIA DE IMPOSTOS
Art. 4º Não incidirão impostos sobre os bens compreendidos no conceito de
bagagem:
I – de origem nacional;
II – de origem estrangeira:
a) comprovadamente saídos do País como bagagem, quando do seu retorno,
ainda que portados por terceiros, independentemente do prazo de permanência
no exterior e das razões de sua saída;
b) remetidos ao exterior, pelo viajante, para conserto, reparo ou restauração,
quando do seu retorno; e
c) enviados ao País, em razão de garantia, para substituição de outro anteriormente
trazido pelo viajante.
ISENÇÃO DE CARÁTER GERAL
Art. 5º A isenção aplicável aos bens que constituem bagagem de viajante
procedente do exterior abrange o imposto de importação e o Imposto sobre Produtos
Industrializados.
Art. 6º A bagagem acompanhada está isenta relativamente a:
I – livros, folhetos e periódicos;
OBS.: Os demais dispositivos desta Instrução Normativa, deixam de ser
publicados por não se referirem à movimentação de bagagem nos
portos.
121
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO
RECOMENDAÇÃO 145
RECOMENDAÇÕES SOBRE AS REPERCUSSÕES SOCIAIS DOS NOVOS
MÉTODOS DE PROCESSAMENTOS DE CARGA NOS PORTOS
A Organização Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada
em Genebra pelo Conselho Administrativo da Repartição Internacional do Trabalho,
e reunida na referida cidade a 6 de junho de 1973 em sua qüinquagésima oitava sessão;
Considerando que se produzem e continuam a produzir importantes mudanças
no método de processamento de cargas nos portos – por exemplo, a adoção de
unidades de carga, a introdução de técnica de transbordo horizontal (roll-on/roll-off) e
o aumento da mecanização de automação – e no movimento de mercadorias, e que, se
prevê que no futuro tais mudanças venham a adquirir ainda maior importância;
Considerando que as referidas mudanças, ao acelerar o transporte de cargas e
reduzir o tempo de estadia dos navios no porto e as custas do transporte, podem beneficiar
a economia do País em seu conjunto e contribuir para a elevação do nível de vida;
Considerando que tais mudanças têm também repercussões consideráveis sobre
o nível de emprego nos portos e as condições de trabalho e vida dos portuários
e que deveriam ser adotadas medidas para prevenir ou reduzir os problemas decorrentes
das mesmas;
Considerando que os portuários deveriam beneficiar-se com a introdução de
novos métodos de processamento de carga e que, por conseguinte, ao mesmo tempo
que se planeja e introduzem novos métodos, dever-se-ia planejar e adotar uma série
de medidas para melhorar de modo duradouro sua situação, tais como a regularização
do emprego e a estabilização da renda e outras medidas relativas às condições de
trabalho e vida e à segurança e higiene do trabalho portuário;
Depois de terem resolvido adotar diversas propostas relativas às repercussões
sociais dos novos métodos de processamento de carga nos portos, questão que constitui
o quinto item da agenda da reunião; e
Depois de terem resolvido que as referidas propostas tomem a forma de uma
Recomendação que completa a Convenção sobre o Trabalho Portuário de 1972, adota,
na data de vinte e cinco de junho de mil novecentos e noventa e três, a presente recomendação
que poderá ser citada com a Recomendação sobre o Trabalho Portuário de 1973:
122
Secretaria de Inspeção do Trabalho
I – CAMPO DE APLICAÇÃO E DEFINIÇÕES
1. Ressalvado o disposto no § 36, a presente Recomendação se aplica às pessoas
que dedicam de modo regular a um trabalho como portuário e cuja principal
fonte de renda anual provém desse trabalho.
2. Para os efeitos da presente Recomendação, as expressões “portuário” e “trabalho
portuário” designam as pessoas e as atividades definidas como tais pela legislação
ou a práticas nacionais. As organizações interessadas de empregadores e trabalhadores
devem ser consultadas por ocasião de tais definições e pedir-se-á sua contribuição
de uma ou de outra forma para elaboração ou revisão das mesmas; deverse-
iam assim mesmo levar em conta os novos métodos de processamento de carga e
seus efeitos sobre as diversas tarefas dos portuários.
II – REPERCUSSÕES DAS MUDANÇAS DOS MÉTODOS DE
PROCESSAMENTO DE CARGA
3. Em cada país, e eventualmente em cada porto, deveriam avaliar-se, de modo
regular e sistemático, as possíveis repercussões das mudanças dos métodos do
processamento de carga, particularmente nas oportunidades de emprego e condição
de trabalho dos portuários, assim como na estrutura de emprego nos portos; assim
mesmo, deveriam ser sistematicamente revisadas as medidas que resultem dessa avaliação
por órgãos aos quais pertençam representantes das organizações de trabalho e
de trabalhadores interessados, e, se fosse conveniente, das autoridades competentes.
4. A introdução de novos métodos de processamento de carga e as medidas
decorrentes deveriam ser coordenadas com os programas e políticas nacionais e
regionais de desenvolvimento de mão-de-obra.
5. Para os fins indicados nos §§ 3º e 4º, dever-se-ia compilar, de modo contínuo,
toda a informação pertinente e, em particular:
a) estatísticas relativas ao trânsito de carga pelos portos, com a indicação dos
métodos de processamento de carga utilizados;
b) gráficos que mostrem a procedência e o destino das principais correntes e
transportes de mercadorias, assim como os pontos de reunião e dispersão
de carga dos containeres e outras unidades de carga;
c) a avaliação das tendências futura, se possível, apresentadas de modo análogo;
d) previsões acerca da mão-de-obra necessária nos portos para manipular a
carga, levando em conta a evolução futura dos métodos de processamento
de carga e a procedência e destino das principais correntes de transportes
de mercadorias.
6. Na medida do possível, cada país deveria adotar as mudanças nos métodos
de processamento de carga mais convenientes à sua economia, levando-se em conta,
123
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
particularmente, a disponibilidade relativa de capitais – especialmente de divisas – ,
de mão-de-obra e de meios de transporte interno.
III – REGULARIZAÇÃO DO EMPREGO E DA RENDA
A. EMPREGO PERMANENTE OU REGULAR
7. Sendo possível, dever-se-ia assegurar aos portuários um emprego permanente
ou regular.
B. GARANTIAS DE EMPREGO OU DE RENDA
8.1. Nos casos em que não seja possível o emprego permanente ou regular,
dever-se-ia propiciar garantias de emprego ou de renda, ou ambas as coisas ao mesmo
tempo; a natureza ou amplitude de tais garantias dependerão da situação econômica
e social do País ou do porto do que se trata.
8.2. Entre essas garantias, poderiam ser incluídas uma ou várias das seguintes:
a) emprego durante um número combinado de horas ou turno por ano, por
mês ou por semana, ou em lugar, o pagamento correspondente;
b) indenização em dinheiro, mediante um sistema que não requeira contribuição
financeira dos trabalhadores, quando os portuários estiverem presentes
à chamada ou disponíveis de alguma outra forma para o trabalho,
sem conseguir ser admitidos ao mesmo;
c) indenizações de desemprego quando não haja trabalho.
9. Todos os interessados deveriam adotar medidas positivas para evitar que se
restringisse ao mínimo, na medida do possível, qualquer redução da força de trabalho,
sem prejuízo do desenvolvimento eficiente das operações portuárias.
10. Deveriam ser tomadas disposições adequadas para dar proteções financeiras
aos portuários no caso de redução inevitável da força de trabalho, tais como:
a) um seguro de desemprego ou outras formas de previdência social;
b) uma indenização por cessação da relação de trabalho ou outros tipos de
indenização pelos mesmos motivos, a cargo dos empregadores;
c) uma combinação de indenizações conforme o prevejam a legislação nacional
ou os contratos coletivos.
C. REGISTRO
11. Deveriam ser restabelecidos e mantidos em dia os registros para todas as
categorias de portuários na forma que determine a legislação ou práticas nacionais,
com a finalidade de:
124
Secretaria de Inspeção do Trabalho
a) evitar a utilização de mão-de-obra adicional quando o trabalho existente
não baste para proporcionar meios adequados de vida aos portuários;
b) pôr em prática planos de regularização do emprego e estabilização das
admissões e sistemas de distribuição de mão-de-obra nos portos.
12. O número de categorias especializadas deveria ser reduzido e deveriam ser
modificadas suas atribuições, à medida que estiver sendo modificada a natureza do
trabalho, e que um número mais elevado de trabalhadores se capacitem para efetuar
uma variedade maior de tarefas.
13. Deveria ser suprimida, quando possível, a distinção entre trabalho a bordo
e trabalho em terra, a fim de se conseguir uma maior possibilidade de intercâmbio
de mão-de-obra, maior flexibilidade na designação do trabalho e maior rendimento
das operações.
14. Quando não haja emprego permanente ou regular para todos os
trabalhadores portuários, os registros deveriam tomar as forma de:
a) um registro único, ou de
b) registros independentes para:
I) os trabalhadores com emprego mais ou menos regular,
II) os trabalhadores do grupo de reserva.
15. Não se deveria normalmente empregar como portuários aqueles que não
estivessem registrados como tais. Em casos excepcionais, quando todos os portuários
registrados estejam empregados, poder-se-ia contratar outros trabalhadores.
16. Os trabalhadores portuários registrados deveriam dar a conhecer que estão
disponíveis para o trabalho na forma que determina a legislação ou práticas
nacionais.
D. ACORDOS SOBRE O NÚMERO DE INSCRITOS NOS REGISTROS
17. O número de trabalhadores inscritos deveria ser revisados periodicamente
pelas partes interessadas, de modo que seu resultado seja adequado, mas não excessivo,
para satisfazer as necessidades do porto. Ao proceder a essas revisões, os
interessados deveriam levar em conta todos os fatores pertinentes, em particular os
fatores a longo prazo, como as mudanças do método do processamento de cargas e
das correntes comerciais.
18.1) Quando diminuir a demanda de determinadas categorias de portuários
deveria ser feito todo o possível para manter esses trabalhadores nos empregos da
indústria portuária, dando-lhes a necessária oportunidade de readaptação profissional
para trabalhar em outras categorias; essa readaptação deveria ser facilitada com
suficiente antecedência, em qualquer mudança prevista nos métodos de trabalho.
125
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
18.2) Se fosse inevitável reduzir o volume total de inscrições deveriam ser
feitos todos os esforços necessários para ajudar a conseguir outro emprego colocando
a sua disposição os serviços de readaptação profissional e a assistência dos serviços
públicos de emprego.
19.1) Se possível, qualquer redução do volume de inscritos no registro que se
faça necessária, deveria se efetuar gradualmente e sem que se recorra ao rompimento
da relação de trabalho. A esse respeito poderia ser útil aplicar aos portos a experiência
relativa às técnicas de planificação pessoal da empresa.
19.2) Ao determinar o alcance da redução dever-se-ia levar em consideração
entre outros fatores:
a) a diminuição natural dos efetivos;
b) a suspensão da contratação, salvo em caso de funções especiais em que não
se possa treinar os portuários já registrados;
c) a exclusão dos trabalhadores que não tirem seus principais meios de vida
do trabalho portuário;
d) a redução da idade de aposentadoria ou medidas destinadas a facilitar a
aposentadoria voluntária antecipada, mediante a concessão de pensões,
suplemento às pensões do Estado ou pagamento de quantias globais;
e) quando o aconselhar a situação, e ressalvando os contratos coletivos e o
consentimento dos trabalhadores interessados, a transferência permanente
de portuários dos portos em que haja excesso para os portos em que
haja escassez dos referidos trabalhadores.
19.3) O cancelamento da relação de trabalho somente deveria ser considerado
depois de se levar devidamente em conta os meios mencionados no item 2 anterior
e a reserva das garantias de emprego que pudessem ter sido concedidas. Dentro do
possível, o término da relação de trabalho dever-se-ia fazer de acordo com critérios
combinados e sujeitando-se a um aviso prévio adequado e ao pagamento das indenizações
estabelecidas no § 10.
E. DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA
20. Exceto nos casos de emprego regular ou permanente, com um determinado
empregador, deveriam ser estabelecido sistema de distribuição da mão-de-obra que:
a) ressalvando as disposições dos §§ 11, 15 e 17, proporcionem a cada empregador
a mão-de-obra de que necessita para a rotação rápida dos barcos ou,
se houver escassez de trabalhadores, uma parte eqüitativa da mão-de-obra
disponível;
b) proporcionem a cada portuário registrado uma parte eqüitativa do trabalho
disponível;
126
Secretaria de Inspeção do Trabalho
c) reduzam ao mínimo a necessidade de apresentar-se às chamadas para a
seleção e designação do trabalho, assim como o tempo necessário para ele;
d) assegurem, na medida do possível, e ressalvando a necessária rotação das
equipes, que os trabalhos sejam terminados pelos mesmos portuários que
os tenham começado.
21. Nas condições que se estabelecem na legislação nacional ou nos contratos
coletivos, deveria ser permitida, caso necessária, a transferência dos portuários empregados
regularmente por um empregador para um emprego temporário com outro
empregador.
22. Nas condições que se estabeleçam na legislação nacional ou nos contratos
coletivos, deveria ser permitida, caso necessária, a transferência temporária e voluntária
de portuários de um porto para outro.
IV – RELAÇÕES DE TRABALHO
23. As discussões e as negociações entre os empregadores e os trabalhadores
interessados deveriam ser orientadas não somente para resolver os problemas correntes,
como salários e condições de trabalho, mas também para obter um acordo
que incluísse as diversas medidas sociais necessárias para fazer frente às repercussões
de novos métodos de processamento de carga.
24. Com essa finalidade, deveria ser reconhecida a importância da existência
de organizações de empregadores e de trabalhadores portuários, estabelecidas de
acordo com princípios da Convenção sobre a Liberdade Sindical e a Proteção do
Direito de Sindicalização, de 1948, e da Convenção sobre o Direito de Sindicalização
e de Negociação Coletiva, de 1949, que possam entabular livremente negociações e
assegurar a execução dos acordos que se concluam.
25. Onde ainda não exista, deveria ser estabelecido um sistema de relações de
trabalho, com a finalidade de criar um clima de confiança e de colaboração entre os
portuários e os empregadores, graças ao qual possam se efetuar reformas sociais e
técnicas sem tensões nem conflitos, e possam se resolver rapidamente as queixas, de
acordo com as Recomendações sobre o Exame de Reclamações, de 1967.
26. As organizações de empregadores e de trabalhadores juntamente com as
autoridades competentes, quando for o caso, deveriam participar na aplicação das
medidas sociais necessárias e, em particular, no funcionamento dos sistemas de regularização
de emprego e da estabilidade de remuneração.
27. Deveriam ser instaurados métodos efetivos de comunicação entre os empregadores
e portuários, e entre os dirigentes das organizações de trabalhadores e
seus filiados, de acordo com a Recomendação sobre a Comunicação dentro da
127
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Empresa, de 1967. Tais métodos deveriam ser postos em prática por todos os meios
possíveis e a todos os níveis.
V – ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PORTUÁRIO
28. A fim de que a introdução de novos métodos de processamento de carga
se traduza por um máximo de benefícios sociais, deveria ser fomentada a colaboração
entre os empregadores, ou suas organizações, e as organizações de trabalhadores
para aumentar o rendimento do trabalho portuário, com a participação, quando for
o caso, das autoridades competentes.
29. Entre as medidas objeto de tais acordos poder-se-ia incluir:
a) o emprego de conhecimento científico e técnicas referentes ao ambiente
de trabalho, particularmente quanto às condições de trabalho portuário;
b) programas completos de formação profissional, inclusive em matéria de
segurança;
c) esforços mútuos para alimentar práticas obsoletas;
d) uma maior flexibilidade ao distribuir portuários entre os diversos porões,
entre os que trabalham a bordo e em terra, e entre as diversas operações
em terra;
e) o recurso, em caso necessário, ao trabalho por turno e em fim de semana;
f) uma organização do trabalho e uma formação profissional que permitam
aos trabalhadores desempenhar várias funções correlatas;
g) a adaptação do número de trabalhadores de cada turma às necessidades
que foram combinadas, levando em conta a necessidade de assegurar
períodos razoáveis de descanso;
h) esforços mútuos para eliminar, na medida do possível, o tempo improdutivo;
i) disposições para a utilização eficiente do equipamento mecânico, que levam
em conta as normas de segurança adequada e as restrições de peso
que impõe a capacidade máxima de utilização das máquinas.
30. As referidas medidas deveriam ser acompanhadas de acordos sobre matérias
de regularização do emprego e de estabilização de renda e da melhoria das condições
de trabalho a que se refere a parte subseqüente da presente Recomendação.
VI – CONDIÇÕES DE TRABALHO E DE VIDA
31. A legislação sobre a segurança, higiene, bem-estar e formação profissional,
aplicável a empresas industriais, deveria aplicar-se efetivamente nos portos com
as adaptações técnicas necessárias; deveria haver serviço de inspeção adequado e
qualificado.
128
Secretaria de Inspeção do Trabalho
32. As normas relativas à duração do trabalho, descanso semanal, férias remuneradas
e condições análogas, não deveriam ser menos favoráveis para os portuários
do que para a maioria dos tabuladores das empresas industriais.
33. Deveriam ser adotadas medidas em relação ao trabalho por turno, entre
elas:
a) evitar que as pessoas trabalhem em dois turnos consecutivos, além dos
limites estabelecidos pela legislação nacional e os contratos coletivos;
b) compensação salarial pelos inconvenientes que cause ao trabalhador o trabalho
por turnos, inclusive aquele efetuado em fim de semana;
c) fixação de uma duração máxima e de um horário adequado dos turnos,
levados em conta as condições locais.
34. Quando se introduzirem novos métodos de processamento de carga, e as
remunerações forem calculadas pela tonelagem, ou por outras formas baseadas na
produtividade, poder-se-ia adotar medidas para examinar e, quando preciso, rever
os métodos de escalas e de pagamento e, caso necessário, deveriam ser aumentados
os ganhos dos portuários, como resultado dos novos métodos de processamento de
carga.
35. Onde não existam, deveriam ser estabelecidos sistemas adequados de pensões
e aposentadorias.
VII – DISPOSIÇÕES DIVERSAS
36. As disposições adequadas da presente Recomendação dever-se-iam aplicar,
na medida do possível, aos portuários ocasionais ou sazonais, de acordo com a
legislação e as práticas nacionais.
EMENTÁRIO
131
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
EMENTÁRIO DE INFRAÇÕES À LEI Nº 9.719, DE 27 DE
NOVEMBRO DE 1998
EMENTA I: DEIXAR DE ORGANIZAR E MANTER O CADASTRO E/OU O
REGISTRO DO TRABALHADOR PORTUÁRIO
Capitulação: Art. 1º da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: OGMO
Texto: O Órgão Gestor de Mão-de-Obra não cadastrou e/ou não registrou
trabalhador portuário, cuja inscrição foi assegurada nos termos dos arts. 54, 55, 70
ou 71 da Lei nº 8.630/93 ou ainda esteja contemplado em convenção coletiva de
trabalho.
Elementos de convicção: Verificação da documentação referente ao cadastro
ou registro dos trabalhadores portuários ou Boletim de Atualização Portuária (BAP)
publicado no Diário Oficial da União de 31 de janeiro de 1996 ou 2 de abril de 1996
ou, ainda, à vista de convenção coletiva de trabalho celebrada nos termos dos art. 8º
ou 9º do Decreto nº 1.596/95.
EMENTA II: GERIR MÃO-DE-OBRA DO TRABALHO PORTUÁRIO AVULSO
QUANTO À ORGANIZAÇÃO E À MANUTENÇÃO DO CADASTRO E DO
REGISTRO DOS TRABALHADORES PORTUÁRIOS, EM DESACORDO COM AS
NORMAS DO CONTRATO, CONVENÇÃO OU ACORDO COLETIVO DE
TRABALHO, OU COM AS DISPOSIÇÕES CAPITULADAS EM LEI.
Capitulação: Art. 1º da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: OGMO.
Texto 1: O Órgão Gestor de Mão-de-Obra, sem considerar as normas
estabelecidas em convenção coletiva de trabalho, registrou (ou cadastrou) novamente
os trabalhadores abaixo relacionados, cujo registro (ou cadastro) foi anteriormente
extinto por cancelamento (aposentadoria, por exemplo) – ou ainda manteve as
referidas inscrições – nos termos do § 3º do art. 27 da Lei nº 8.630/93.
Texto 2: O Órgão Gestor de Mão-de-Obra, sem considerar as normas
estabelecidas em convenção coletiva de trabalho, registou (ou cadastrou) os trabalhadores
abaixo listados, sem que os mesmos fizessem jus à referida inscrição.
132
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Elementos de convicção: verificação de documentação referente ao cadastro
ou registro do trabalhador portuário em desacordo com a lei e convenção coletiva
de trabalho estabelecedora das regras de ascensão ao registro e/ou inclusão no cadastro.
EMENTA III: DEIXAR DE OBSERVAR O DISPOSTO NO PARÁGRAFO ÚNICO
DO ART. 56 DA LEI Nº 8.630/93 QUE DETERMINA MANTER, EM CARÁ-
TER PERMANENTE, A PROPORCIONALIDADE ENTRE TRABALHADORES COM
VÍNCULO EMPREGATÍCIO E TRABALHADORES AVULSOS.
Capitulação: art. 1º da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: titular de instalação portuária de uso privativo fora dos limites da
área do porto organizado ou a empresa que a explore para movimentação e/ou
armazenamento de mercadorias destinadas ou provenientes de transporte aquaviário.
Texto: o referido titular (ou empresa), responsável pela exploração do terminal
_____________, que já abrigava a mão-de-obra avulsa antes da Lei nº 8.630/93,
deixou de requisitar no Órgão Gestor de Mão-de-Obra obreiros avulsos da atividade
______________, quando deveria manter a proporcionalidade entre trabalhadores
avulsos e com vínculo empregatício.
Elementos de convicção: Conforme constatado em folhas ou recibos de pagamentos
referentes ao período ____________, ou por meio de requisições efetuadas
no período _______, que foram visadas. (pelo Auditor-Fiscal do Trabalho)
EMENTA IV: DEIXAR DE REQUISITAR, DENTRO DOS LIMITES DA ÁREA DO
PORTO ORGANIZADO, TRABALHADOR PORTUÁRIO AO ÓRGÃO GESTOR
DE MÃO-DE-OBRA.
Capitulação: art. 1º, in fine, da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998
Autuado: operador portuário, armador ou agente de navegação, titular de
instalação portuária.
Texto 1: A empresa acima identificada, responsável pela operação portuária
do navio _____________, deixou de requisitar mão-de-obra da atividade de
_______________, cuja equipe para execução do serviço é de ______ trabalhadores
no período __/__/__ a __/__/__.
Texto 2: a empresa acima identificada, responsável pelo navio _________,
fundeado no período de __/__/__ a __/__/__, deixou de requisitar a mão-de-obra
da categoria de ___________________ cuja equipe para execução do serviço é de
______ trabalhadores no período __/__/__ a __/__/__.
Elementos de Convicção: não-apresentação de requisição de trabalhadores
de determinada atividade e acordo ou convenção coletiva de trabalho.
133
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
OBSERVAÇÃO :
1. Tratando-se de atividade de vigilância quando o navio estiver fundeado,
ou atividade de bloco, deve o Auditor-Fiscal do Trabalho observar o que
dispuser o acordo ou convenção coletiva a respeito de requisição ou composição
de ternos, tendo em vista que essas fainas de trabalho portuário
não estão diretamente ligadas à operação portuária.
2. O Auditor-Fiscal do Trabalho deverá observar o disposto no art. 8º, § 1º
da Lei nº 8.630/93, que dispensa a contratação de operadores portuários,
e conseqüentemente de requisição de mão-de-obra no OGMO, nas operações
elencadas nesse artigo.
EMENTA V: REQUISITAR MÃO-DE-OBRA AVULSA, PARA TRABALHO
PORTUÁRIO, EM OUTRA PROCEDÊNCIA QUE NÃO O ÓRGÃO GESTOR DE
MÃO-DE-OBRA.
Capitulação: art. 1º, in fine, da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: operador portuário, ou titular de instalação portuária (ou empresa
que a explore), ou armador, ou agente de navegação.
Texto: a empresa acima identificada, responsável pela operação portuária do
navio, requisitou mão-de-obra avulsa, conforme abaixo especificada, para trabalho
portuário, em outra procedência que não o Órgão Gestor de Mão-de-Obra (especificar
a fonte) no período de __/__/ __ a __/__/__.
Elementos de Convicção: requisição de mão-de-obra e/ou verificação física
do trabalhador.
EMENTA VI: DEIXAR DE RECOLHER AO OGMO, NO PRAZO LEGAL OU
CONVENCIONAL, OS VALORES DEVIDOS PELOS SERVIÇOS EXECUTADOS
NA ÁREA DO PORTO ORGANIZADO.
Capitulação: art. 2º, inciso I, da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: operador portuário, armador ou agente de navegação, titular de
instalação portuária.
Texto: o referido operador portuário não recolheu ao Órgão Gestor de Mãode-
Obra, no prazo de 24 horas (ou no prazo previsto em convenção coletiva de
trabalho), os valores devidos aos trabalhadores que participaram da operação
portuária do navio ______, no período de ___/___/___ a ___/___/___.
Elementos de Convicção: não comprovação do recolhimento, em 24 horas,
(ou no prazo convencional – citar) ao Órgão Gestor de Mão-de-Obra, dos valores
devidos pelos serviços executados.
134
Secretaria de Inspeção do Trabalho
OBSERVAÇÃO:
Esclarecer, no corpo do auto, a parcela sonegada.
EMENTA VII: DEIXAR DE REPASSAR AOS TRABALHADORES A REMUNERAÇÃO
DEVIDA, PELOS SERVIÇOS EXECUTADOS, NO PRAZO DE 48 HORAS
OU NO PRAZO PREVISTO EM CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO.
Capitulação: art. 2º, § 1º, da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: OGMO
Texto: O Órgão Gestor de Mão-de-Obra não efetuou até o dia ___/___/___
o repasse da remuneração devida aos trabalhadores das atividades abaixo relacionadas,
pelos serviços executados no navio ________ em ___/___/___, turno
__________.
Elementos de Convicção: não-apresentação de comprovante de pagamento a
trabalhadores quando solicitado pela fiscalização (ou apresentação de comprovante de
repasse até o dia ___/___/___) e convenção coletiva de trabalho, quando aplicável.
EMENTA VIII: DEIXAR DE MANTER O REGISTRO DE TRABALHADOR
CEDIDO, EM CARÁTER PERMANENTE COM VÍNCULO EMPREGATÍCIO A
OPERADOR PORTUÁRIO OU ASSOCIADO A COOPERATIVA.
Capitulação: art. 3º inciso I (ou inciso II) da Lei nº 9.719 de 27 de novembro
de 1998.
Autuado: OGMO.
Texto: O Órgão Gestor de Mão-de-Obra cancelou o registro do trabalhador
“X”, pelo fato de o mesmo ter sido cedido em caráter permanente com vínculo
empregatício ao operador portuário “Z” (ou associado à cooperativa “Y”).
Elementos de Convicção: ato de cancelamento de registro junto ao OGMO
EMENTA IX: PERMITIR QUE TRABALHADOR PORTUÁRIO CEDIDO A
OPERADOR PORTUÁRIO, EM CARÁTER PERMANENTE, (OU ASSOCIADO A
COOPERATIVA) CONCORRA À ESCALA RODIZIÁRIA.
Capitulação: art. 3º, § 1º da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: OGMO
Texto: na ação fiscal conduzida no navio _____ foi constatado que o trabalhador
“X”, exercente da atividade portuária “Y”, foi escalado pelo Órgão Gestor
de Mão-de-Obra para o trabalho, embora o referido trabalhador se encontre na
condição de cedido, em caráter permanente, para o operador portuário “W” (ou
associado à cooperativa “Y”).
135
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Elementos de Convicção: verificação da escala de trabalhadores e da comprovação
da cessão do trabalhador a operador portuário (indicar como foi comprovada
a cessão).
EMENTA X: CONTRATAR A PRAZO INDETERMINADO TRABALHADOR
CADASTRADO SEM PRIORIZAR OS TRABALHADORES REGISTRADOS.
Capitulação: art. 26, parágrafo único, da Lei nº 8.630/93.
Autuado: operador portuário ou titular de instalação portuária.
Texto: O operador portuário ou titular de instalação portuária, sem anuência
do OGMO, contratou a prazo indeterminado o trabalhador portuário “X”, integrante
do cadastro, sem que tenha priorizado os trabalhadores portuários integrantes
do registro.
Elementos de Convicção: verificação física e/ou livro de registro de empregados
da empresa, relação de trabalhadores inscritos no registro e cadastro do OGMO
e entrevistas com trabalhadores portuários.
EMENTA XI: CONTRATAR, A PRAZO INDETERMINADO, TRABALHADOR
REGISTRADO NO ÓRGÃO GESTOR DE MÃO-DE-OBRA, SEM A COMPETENTE
CESSÃO.
Capitulação: art. 26, parágrafo único, da Lei nº 8.630/93.
Autuado: operador portuário.
Texto: O operador portuário acima admitiu com vínculo empregatício a prazo
indeterminado o trabalhador “X”, integrante do quadro de registrados do OGMO
(citar atividade), sem a devida comprovação da cessão.
Elementos de Convicção: verificação física, livro de registro de empregado e
inexistência de comprovação da cessão.
EMENTA XII: NÃO ASSEGURAR AO TRABALHADOR PORTUÁRIO AVULSO
CADASTRADO NO ÓRGÃO GESTOR DE MÃO-DE-OBRA O DIREITO DE COMPLEMENTAR
AS EQUIPES DE TRABALHO NAS EVENTUAIS FALTAS DE TRABALHADORES
PORTUÁRIOS REGISTRADOS, POR OCASIÃO DA ESCALA DIÁRIA.
Capitulação: art, 4º da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: OGMO.
Texto: O OGMO, responsável pela composição das equipes de trabalho para
a operação de _______, no navio _____, não assegurou a complementação da equipe
com trabalhador cadastrado, necessidade verificada pela ausência de trabalhadores
registrados naquele órgão.
136
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Elementos de convicção: denúncia e constatação da recusa pelo exame das
respectivas escalas, verificando-se a dobra da jornada de trabalho prevista para a
operação no navio acima ou a ausência de trabalhadores escalados sem justificativa
legal, não permitindo, mesmo assim, a inclusão na escala de trabalhadores cadastrados
para complementar a equipe de trabalho.
EMENTA XIII: PERMITIR QUE O TRABALHO PORTUÁRIO SEJA REALIZADO
POR TRABALHADOR REGISTRADO/CADASTRADO NÃO-CONSTANTE DA
ESCALA DIÁRIA.
Capitulação: art. 6º, caput, da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: operador portuário ou tomador de mão-de-obra.
Texto: o referido operador portuário ou tomador de mão-de-obra utilizou a
mão-de-obra do trabalhador “X” no dia ___/__/___, no navio ____________ (ou
no armazém nº ____) sem que o seu nome constasse da (s) escala (s) diária(s) visadas
por esta fiscalização.
Elementos de Convicção: verificação física e escala de trabalhadores.
EMENTA XIV: DEIXAR DE VERIFICAR A PRESENÇA, NO LOCAL DE
TRABALHO, DE TRABALHADOR CONSTANTE DE ESCALA DIÁRIA.
Capitulação: art. 6º, caput, da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: operador portuário ou tomador de mão-de-obra ou OGMO.
Texto: o referido operador portuário ou tomador de mão-de-obra, ou ainda o
Órgão Gestor de Mão-de-Obra, não verificou a presença dos trabalhadores constantes
da escala diária para a faina de trabalho (ou atividade portuária tal) no dia
___/__/___, no navio ___________ (ou no armazém nº ____), sendo constatada
por esta fiscalização a ausência dos seguintes obreiros:
Elementos de Convicção: verificação física e de escala diária de trabalhadores
por atividade portuária, visadas pelo Auditor-Fiscal do Trabalho.
OBSERVAÇÃO:
O OGMO será autuado se constar dos seus estatutos ou de decisão, aprovada
em assembléia geral, do sindicato dos operadores portuários a responsabilidade pela
verificação da presença dos trabalhadores portuários.
EMENTA XV: REMUNERAR TRABALHADOR PORTUÁRIO AVULSO NÃO
ENCONTRADO NO LOCAL DE TRABALHO DURANTE A AÇÃO FISCAL.
Capitulação: art. 6º, parágrafo único, da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de
1998.
137
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Autuado: OGMO.
Texto: Em ação fiscal conduzida no navio_______ no dia __/__/__, turno
_____ acerca das operações portuárias ali realizadas, foi constatado que os trabalhadores
a seguir relacionados estavam ausentes e que, não obstante, foram remunerados
pelo Órgão Gestor de Mão-de-Obra.
Elementos de Convicção: verificação física, escalas e folhas de pagamento
referente a operação realizada no navio _______ no dia __/__/__.
EMENTA XVI: DEIXAR DE EXIBIR AO AUDITOR-FISCAL DO TRABALHO
AS LISTAS DE ESCALAÇÃO DIÁRIA DOS TRABALHADORES PORTUÁRIOS
AVULSOS.
Capitulação: art. 7º, caput, da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: OGMO.
Texto: O Órgão Gestor de Mão-de-Obra instado, não apresentou as listas de
escalação diária dos trabalhadores da atividade de __________ (estiva conferente,
etc.) na operação realizada em __/__/__ , turno _____, no navio _________.
Elementos de Convicção: não-exibição de escalas diárias de trabalhadores
quando solicitado pela fiscalização.
EMENTA XVII: DEIXAR DE INCLUIR NA ESCALA RODIZIÁRIA TRABALHADOR
DEVIDAMENTE REGISTRADO.
Capitulação: art. 7º, parágrafo único, da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de
1998.
Autuado: OGMO.
Texto: Foi verificado que o trabalhador “X”, devidamente registrado no Órgão
Gestor de Mão-de-Obra sob o nº ____, não tem sido escalado para o trabalho,
sendo preterido na escala rodiziária.
Elementos de Convicção: escalas rodiziárias.
EMENTA XVIII: PERMITIR ESCALAÇÃO DE TRABALHADOR PORTUÁRIO
AVULSO EM OPERAÇÕES SIMULTÂNEAS.
Capitulação: art. 7º, parágrafo único, da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de
1998.
Autuado: OGMO.
Texto 1: Foi constatado, examinando-se as escalas dos trabalhadores e/ou
folhas de pagamento da atividade __________ (estiva, conferência, etc.), no dia
__/__/__, turno _______, que o trabalhador “X” foi escalado para o trabalho, no
mesmo horário, para os navios _________ e ___________
138
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Texto 2: Em ação fiscal conduzida no navio _________, no dia __/__/__,
turno ______, foi constatado a presença do trabalhador (citar atividade e número
do registro/cadastro) “X”, que se encontra igualmente escalado para o navio
______________, anteriormente fiscalizado.
Elementos de Convicção: exame de escalas de equipes e/ou verificação física.
EMENTA XIX: DEIXAR DE OBSERVAR INTERVALO MÍNIMO DE 11 HORAS
ENTRE DUAS JORNADAS DE TRABALHO.
Capitulação: art. 8º da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: OGMO.
Texto: O OGMO escalou o trabalhador (mencionar a atividade “X”, registrado
no OGMO sob o nº _______, para prestar serviço no navio “Y”, nos dias e
períodos _____ (citá-los), não respeitando, dessa forma, o intervalo de 11 horas
entre jornadas de trabalho.
Elementos de Convicção: verificação física e/ou escalas de equipes.
EMENTA XX: DEIXAR DE CUMPRIR DISPOSITIVO CONSTANTE DE
CONVENÇÃO OU ACORDO COLETIVO DE TRABALHO (EXCETO AS
REGRAS PARA SELEÇÃO AO REGISTRO).
Capitulação: art. 22 da Lei nº 8.630/93.
Autuado: operador portuário, tomador de mão-de-obra ou OGMO, conforme
o caso.
Texto: Em ação fiscal conduzida no _______ (mencionar o órgão) foi constatado
que o mesmo não cumpre ao pactuado na cláusula “X”, da convenção coletiva
de trabalho vigente no período ___________, que estabelece os seguinte:
______________
Elementos de Convicção: verificação física, exame dos documentos “XX”
ou outras disposições aplicadas ao caso.
EMENTA XXI: ATUAR COMO PRESTADOR DE SERVIÇOS A TERCEIROS
OU EXERCER QUALQUER ATIVIDADE NÃO VINCULADA À GESTÃO DE
MÃO-DE-OBRA DE TRABALHO PORTUÁRIO.
Capitulação: art. 25 da Lei nº 8.630/93.
Autuado: OGMO.
Texto: O OGMO, extrapolando de suas atribuições legais, vem atuando como
fornecedor de mão-de-obra ou prestador de serviços a terceiros não vinculados à operação
portuária ou como fornecedor da mão-de-obra de trabalhador não portuário.
Elementos de Convicção: constatação física, contratos e folhas de pagamento.
139
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
EMENTA XXII: UTILIZAR TRABALHADOR PORTUÁRIO, NOS PORTOS
ORGANIZADOS, NAS ATIVIDADES DE ESTIVA, CAPATAZIA, BLOCO, CONFERÊNCIA
DE CARGA, CONSERTO DE CARGA E VIGILÂNCIA PORTUÁRIA,
SEM QUE O MESMO POSSUA A DEVIDA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL,
MEDIANTE TREINAMENTO REALIZADO EM ENTIDADE INDICADA PELO
OGMO.
Capitulação: art. 1º da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: Operador portuário ou tomador de mão-de-obra.
Texto: O referido tomador de mão-de-obra portuária vem utilizando os trabalhadores
abaixo relacionados na(s) atividade(s) portuárias ______, sem que os
mesmos estejam habilitados, mediante treinamento em entidade indicada pelo
OGMO, contrariando o disposto no art. 27, §1º, in fine, da Lei nº 8.630/93.
Elementos de Convicção: verificação física dos trabalhadores na área da operação
portuária, livro de registro de empregados (se aplicável) e constatação da falta
de habilitação profissional em entidade indicada pelo OGMO.
EMENTA XXIII: UTILIZAR TRABALHADOR PORTUÁRIO, NOS PORTOS
ORGANIZADOS, NAS ATIVIDADES DE ESTIVA, CAPATAZIA, BLOCO, CONFERÊNCIA
DE CARGA, CONSERTO DE CARGA E VIGILÂNCIA PORTUÁRIA,
SEM QUE O MESMO POSSUA A DEVIDA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL E
INSCRIÇÃO NO OGMO.
Capitulação: art. 1º da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: operador portuário ou tomador de mão-de-obra.
Texto: O referido tomador de mão-de-obra portuária utilizou no dia __/__/__,
no navio _____________ (ou no armazém nº ___), turno ______, os trabalhadores
abaixo relacionados, na atividade portuária indicada, sem que os mesmos possuíssem a
devida habilitação profissional e estivessem inscritos no OGMO, contrariando o disposto
no art. 27, §1º, in fine, da Lei nº 8.630/93.
Elementos de Convicção: verificação física de trabalhadores portuários na
área da operação portuária e confronto com relação de trabalhadores registrados e
cadastrados no OGMO.
OBSERVAÇÃO:
A ementa XXII deverá ser usada quando a utilização de trabalhadores
portuários fora do sistema tiver obedecido à priorização dos TPAs inscritos no
OGMO. Já a ementa XXIII deverá ser usada nos casos em que tal utilização não
tenha observado a preferência dos matriculados.
140
Secretaria de Inspeção do Trabalho
EMENTA XXV: DEIXAR DE OBSERVAR DISPOSITIVO ESTABELECIDO EM
CONTRATO, CONVENÇÃO OU ACORDO COLETIVO DE TRABALHO
REFERENTE À SELEÇÃO E REGISTRO DE TRABALHADOR PORTUÁRIO
AVULSO.
Capitulação: art. 28 da Lei nº 8.630/93.
Autuado: OGMO.
Texto: O referido OGMO deixou de observar a cláusula “XX” da convenção
coletiva de trabalho vigente no período _______, na seleção e registro do trabalhador
“XX”, atividade _________.
Elementos de Convicção: exame das disposições em convenção ou acordo
coletivo de trabalho e relação de trabalhadores registrados no OGMO.
EMENTA XXVI: LOCAR OU TOMAR MÃO-DE-OBRA, PARA REALIZAÇÃO
DE TRABALHO PORTUÁRIO, SOB O REGIME DE TRABALHO TEMPORÁRIO,
NA ÁREA DO PORTO ORGANIZADO.
Capitulação: art. 45 da Lei nº 8.630/93.
Autuado: operador portuário ou titular de instalação portuária.
Texto: O referido tomador de mão-de-obra contratou a mão-de-obra dos trabalhadores
________ (citar os nomes), sob o regime de trabalho temporário, à empresa
“Y”, para exercer atividade portuária, conforme consta do contrato estabelecido
entre as partes.
Elementos de Convicção: verificação física e contrato assinado entre o operador
e a empresa fornecedora de mão-de-obra visado pelo Auditor-Fiscal do Trabalho.
EMENTA XXVII: DEIXAR DE ATENDER À REQUISIÇÃO DE TRABALHADOR
PORTUÁRIO AVULSO FEITA POR TOMADOR-DE-MÃO-DE-OBRA.
Capitulação: art. 1º da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: OGMO.
Texto: O OGMO não atendeu à requisição de “X” trabalhadores portuários
avulsos, feita pelo tomador de mão-de-obra “Y”, que exerce a atividade de ______,
enquadrado na situação __________, cujo fornecimento é de responsabilidade do
OGMO, conforme dispõe o art. 18, §2º da Lei nº 8.630/93.
Elementos de Convicção: requisição feita em ___/___/___ e recebida pelo
OGMO, conforme visado pela fiscalização e verificado nesta data.
141
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
EMENTA XXVIII: DEIXAR DE PAGAR DIRETAMENTE AOS TRABALHADORES
OS VALORES REFERENTES ÀS PARCELAS DE 13º SALÁRIO E FÉRIAS NOS
PRAZOS PREVISTOS EM LEI OU CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO.
Capitulação: art. 2º, inciso II, da Lei nº 9.719 de 27 de novembro de 1998.
Autuado: OGMO.
Texto: O OGMO não efetuou ou efetuou com atraso o pagamento das parcelas
de 13º e férias aos trabalhadores abaixo relacionados por serviços executados na
operação portuária __________.
Elementos de Convicção: ausência de comprovantes de pagamento em dia.
GLOSSÁRIO
145
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
GLOSSÁRIO DE TERMOS PORTUÁRIOS
Acostagem: Ato de acostar um navio (aproximar, arrimar, encostar, pôr junto
de. Ex.: uma lancha acostou ao navio).
Aguada: Água potável existente a bordo.
Amarrado/atado: Conjunto de mercadorias (chapas de aço, barras de aço,
perfilados, chapas de madeira, cartolinas, papéis, etc.) de certa forma geométrica,
fixado por arames, fios ou cordéis.
Ancoradouro: Local onde a embarcação lança âncora. Também chamado
fundeadouro. É o local previamente aprovado e regulamentado pela autoridade
marítima.
Aparelho de guindar: Equipamentos que suspendem a carga, por meio de
cabos, entre o cais e o navio. São os guindastes, paus de carga, cábreas ou portainers.
Área de fundeio: O mesmo que ancoradouro ou fundeadouro.
Atracação: Operação de fixação do navio ao cais.
Bacia de evolução: Área fronteiriça às instalações de acostagem, reservada
para as evoluções necessárias às operações de atracação e desatracação dos navios
no porto.
Bagrinho: Também chamado “carteirão” ou “cavalo” ou “galinha”, poderá
designar o trabalhador que não pertence ao sistema, mas que consegue trabalhar no
porto por conta própria ou alheia (em nome de um trabalhador do sistema) ou
ainda um trabalhador do sistema que realiza o trabalho em nome de outro.
Barril: Recipiente geralmente fabricado de madeira ou alumínio, destinado
a conter líquidos, possuindo formato de um cilindro abaulado na seção média longitudinal.
Batimento de ferrugem: Retirada do ferrugem, por meio de batidas de
martelete nas chapas de aço, para posterior pintura.
Bobina ou rolo: Apresentação de formato cilíndrico, geralmente usada para
fios de diversas qualidades, cordas vegetais, plásticos, chapas metálicas e eventualmente
tubos. Não confundir com o carretel que é provido de flanges – discos laterais
e núcleo.
146
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Bombona: Recipiente de formato cilíndrico-abaulado, com fechamento hermético,
feito de plástico, destinado a conter líquidos.
Cábrea: Tipo de pau-de-carga com grande capacidade de carga. Denomina
também os guindastes flutuantes.
Cais: Plataforma em parte da margem de um rio ou porto de mar em que
atracam os navios e se faz o embarque ou desembarque de pessoas ou mercadorias.
Caixote aramado: Recipiente de madeira com painéis reforçados, de formato
quadrado ou retangular, articulado por arames trançados que facilitam sua montagem,
desmontagem e fechamento.
Canal: Ou canal de acesso, é o que permite o tráfego das embarcações desde
a barra (local que demarca a entrada do porto e a partir de onde se torna necessária
uma adequada condição de sinalização) até as instalações de acostagem e vice-versa.
Carga Geral: Toda mercadoria de uma maneira geral embalada, mas que
pode vir sem embalagem – solta – num determinado estágio industrial, e que necessita
de arrumação (estivagem) para ser transportada num navio, refrigerado ou não.
Como exemplo de mercadoria com embalagem (packed), citamos amarrado/atado
(wirebound), bobina/rolo (bobbin), caixote aramado (wirebound box). Como exemplo
de mercadoria que não necessita de embalagem citam-se animais vivos, chapas
de ferro, madeira ou aço, pedras em bloco, pneus soltos, veículos, tubos de ferro.
Carga pré-lingada: Carga que já vem unitizada numa lingada do armazém.
Esse procedimento evita que o trabalhador faça a lingada antes do embarque.
Clintagem: Sistema pelo qual vários volumes são presos por meio de cintas,
arames ou fitas, formando uma unidade de carga. Usada para tábuas de madeira, de
compensado, fardos, amarrados, etc.
Conferente de balança: Utilizado nas movimentações de granéis sólidos em
que a mercadoria é quantificada por pesagem em balanças. Antes do advento das
balanças modernas, que imprimem relatórios automáticos, era necessário que um
trabalhador permanecesse anotando o peso de cada lote de carga.
Conferente-controlador: Às vezes é confundido com o planista, mas o
controlador verifica os locais a bordo em que a carga vai sendo estivada, controlando
sua correta localização. Atente-se que uma carga estivada em local inadequado
poderá resultar em prejuízo quando da desestivagem, pois outras cargas terão que
ser deslocadas ou removidas para outros porões para que a carga em questão possa
ser manuseada.
Conferente-plano: Chamado de planista. É aquele que, em teoria, elabora o
plano de estivagem da carga, ou seja, onde e como a carga vai ser estivada. Em
147
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
teoria, porque o responsável por essa atividade é o comandante da embarcação, que
responde perante o armador pelos prejuízos que possam advir. Algumas vezes, inclusive,
os armadores contratam profissionais especializados na elaboração do plano
de carga ou estivagem (os supercargos).
Conferente-rendição: Conferente que permanece de reserva para o caso de
uma substituição eventual de algum conferente.
Consignatário: Interessado na importação da mercadoria.
Contêiner: Acessório de embalagem, caracterizando-se por ser um contentor,
grande caixa ou recipiente metálico no qual uma mercadoria é colocada (estufada
ou ovada), após o que o mesmo é fechado sob lacre (lacrado) e transportado no
porão e/ou convés de um navio para ser aberto (desovado) no porto ou local de
destino. Os tipos mais comuns são: Contêiner comum – carga geral diversificadas
(mixed general cargo), saco com café (coffee bags); Contêiner tanque – produtos
líquidos; Contêiner teto aberto (open top) – trigo, cimento; Contêiner frigorífico
– produtos perecíveis; Contêiner para automóveis – automóveis; Contêiner flexível
– Também conhecido como big bag, consiste em um saco resistente utilizado para
acondicionamento de granéis sólidos; Contêiner flat rack – tipo de contêiner aberto,
possuindo apenas paredes frontais, usado para cargas compridas ou de forma
irregular, às quais, de outro modo, teriam de ser transportadas soltas em navios
convencionais.
Convés: Designa os “pisos” da embarcação acima do costado. Convés principal
é, geralmente, onde se localiza o portaló.
Costado: Parte do casco do navio acima da linha d’água. A expressão “ao
costado dos navios” refere-se às atividades desenvolvidas na beira do cais junto ao
costado do navio.
Credenciamento: Forma de contratação prevista na legislação anterior que
permitia que um trabalhador ficasse permanentemente à disposição de um tomador
de mão-de-obra sem vínculo empregatício e sem participar do rodízio.
Docas: Parte de um porto de mar ladeada de muros ou cais, onde as embarcações
tomam ou deixam carga.
Eclusas: Repartimento em rio ou canal, com portas em cada extremidade,
usado para elevar ou descer embarcações de um nível de água a outro, a fim de
facilitar-lhe ou mesmo possibilitar-lhe o acesso a determinados lugares.
Embalagem: Elemento ou conjunto de elementos destinados a envolver, conter
e proteger produtos durante sua movimentação, transporte, armazenagem,
comercialização e consumo.
148
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Embarcação fundeada: Designa a embarcação ancorada ao largo (na baía,
angra, enseada ou qualquer outro local protegido). Os pontos de fundeio poderão
estar dentro ou fora da área do porto organizado e são delimitados pela autoridade
marítima.
Embarcador: Interessado na exportação da mercadoria.
Escotilha: São aberturas nos conveses, por onde as cargas são arriadas e içadas.
São as “tampas” dos porões. Geralmente, numera-se os porões de proa para popa.
Assim porão nº 1 é o mais à proa, sendo seguido pelo porão nº 2, e assim por diante.
Estrado ou “palete”: Acessório de embalagem constituindo-se em tabuleiro
de madeira, metal, plástico ou outro material, com forma adequada para ser usada
por empilhadeira ou guindaste.
Extra-rol: Pessoas embarcadas em navios mas não-integrantes da tripulação.
A tripulação consta de documento denominado rol de equipagem, daí o termo
extra-rol.
Faina: Designa um tipo específico de movimentação de carga.
FDEPM: Fundo de Desenvolvimento do Ensino Profissional Marítimo, substitui
o salário-educação e é quem financia os sistema de cursos profissionais para os
trabalhadores portuários. É administrado pela Marinha.
Fretamento: Contrato segundo o qual o fretador cede a embarcação a um
terceiro (afretador). Poderá ser por viagem (Voyage Charter Party – VCP), por tempo
(Time Charter Party – TCP) ou visando a uma partida de mercadoria envolvendo
vários navios (Contract Of Afreightment – COA ). O fretamento a casco nu envolve
não só a cessão dos espaços de carga do navio, mas, também, a própria armação do
navio, em que o cessionário será o empregador da tripulação.
Granel líquido: Todo líquido transportado diretamente nos porões do navio,
sem embalagem e em grandes quantidades, e que é movimentado por dutos por
meio de bombas. Ex.: álcool, gasolina, suco de laranja, melaço, etc.
Granel sólido: Todo sólido fragmentado ou grão vegetal transportado diretamente
nos porões do navio, sem embalagem e em grandes quantidades, e que é
movimentado por transportadores automáticos, tipo pneumático ou de arraste e
similares ou aparelhos mecânicos, tais como eletroimã ou caçamba automática. Ex.:
carvão, sal, trigo em grão, minério de ferro, etc.
Granel: Carga quase sempre homogênea, não embalada, carregada diretamente
nos porões dos navios. Ela é subdividida em granel sólido e granel líquido.
149
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
Guias-correntes: Estrutura destinada a desviar a corrente de um rio ou de
um estuário, de modo que provoque o aprofundamento do canal pelo aumento da
força da corrente.
IMO: International Maritime Organization (Organização Marítima Internacional).
Instalação portuária: É qualquer benfeitoria ou equipamento administrado
dentro do porto. Poderá designar todo um complexo de instalações ou um único
equipamento. Já terminal significa “ponta”, “fim”, isto é, o ponto de entrada ou de
escoamento de um complexo industrial.
Lingada: Amarrado de mercadorias correspondentes à porção a ser içada por
guindaste ou pau-de-carga.
Livre prática: Autorização dada a uma embarcação procedente ou não do
exterior a entrar em um porto do território nacional e iniciar as operações de embarque
e desembarque de cargas e viajantes.
Manifesto de carga: Documento que acompanha a carga, individualizando e
quantificando. Também é conhecido como bill of lading.
Mercadoria: Todo bem destinado ao comércio.
Navegação de apoio marítimo: A realizada para o apoio logístico a embarcações
e instalações em águas territoriais nacionais e na Zona Econômica, que atuem
nas atividades de pesquisa e lavra de minerais e hidrocarbonetos.
Navegação de apoio portuário: A realizada exclusivamente nos portos e
terminais aquaviários, para atendimento a embarcações e instalações portuárias.
Navegação de cabotagem: A realizada entre portos ou pontos do território
brasileiro, utilizando a via marítima ou esta, e as vias navegáveis interiores.
Navegação de longo curso: A realizada entre portos brasileiros e estrangeiros.
Navegação interior: A realizada em hidrovias interiores, em percurso nacional
ou internacional.
Operação portuária: Movimentação e/ou armazenagem de mercadorias destinadas
ou provenientes de transporte aquaviário, realizada no porto organizado
por operador portuário.
Paletização: Processo pelo qual vários volumes (sacos, caixas, tambores, rolos
de arame, etc.) são colocados sobre um estrado ou “palete”.
Pau-de-carga: Tipo de aparelho de movimentação de peso que consiste numa
verga (lança), que posiciona a carga suspensa por cabos. Normalmente, é fixada ao
150
Secretaria de Inspeção do Trabalho
mastro e postada junto a escotilha (abertura do porão). O pau-de-carga completo é
constituído de aparelho de acionamento, aparelho de lingada e guincho (fixado
numa mesa de operação no convés, onde é operado pelo guincheiro).
Peação: Fixação da carga nos porões ou conveses da embarcação, visando
evitar sua avaria pelo balanço do mar. Despeação: desfazimento da peação.
Píer: Parte do cais que avança sobre o mar em linha reta ou em “L”.
Ponte: Construção erigida sobre o mar servindo à ligação com um cais avançado,
a fim de permitir a acostagem de embarcações para carga ou descarga e a
passagem de pessoas e veículos.
Portainer: Equipamento automático para movimentação de contêineres.
Portaló: Local de entrada do navio, onde desemboca a escada que liga o cais
ao navio. É o local de passagem obrigatória para quem entra ou sai da embarcação.
Prático: Profissional responsável pela condução em segurança da embarcação
por meio do canal de acesso até o cais.
Pré-qualificada: Compete à administração do porto pré-qualificar os operadores
portuários nos termos do art. 9º da Lei nº 8.630/93, condição esta indispensável
à execução das operações portuárias.
Quebra-mares: Construção que recebe e rechaça o ímpeto das ondas ou das
correntes, defendendo as embarcações que se recolhem num porto, baía ou outro
ponto da costa. O quebra-mar se diferencia do molhe por não possuir ligação com
a terra, enquanto que este sempre parte de um ponto em terra.
Rechego ou “achano”: Operação destinada a facilitar a carga e descarga de
mercadorias transportadas a granel. Consiste em ajuntar, arrumar, espalhar, distribuir
e aplanar a carga, abrir furos, canaletas ou clareiras, derrubar paredes, etc.
Rodízio: Sistema de alocação equânime das oportunidades de trabalho entre
os TPAs. Assim, o TPA somente trabalhará quando chegar a sua vez na fila de
oportunidades.
Roll-on/roll-off: Sistema de operação de carga e descarga sobre rodas ou esteiras,
efetuadas por meio de rampas. É efetuada com os meios de locomoção do equipamento
transportador ou da própria carga, quando se tratar de veículo automotor.
Ex.: carga ou descarga de automóveis e carga ou descarga de mercadoria dentro de
caminhões (os caminhões entram a bordo pelas rampas e aberturas no costado).
Sociedade classificadora: Entidades internacionais de direito privado e quase
sempre sem fins lucrativos, cuja finalidade original é fornecer, por meio de de
certificados, aos seguradores de navios e de cargas o grau de confiança necessário ao
fechamento de contratos de seguro.
151
Manual do Trabalho Portuário e Ementário
SOLAS: Safe of Life at Sea (Segurança da Vida Humana no Mar).
Tallie: Documento em que consta toda a mercadoria ou contêineres embarcados
ou desembarcados, incluindo suas características, pesos e volumes.
Terminal retroportuário: Terminal situado em zona contígua à do porto
organizado ou instalação portuária.
Terno: É cada equipe de trabalho a bordo. Normalmente, em cada porão em
que haja movimentação de mercadorias há um terno de trabalhadores escalado.
Tomador de mão-de-obra: Aquele que utiliza força de trabalho portuária
realizada com vínculo empregatício a prazo indeterminado ou avulso.
Transbordo: Movimentação de mercadorias entre duas embarcações. Atentese
para a diferença em relação ao termo “remoção” que designa a transferência de
carga entre porões ou conveses.
Unitização: É o ato de juntar as mercadorias em lotes-padrões, facilitando
seu manuseio e transporte multimodal e agilizando a movimentação. São exemplos
de unitização: a paletização – acondicionamento da carga em pallets (estrados de
madeira) e a conteinização (acondicionamento em contêineres).
152
Secretaria de Inspeção do Trabalho
GLOSSÁRIO DOS PRINCIPAIS TERMOS
PORTUÁRIOS EM INGLÊS
Boom (bum): pau-de-carga
Bow (bou): proa
Cargo (cárgou): carga
Chief officer (tchif óficer) ou Mate (mêite): primeiro oficial ou imediato
Cooper (cúper): consertador
Crane (crêin) ou Derrick (dérik): guindaste
Crane Driver (crêin dráiver): guindasteiro
Crew (cru): tripulação. Também pode designar um tripulante
Dunnage (dânidgi): material de estiva
Gangway (gângu-ei): portaló ou escada do portaló
Hatch (rétch): escotilha
Hold (rôud): porão
Lashing (láchin): peação
Master (máster) ou Captain (cáptan): comandante, capitão do navio
Moorman (múorman): amarrador
Portboard (pórtibord): bombordo
Ship (xíp) ou Vessel (véssol): navio
Starboard (estárbord): boreste ou estibordo
Stern (stérn): popa
Stevedore (estividór): estivador
Tallyman (táliman): conferente
Watchman (uótchman): vigia
Winch (uíntch): guincho
Winchman (uíntchman): guincheiro

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s